Artigos

O Rio corre “do” Maracanã

Construído como um dos símbolos de um Brasil “próspero e grande” que se posicionava mundialmente no cenário pós-Guerra, o então Estádio Municipal se tornou um templo do esporte mundial. Palco de duas finais de Copas do mundo, de abertura e encerramento de Olimpíadas, casa dos cariocas que transformaram o “domingo eu vou ao Maracanã” em mais do que uma letra de música, mas num programa cultural típico do Rio de Janeiro.
 
Um dos principais livros que traçam o panorama histórico da importância do estádio no período de sua construção é “O Rio corre para o Maracanã”, da historiadora Gisella Moura. Podemos dizer que, hoje, à beira dos 67 anos, o “gigante de cimento”, se transforma agora em outro símbolo: o da corrupção envolvendo poder público e empreiteiras. São denúncias de irregularidades nas licitações, na reforma do estádio para a Copa de 2014 entre outras que aparecem de tempos em tempos, além de reportagens que mostram o abandono do local e que colocam o Maracanã como um dos pilares do desvio de dinheiro público.
 

Este slideshow necessita de JavaScript.

 
A mais atual, apresentada pela reportagem do programa “Fantástico”, da Rede Globo, no último domingo, 12 de março, denunciou o superfaturamento apontado por uma auditoria do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ).
 
Cerca de 1,2 bilhão de reais transformados em entulhos, em gramado cheio de buracos, em falta de energia elétrica. O “disse me disse” entre Governo do Estado, Maracanã S.A e Comitê Organizador Rio-2016 não acha solução plausível. Ninguém assume e todos dizem ser o outro, o goleiro Barbosa da vez. E assim ficamos: assistindo definhar um dos principais destinos de turistas do Rio. Um sentimento de vergonha é o que resta ao ler e acompanhar tudo isso.
 
Os clubes que tradicionalmente jogavam por lá, tiveram que buscar alternativas na temporada passada e convivem com incertezas sobre o atual momento do “Maraca”. Para jogar no estádio, alguns por exemplo, tiveram que arcar com as dívidas milionárias da conta de luz.
 
O que se deve analisar também é que durante as obras foi dito – pouco, é verdade – sobre o superfaturamento. Mas não acompanhamos uma imprensa que tivesse cobrado com afinco as denúncias apontadas, principalmente, em abril de 2014 (nessa época, o TCE já registrava custos acima dos previstos para a reforma). Talvez porque era preciso valorizar o evento que começaria poucos meses depois.
estadio-do-maracana-recebe-a-ultima-partida-deste-domingo-a-estreia-da-argentina-de-messi-contra-a-bosnia-herzegovina-1402874647561_956x500
Em 2007, no caderno de encargos apresentado pelo Brasil à FIFA para sediar a Copa de 2014, o custo de todos os 12 estádios estava orçado em R$ 2 Bi., mas esse valor não foi suficiente nem para bancar as obras do Maracanã e do Mané Garrincha, em Brasília, que consumiram juntas R$ 2,3 Bi. Ao todo, R$ 8 Bi. foram gastos nos 12 estádios e, hoje, 9 deles dão prejuízos aos seus administradores (estados e/ou consórcios). Foto: Ronald Martinez/Getty Images
Resta saber se a partir de agora, teremos uma cobertura incessante sobre as denúncias que envolvem o Mário Filho. Que devolvam ao local as condições de ter novamente uma administração digna da “mística futebolística” que ele representa, da sua importância para a cultura nacional.
 
P1000667.JPG
Essa é a cara do Maracanã, não a de abandono, cooptação e descaso. (Foto: Mattheus Reis, 22 de junho de 2014)
 
O descaso e o abandono em que vimos o estádio, com saques inclusive, doeu tanto quanto o gol do uruguaio Ghiggia. Se nada for feito pelos órgãos competentes, talvez estejamos vivenciando hoje o verdadeiro “Maracanazo”.
Artigos

Não tão “Loco” assim.

Nascido no Uruguai, mas há 30 anos morando no Brasil, Juan Silvera é pesquisador de comunicação e esporte na Universidade do Estado do Rio de Janeiro, integrante do Laboratório de Estudos em Mídia e Esporte e tem como objeto de estudo as relações entre o futebol e a cultura dos dois países. Como parte de… Continuar lendo Não tão “Loco” assim.

Avalie isto:

Artigos

Reflexões sobre a Copa – carta a Ronaldo Helal

A Copa nos deixa sem oportunidades para encontros que permitam brincar com ideias e observações. Decidi voltar ao velho caminho de lhe escrever uma carta. Talvez fique longa por falta de tempo. Para maior clareza e autocontrole enumero minhas observações. 1)      Tenho a impressão de que o futebol latino americano, assim incluo México, Costa Rica… Continuar lendo Reflexões sobre a Copa – carta a Ronaldo Helal

Avalie isto:

Artigos

Copa do Mundo: mesmo vencendo, não seremos campeõs

Autor: Mauro Wainstock, jornalista O “Nobel de Economia” Milton Friedman foi certeiro: “Se colocarem o governo para administrar o deserto do Saara, vai faltar areia em 5 anos”. Desde 2010, o Brasil investiu R$825,3 bilhões em educação e saúde. Não sei se é muito ou se é pouco; o que tenho certeza é que estes… Continuar lendo Copa do Mundo: mesmo vencendo, não seremos campeõs

Avalie isto:

Artigos

Desrespeito, Racismo, Violência e Tapetes voadores: Imagina depois da Copa!

Vou começar este tragicômico post relatando o que aconteceu comigo na final da Copa do Brasil: desrespeito. Desde 1983 estive presente em quase todas as finais que o Flamengo disputou no Maracanã. Ao longo de 30 anos presenciei vitórias épicas como a própria conquista da Copa que uniu o legítimo futebol brasileiro em cima do… Continuar lendo Desrespeito, Racismo, Violência e Tapetes voadores: Imagina depois da Copa!

Avalie isto:

Artigos

O “velho” e o “novo”: construindo uma tradição

Creio que tenha sido o antropólogo Howard Becker que tenha dito, certa vez, que as mudanças sociais eram visíveis e evidentes, mas que o que o interessava era justamente o que não se modificava em meio a tantas modificações. Gostaria de aplicar o mesmo raciocínio ao futebol. É fácil observar o quanto o futebol mudou,… Continuar lendo O “velho” e o “novo”: construindo uma tradição

Avalie isto:

Artigos

Ainda sobre as Arenas da Copa – um outro olhar

O tema já foi visto e revisto aqui no blog. Mas tive de voltar a ele na minha postagem dessa semana. Não apenas pelas novas polêmicas que cercam o Consórcio administrador do Maracanã e os duelos entre os clubes, notadamente Vasco e Fluminense, para definir seus espaços no estádio. A despeito dessas novas notícias, meu… Continuar lendo Ainda sobre as Arenas da Copa – um outro olhar

Avalie isto: