Artigos

Quando o dinheiro não é tudo

Em um mundo onde o capital tem regido leis, mantido presidentes notoriamente corruptos e um Congresso que não esconde mais suas intenções nefastas contra a maioria da população, a narrativa sobre o futebol não tem conseguido se desvencilhar desta lógica mercadológica. Planejamento, balancetes positivos e a gestão, assuntos muito mais voltados para o campo econômico, tem se fortificado como o grande passo para o “futebol moderno”. Nem de longe é intenção deste texto dizer que o planejamento moderno deva ser excluído. Nosso objetivo é mostrar que ele não é tudo. As pesquisas desenvolvidas pelo LEME (Laboratório de Estudos em Mídia e Esporte) sempre indicaram algo óbvio, mas que muitas pessoas ainda não compreenderam: o futebol, assim como a sociedade, é o resultado de um todo integrado. Analisar pontos sem levar em conta este todo é a primeira chance de errar feio na projeção. Neste cenário, todo o dinheiro recebido por Neymar na transferência mais cara do mundo do futebol nos apresenta importantes pontos para reflexão.

2017-08-05t143250z_1221270510_rc1a218c0fd0_rtrmadp_3_soccer-france-psg-ami-neymar_n13sJgt
Neymar parou Paris na última semana. Foto: REUTERS/Christian Hartmann.

Antes de qualquer análise é preciso deixar claro, principalmente em tempos de maniqueísmo tolo que nos assola, que Neymar é um jogador muito acima da média, está entre os três melhores do mundo, com possibilidades de chegar a ser o primeiro e maior esperança brasileira para conquistar a Copa do Mundo. Consideramos Neymar um sucessor dos grandes craques que o Brasil produziu para o mundo do futebol. Posto isso, sem querer praticar futurologia, sua saída do Barcelona indica que o dinheiro recebido no PSG não será tudo em sua carreira. Faltam vários pontos para Neymar ser o que almeja e o que pode ser. E já adiantando, ao ir para o PSG ele muda seu patamar de atleta que poderia ser o melhor do mundo para atleta mais bem pago do mundo. São escolhas e neste sentido, Neymar escolhe a evolução patrimonial ao invés da esportiva.

O primeiro ponto é o caráter individualista de sua escolha. O principal é ser o melhor do mundo. Por mais que este prêmio seja altamente discutível no ponto de vista da fórmula de votação, evidenciando apenas os jogadores de grandes clubes europeus, não podemos rejeitar a ideia de que nos últimos anos os melhores do mundo foram realmente Messi e Cristiano Ronaldo. Para ser o melhor do mundo na FIFA é preciso jogar nesses clubes. Neymar não soube esperar, quer o prêmio agora, mesmo sabendo que tecnicamente seus dois adversários estão, atualmente, acima dele.

Ele seria naturalmente herdeiro desta disputa entre o argentino e o português. Poderia amadurecer e ganhar este prêmio facilmente. Nos próximos quatro anos, apenas ganhando uma Copa do Mundo pelo Brasil o faria desbancar os dois monstros. E não é preciso ser um gênio para saber que ele poderia ganhar uma Copa pelo Brasil mesmo jogando pelo Barcelona. O importante, para o staff de Neymar, é ser o melhor do mundo logo, e colher os frutos financeiros desta conquista. Como se o que ele já ganhou até hoje fosse pouco. A obsessão para ter um time para chamar de seu falou mais alto. Mas será que ele estaria pronto para ter um time seu? Seria o PSG de Neymar como o Botafogo de Garrincha? O Santos de Pelé? O Napoles de Maradona? O Flamengo de Zico? O Barcelona de Messi? Todos esses gênios tiveram ao seu lado um time repleto de craques para que eles conseguissem brilhar. E mais do que isso, um time com história, camisa e torcida para alçar seus gênios a este status.

O PSG é um clube novo, sem a história e peso necessário para disputar com os grandões Barcelona e Real (times dos principais adversários de Neymar). O envolvimento da torcida é relativamente recente. E, além disso, pautado em investimentos externos, o projeto não tem nenhuma garantia de que seja duradouro. Esse é o problema do mecenato futebolístico atual. Quem garante que o Sheik não vai desistir de brincar de Championship Manager (no modo trapaça) e abandonar o jogo para brincar de outra coisa? Quantas Champions League ele vai suportar perder até conseguir seu objetivo. O mercado pensa primeiro no retorno financeiro. Se ele não vier, muda-se o investimento. Esse é o problema de um clube sem cancha e tradição. Qual a chance de Neymar ganhar um torneio importante com este time? Óbvio que ela existe, mas no Barcelona ela seria maior.

info_dez-maiores-transferencias-futebol-02
Neymar pode até dizer que “não é por dinheiro”, mas ele é dono das duas maiores transferências da história do futebol. A do Santos para o Barcelona já era a maior e foi superada pela compra pelo PSG. Arte: Globoesporte.com

O ponto positivo para Neymar nesta transferência não tem nada a ver com fazer do PSG um clube para chamar de seu. Não é um novo desafio de transformar o PSG em uma potência. O burburinho causado no mundo do esporte com sua transferência o reposicionam no mercado de “garoto propaganda” e parece que este é o único objetivo de seu staff. Este não será seu último clube na carreira e aposto que não cumpre o contrato de cinco anos. Explico: a chance que ele tem de ser o melhor do mundo ganhando a Copa de 2018 é real. Assim sendo, o Sheik o venderia por um valor maior do que pagou e não me espantaria se o comprador fosse o Real Madrid. Camisas, milhões e a “Cidade luz” seriam trocados por mais euros. Assim, Neymar faria sua trajetória como um jogador celebridade, multibilionário, povoando as listas dos mais bem pagos do planeta e tendo seu afeto apenas com os clientes de suas marcas e não com os torcedores.

Isso não é tudo. O envolvimento do torcedor com os grandes craques é algo que dinheiro nenhum do mundo pode pagar e o que os situa na memória dos amantes do esporte. Não são as listas de grandes transferências. Que o diga Denílson, que foi para o Betis e só aparece na lista do clube e de seus torcedores como a transação mais cara do clube e ponto. Mesmo com todo o potencial de Denilson. Não basta ser “apenas” milionário. Fazer história em um clube pode ser algo muito maior.

Neymar é um exemplo claro de como a configuração do campo esportivo se entrelaça de maneira robusta com o campo econômico. Mesmo com todo o investimento, planejamento, e fortuna, nada garante a ele e ao PSG o sucesso. É preciso algo mais, algo que o dinheiro não pode comprar, algo que é construído e que não está a venda. Este é o grande desespero do capital no esporte, principalmente no futebol. Por mais que se tente enxergar os clubes como fundos de investimento que garantem um lucro mínimo ao final deste investimento e consequentemente, o sucesso, o jogo é jogado. São vários outros pontos que interferem em um jogo de futebol que não só o dinheiro. Basta vermos a posição do Flamengo no campeonato brasileiro: tem finanças em dia, jogadores caros e bons, mas não joga o que se espera e explora financeiramente sua torcida de massa com o ingresso mais caro do país.

Neymar tem o dom, e está sendo agraciado financeiramente por conta dele. Meu maior medo, por ser fã de seu futebol é que nosso craque não seja idolatrado e envolvido pela atmosfera dos amantes do futebol da mesma forma que o dinheiro dos clientes do futebol o adornarão por toda a vida. A narrativa jornalística inebriada e envolvida com os milhões julga correta sua “ambição”. Se pudesse aconselhá-lo diria: querido Neymar, deve ser muito triste ter só dinheiro.

Artigos

“Prensa, decime que se siente…”

“Desde manhã que são nossos hóspedes os bravos argentinos que vêm jogar com os nossos foot-ballers três partidas do impressionante e empolgante jogo. O valor dessa visita […] É uma approximação intelligente entre os dous paízes, sem diplomacia mas com a forte correnteza das sympathias que nos arrastam para grandes amisades para os grandes fervores.… Continuar lendo “Prensa, decime que se siente…”

Avalie isto:

Artigos

Futebol, processo civilizador e o drible.

Em um episódio destacado de suas Confissões, Santo Agostinho faz um relato de um furto de peras na vinha de um vizinho. Ele estava entre amigos e não roubavam para comer as frutas. O prazer consistia em praticar o que lhes agradava, “pelo fato do roubo ser ilícito”. Atormentado por esse gesto quando tinha apenas… Continuar lendo Futebol, processo civilizador e o drible.

Avalie isto:

Artigos

A nossa Copa do Mundo

A Copa do Mundo acabou. Só nos resta juntar os cacos. Há muito o que comemorar, afinal o Brasil conseguiu realizar o evento com dignidade e arrancar suspiros da maioria dos gringos que aqui estiveram. Mas para os brasileiros que são realmente fãs de futebol, o gosto amargo do massacre alemão vai demorar a passar.… Continuar lendo A nossa Copa do Mundo

Avalie isto:

Artigos

Maracanazzo, Imprensa e “vira-latas”

16 de julho de 1950, 16 horas e 25 minutos, o Brasil se cala com o gol de Schiaffino. Era o empate uruguaio, que ainda nos permitia ser campeões, mas foi sentido de forma dura pelos jogadores e pela torcida, que ficou muda. Nos treze minutos seguintes as pessoas que lotaram o Maracanã, os jogadores… Continuar lendo Maracanazzo, Imprensa e “vira-latas”

Avalie isto:

Artigos

Qual Copa teremos?

De um lado, um discurso ufanista, dos direitos de transmissão, da Copa das Copas, do legado que mudará as capitais brasileiras. De outro, o #nãovaiterCopa, o medo das manifestações, as reportagens francesas e o “dinheiro queimado em estádios que não ficarão para ninguém”. Menos de cem dias para que nós, no centro desse gramado, possamos… Continuar lendo Qual Copa teremos?

Avalie isto:

Artigos

Neymar está cansado ou nos cansamos de Neymar?

Há exatos dois anos o grupo de pesquisa responsável por manter este blog se reunia para investigar como a imprensa escrita estava construindo a imagem do jogador Neymar. Àquela altura, o garoto impressionava o Brasil com um vasto repertório de dribles e belos gols. Observando hoje aquele momento, é possível perceber que nós pesquisadores, assim… Continuar lendo Neymar está cansado ou nos cansamos de Neymar?

Avalie isto: