Artigos

Para não dizer que não falei de futebol: menos cem mil torcedores

Por Antonio Jorge Gonçalves Soares*

Roberto DaMatta demonstrou que o futebol como drama permite ler nossas tramas e dilemas culturais, nossa moralidade, nosso autoritarismo, nossa camaradagem, nossos valores não- igualitários e, ao mesmo tempo, esse esporte fornece uma das poucas experiências na qual a regra vale para todos. O futebol se tornou uma instituição nacional. O futebol é tão brasileiro quanto “Deus”. Ele se tornou um elemento simbólico, uma espécie de gramática popular que permite falar, debater e brigar, até certo ponto, sempre até certo ponto, sobre os temas sociais e políticos. Pois, quando o debate chega à certa fervura, surge o velho ditado popular que “futebol, política ou religião não se discute!”. Essa é mais uma expressão que revela nossa moralidade política, pois tal adágio surge nos momentos de divergência e conflito pela turma “do deixa disso”, isto é, “deixa como está e nada se resolve”. Essa não-resolução, esse “empurrar com a barriga”, é a forma de abolição de consensos civilizados e provisórios, como exigiria a moralidade numa cultura democrática.

Conflito aqui não é visto como espaço de debate que produz acordos, conflito aqui é motivo de ruptura, de ressentimento, de exclusão ou de desejo da morte do “outro”. Somos a democracia do Flamengo e Vasco, do Fla-Flu, do Corinthians e Palmeiras, só a vitória importa! O vice no futebol é o “primeiro dos últimos”. Na política é o inútil que não tinha capital simbólico para se tornar presidente. O empate é sempre algo não desejado. Aqui o “tudo ou nada” é a regra que anima espíritos e mentes da democracia brasileira e do nosso futebol. Ao derrotado, resta a humilhação e o ritual de luto, não importa a luta. Todavia, o futebol também permite um “flash de espírito democrático”, pois pode haver alternância de poder: no próximo jogo (ou campeonato), a derrota pode ser transformada em vitória. Quando isso acontece, a chance do escárnio é revertida, pois, como diria Chico Buarque, “Quando chegar o momento; Esse meu sofrimento; Vou cobrar com juros”. No campeonato da política, aqueles que pareciam ter ido para a quarta divisão, entraram em campo na primeira liga como azarões, ganharam e estão cobrando com juros os poucos avanços dados na direção de um estado de proteção social.

1001
uol.com.br

Aqui, os vitoriosos são venerados mesmo por aqueles que não partilharam os ganhos reais da vitória e nem das rachadinhas. O vitorioso apenas divide a glória simbólica com os personagens figurantes que estiveram ao seu lado no jogo das eleições. Já cansei de ouvir nas rodas populares a seguinte sentença: “Meus candidatos foram campeões, não adianta chorar”. A política aqui difere um pouco do futebol, pois o torcedor é ensinado a ser Flamengo ou qualquer outro time desde pequeno, às vezes ainda no berço. Infelizmente, o interesse pela política não recebe o mesmo tratamento socializatório em nossas terras. Com isso, o debate da política se transforma numa contenda de futebol apenas durante as partidas eleitorais. Depois, a vida volta ao normal e ninguém quer saber de política; afinal, isso “não se deve discutir isso nessas paragens”, não é? Se o debate não existe, as torcidas continuam ativas nas redes sociais, temos a “Força Jovem Cloroquina” e “Torcida Organizada Antifascista”.

Não é à toa que o protestantismo neopentecostal, com incorporação de elementos mágicos de cura, prosperidade e salvação, se expandiu tanto no Brasil. A gramática do futebol é a mesma da religião. Nisso essas instituições se aproximam. Você está do lado de “Deus ou do diabo?”; “Você quer ser um derrotado ou um vencedor?”. Essas questões, sem dúvida, não subestimam a eficácia simbólica que tais religiões tenham na vida dos indivíduos, até porque a expansão delas tem a ver com a experiência de sucesso individual de parte de seus adeptos. Tais religiões também fornecem uma rede de apoio, dão sentido a vida dessas pessoas e conferem algum nível de dignidade pela existência. Afinal, Deus está olhando por eles e observando seus sacrifícios nessa “vida”. A contrapelo desse sentimento o estado não fornece essa sensação ao cidadão comum.

A expansão do evangelismo mágico-religioso se relaciona com a cultura de desesperança e desproteção que o Estado brasileiro fornece ao cidadão comum. Aqui temos a adjetivação corrente de “cidadão comum”, porque outros são “incomuns”, se tornam “superpessoas” (no sentido damattiano) ou já são de berço escolhidos por “Deus”. Quem nunca ouviu: “Eu dei a sorte de ter nascido numa família rica, que culpa tenho?” Existem outros caminhos, porém, para se tornar uma superpessoa no Brasil. Observe que nosso craque bilionário Neymar e seu pai, saídos do “brejo da cruz”, se tornaram cidadãos incomuns. Não mais pertencem à ralé, podem tratar de suas tramoias de sonegação fiscal diretamente no Palácio do Planalto. Se qualquer um “comum” cair na malha fina do Imposto de Renda não será recebido pelo superministro da economia Paulo Guedes e nem pelo presidente da República. Até porque o “leão” sabe quem vai devorar, quem ele vai mordiscar e quem merece ser adulado; em geral, cidadãos incomuns e o capital financeiro. A naturalização da hierarquia, “cada coisa no seu lugar” e “cada qual com seu cada um “, são expressões da “sorte dos escolhidos”, daqueles que receberam a “bênção de Deus” com o aval do Estado brasileiro.

Lúcio Kowaric** observa que, nos Estados Unidos, os vulneráveis são vistos pelos conservadores e progressistas, respectivamente, como culpados ou não-culpados da própria desgraça que estão submetidos. A critica conservadora indica que o suporte do estado gera preguiça, marginalidade e alimenta o “Welfare dependency”. Na França, independentemente dos setores da direita conservadora ou da esquerda progressista, o Estado francês e a sociedade são vistos como responsáveis por todos os cidadãos e devem fornecer meios de sobrevivência dentro do espírito universalista republicano aos vulneráveis.

Jair Bolsonaro em jogo do Palmeiras
nexojornal.com.br

A questão é: quem deve ser protegido pelo estado? Para direita, apenas os “franceses”, os imigrantes devem ser excluídos e deportados; para a esquerda, todos os vulneráveis que vivem no território merecem políticas de proteção. Enfim, a responsabilidade é do Estado. No Brasil, teríamos dois mecanismos de controle e acomodação social em relação aos vulneráveis, além da baixa capacidade de proteção social. Os excluídos não são responsabilizados pela própria desgraça, mas pelo inevitável azar. Kowaric nomeia esse mecanismo de naturalização dos acontecimentos, a desgraça individual ou de grupos excluídos é produto da má sorte que recai aleatoriamente sobre uns e não sobre outros. Ser cidadão comum, um “descidadão” ou um supercidadão é uma inevitabilidade aleatória e histórica. O outro mecanismo é nomeado como neutralização. Refere-se aos processos sociais que legitimam a hierarquia e a subalternização dos vulneráveis no Brasil. Isso ocorre através das formas sutis ou explícitas de evitação e apartação dos vulneráveis da vida cotidiana, dos bens econômicos, culturais e de consumo.

Com a lição de DaMatta e de Kowarick, podemos entender a voz de nossos representantes no governo diante da pandemia nesse futebol da política. A fala do presidente representa a ausência de responsabilidade do Estado diante da pandemia. Diz ele sobre as mortes, “lamento, mas é o destino de todo mundo”, “lamento, eu sou Messias, mas não faço milagres”, “Não sou coveiro”, “vamos tocar a vida”. Assim, Bolsonaro ratifica que o destino do cidadão comum é uma questão de sorte ou de azar, “o vírus tá aí, o que posso fazer, pô?!”, diz o presidente, ausentando-se de responsabilidade sobre o inevitável destino de cada um. Os cemitérios e os negócios funerários estão em alta, passamos dos cem mil mortos e os estádios de futebol se transformaram num teatro sem plateia. No sábado, dia 8, os torcedores do Palmeiras se aglomeraram na porta do estádio para comemorar, com e sem máscara, o título paulista. No clima da alegria palmeirense, o presidente da república usou a redes sociais para parabenizar seu suposto time. Sobre os cem mil mortos, nenhuma palavra em rede nacional. Afinal na lógica do presidente estamos apenas diante de uma fatalidade ao perdermos cem mil torcedores.

*Antonio Soares é professor titular da Faculdade de Educação da UFRJ

**Artigo “Sobre a vulnerabilidade socioeconômica e civil…”, publicado em 2003 na Revista Brasileira de Ciências Sociais.

Esse artigo foi publicado originalmente no Quarentena News.

Artigos

Os donos no futebol

Os clubes do século XXI foram controlados por perfis facilmente classificáveis de “investidores”. Todos absolutamente cientes de uma verdade inconveniente da qual essa indústria jamais conseguiu se desprender e admitir: clube de futebol não dá dinheiro.

Não há qualquer exagero nessa afirmação. Desde a irreverente literatura da dupla Simon Kuper & Stefan Szymanski (2009)[1] até a radical crítica de David Kennedy e Peter Kennedy (2016)[2], são notórios os indícios de que a propriedade de clubes de futebol não se configura como “um grande negócio”, e pior, mal pode ser considerada “um negócio”. A propriedade de clubes de futebol não opera em uma ordem guiada pelo lucro, não costuma ter suas ações negociadas em ritmos convencionais, não estabelece faturamentos comparáveis a segmentos periféricos do terceiro setor, não repassa dividendos para os seus envolvidos… por que, então, alguém teria tanta vontade de ter um clube? Porque futebol movimenta as multidões. E as multidões alteram o rumo dos ventos.

Os donos de clubes de futebol hoje podem ser divididos em quatro grandes grupos. Três deles são diretamente relacionados à utilização do clube como ferramenta de propaganda e/ou publicidade; o último é mais diverso: 1) geopolítica: Estados interessados em fazer dos clubes suas ferramentas de “soft power”; 2) política eleitoral: personalidades ou grupos políticos dispostos a investir em um clube de massas para reverter seu sucesso esportivo em capital político; 3) mercado de capitais: grupos financeiros, e seus respectivos representantes públicos, em busca de projeção de suas imagens e marcas para a atração de investidores para seus projetos; e 4) os alheios: ora desinformados, ora aventureiros, ora mal intencionados, muitas vezes notórios lumpenburgueses.

1) Geopolítica – O uso do clube de futebol como instrumento de “soft power”, isto é, o exercício do poder sem uso da violência, pode apresentar diversas finalidades, mas, em geral, se define pela intenção de facilitar o trânsito dessas lideranças/Estados dentro de países centrais da economia global. O esporte tem sido utilizado com esse princípio há muitos anos, mas esse tipo de “comprador de clube de futebol” está basicamente relacionado a quatro países.

O primeiro seria o emirado de Abu Dhabi, o mais importante e rico dos Emirados Árabes Unidos, que adquiriu o Manchester City em 2008 e posteriormente criou o City Football Group, maior holding global do segmento.[3] O segundo seria o emirado do Qatar, atual proprietário do Paris Saint-Germain, da França, que adquiriu o clube em 2011. O terceiro, em processo que até maio de 2020 não estava concluído, seria a Arábia Saudita, prestes a adquirir o tradicional Newcastle United, da Inglaterra. Nesses três casos, se tratam de Estados teocráticos que mobilizam seus fundos públicos de investimento para adquirir grandes marcas do futebol global e se dispõem a realizar gigantescos investimentos. O quarto deles é o Estado chinês, responsável por financiar investimentos em dezenas de clubes localizados em territórios que representam pontos estratégicos dos interesses desse Estado.[4]

2) Política eleitoral – em países democráticos, a busca pelo voto é um dos poucos verdadeiros desafios da vida de homens ricos. Uma vez que é difícil, custoso, ilegal e arriscado comprar o número necessários de votos para se eleger a um cargo público, empresários milionários de diferentes países tiveram uma grande ideia: tornar legal a compra do instrumento de mobilização apaixonada de milhares de cidadãos. Dessa forma, era preciso tornar os clubes compráveis. Três exemplos ilustram isso tipo de fenômeno.

Silvio Berlusconi, na Itália, adquiriu o Milan em 1986, na esteira da nova lei das sociedades por ações. Tornou o Milan uma máquina de comprar jogadores com imensos aportes financeiros sustentados pelo seu império de telecomunicações. Oito anos depois, conquistados quatro campeonatos nacionais e três taças continentais, Berlusconi era eleito primeiro-ministro do país pelo partido Forza Italia, criado por ele mesmo naquele exato ano de 1994. Ocupou o cargo em outras duas oportunidades.

Em um perfil mais modesto, também está a figura pitoresca do espanhol Jesus Gil, eleito em 1987 com margem apertada para a presidência do Atlético de Madrid em uma eleição com 22 mil votos. No cargo, torna-se um dos principais entusiastas da Ley de Deportes. Com a sua aprovação, se torna imediatamente sócio majoritário do clube que até então presidia. No ano seguinte, funda o partido Grupo Independiente Liberal (GIL) e se elege prefeito da cidade de Marbella, onde é reeleito três vezes antes de ser obrigado a abandonar a vida pública por envolvimento em um caso de corrupção realizado com o nome do Club Atlético de Madrid.

O caso mais emblemático talvez seja o de Sebástian Piñera, do Chile. Um empresário bilionário, cuja família teve relações firmes com os primeiros anos da ditadura Pinochet, já havia sido senador apesar das imensas dificuldades de emplacar eleitoralmente o Partido Renovación Nacional, do qual era presidente. No começo dos anos de 2000, começa a advogar pela conversão dos clubes chilenos em empresas, logo após impulsionar a revisão de uma lei em um processo que gerou uma dívida “retroativa” para os clubes. Logo depois, torna-se sócio majoritário da Blanco y Negro S.A., empresa que assumiria a gestão do Colo-Colo, clube mais popular do Chile (e rival da Universidad Católica, clube do qual declarou anteriormente ser torcedor). Em 2010, após quatro títulos nacionais sustentados por apoiadores/acionistas, Sebástian Piñera se torna presidente do Chile.[5]

dftb
gazetadopovo.com.br

3) Mercado de capitais – Mais do que necessariamente o uso do clube como forma de unir seu sucesso esportivo à imagem do seu proprietário, como mencionado anteriormente, esse quesito também envolve a limpeza da imagem de empresários com pregressos envolvimentos em atividades ilícitas. A força popular de um clube é capaz de blindar seus donos da lei.

Esses casos geralmente dependem das taças para lograr, e motivam grandes investimentos. É o caso do bilionário israelense-russo Roman Abramovich, que fez fortuna com a privatização das empresas estatais da antiga URSS, mais notadamente nos setores de mineração e petróleo. Em 2003, comprou o Chelsea, modesto clube de Londres, por meio do qual protagonizou o primeiro caso de megainvestimento do século XXI, rendendo diversos títulos, incluindo uma Champions League em 2012. Os resultados esportivos do Chelsea lhe renderam prestígio suficiente para se instalar com conforto no país. O final da década de 2010, no entanto, representou um gradual abandono dos investimentos, levando o clube a já não contratar como antes, a perder protagonismo e a suspender o projeto de um novo estádio. Roman Abramovich havia sido identificado como peça-chave de uma trama excepcionalmente complexa, que envolvia espionagem, guerra diplomática e lavagem de dinheiro, e, por isso, teve seu visto de residência no Reino Unido negado.

Em 2010, foi a vez do sheik Abdallah Ben Nasser Al-Thani comprar o Málaga CF, da Espanha, levando clube até a uma inédita Champions League em 2013. Esse caso não pode ser confundido como um exemplo de soft power, uma vez que Al Thani intencionava projetar sua própria ambição no mercado imobiliário espanhol. Alguns indícios apontam que o drástico desinvestimento do sheik no clube andaluz ocorreu por causa de uma série de frustrações aos seus planos empresariais, em especial pelo impacto das movimentações políticas contrárias aos seus projetos de arranha-céus na zona portuária da cidade. Em 2018, o Málaga CF é rebaixado para a segunda divisão espanhola. Em fevereiro de 2020, Al Thani foi afastado do conselho administrativo do clube por decisão da justiça espanhola, sob denúncia de apropriação indébita dos fundos da SAD.

Há também o caso de Peter Lim, bilionário financista de Singapura que adquiriu o Valencia Club de Fútbol em 2014, no rastro de uma crise causada pelo desastroso projeto de um novo estádio. Peter Lim somou fracassos dentro de campo, mas acabou por conquistar uma improvável Copa del Rey em maio de 2019, tirando o clube de 11 anos de jejum. Ainda assim, nunca gozou de prestígio junto aos torcedores e pequenos acionistas, que realizaram inúmeros protestos massivos desde a sua chegada. Com uma política austera nas contratações, Peter Lim ainda nomeou como presidente da SAD o seu conterrâneo Anil Murthy, um ex-diplomata, cuja experiência com o futebol era absolutamente zero. Sob sua gestão, o Valencia fracassou na tentativa de finalizar o antigo sonho do Nou Mestala, novo estádio que estava previsto para ficar pronto em 2010.

4) Os Alheios: aqui está um tipo de investidor que não dispõe de grandes fundos como os listados anteriormente. Ao se apresentarem como homens de negócios bem-sucedidos, conquistam a confiança de clubes que pretendiam adquirir. Como resultado, é comum vê-los levando-os à bancarrota junto com seus próprios fracassos financeiros.

O empresário iraniano Majid Pishyar desembarcou em Portugal, promovido por sua experiência bem-sucedida de promoção à primeira divisão com o Servette FC, clube da Suíça. Por meio do 32Group, um grupo de investimentos criado em 2008, Pishyar assume a SAD do Beira-Mar e promete torná-lo o “quarto grande” do país. No ano seguinte, é forçado a admitir que estava abrindo pedido de falência no clube suíço e, em 2014, já repassava a sua participação no clube português para outro interessado. O Beira-Mar saiu dessa experiência falido e Majid Pishyar, apesar disso, continua desenvolvendo outras atividades financeiras com o 32Group. Hoje, os torcedores do Beira-Mar tentam refundar o clube nas divisões inferiores de Portugal.

No Brasil, esse foi o tipo de investidor que chegou ao Esporte Clube Vitória no ano de 1998, quando o clube baiano adotou o modelo de sociedade anônima no rastro do movimento gerado pela Lei Pelé. O Exxel Group, conglomerado financeiro argentino em franca ascensão, controlado pelo uruguaio Juan Navarro, adquire 50,1% das ações da Vitória S.A, por cerca de 6 milhões de dólares, faturando as dívidas que o clube possuía à época e planejando entrar no mercado de jogadores de futebol. Por ser esse um dos seus movimentos de expansão dentro do mercado sul-americano, o Exxel prometeu investimentos de 12 milhões de dólares ao longo de 5 anos. Antes de decolar, o grupo que também havia comprado o clube argentino Quilmes, é impactado pela crise cambial argentina e por uma grave denúncia de fraude financeira. O Exxel Group abandona o Vitória, não faz o aporte financeiro prometido, vai à falência e aceita negociar a recompra das suas ações pelo EC Vitória em 2006, quando o clube jogava uma inédita Série C em sua história. O clube associativo restabeleceu o controle do seu futebol, extinguiu a Vitoria S.A. e voltou aos trilhos.[6]

Outro caso digno de nota é a aventura de Marcos Ulloa à frente do Deportes Concepción, clube chileno que sempre foi um dos mais tradicionais emblemas fora da capital. Tal empresário chegou ao clube em 2006 com a proposta de investir recursos de um grupo alemão representado por Mario Munzemayer. Recursos em tese suficientes para cobrir as dívidas da agremiação, para construir um novo centro de treinamentos e um estádio semelhante ao do alemão Schalke 04. O clube aceita a entrada de Ulloa na SAD, mas o dinheiro não existe. O Concepción foi rebaixado antes de conseguir desfazer o acordo com os falsos investidores e, em uma segunda tentativa de restabelecimento com novos investidores em uma nova SADP, mergulha em dívidas que levam à sua desfiliação da liga. Marcos Ulloa foi preso. Hoje os torcedores tentam restabelecer a associação.

dftb2
nabancada.online

Com a exceção do grupo 4 desse exercício ilustrativo, no fim das contas, do ponto de vista dos proprietários e de suas finalidades, o futebol de empresas do século XXI acabou adotando uma configuração semelhante à do futebol inglês no final do século XIX: clubes deficitários voltados para agregar à imagem do seu proprietário. A diferença agora é a proporção: em um futebol super consumido, televisionado para os quatro cantos do mundo, clubes provocam impactos reais no cenário eleitoral de uma nação, reposicionam geopoliticamente líderes globais, viabilizam projetos financeiros fraudulentos e limpam a imagem de empresários de origem e práticas duvidosas. Nessa escala, o futebol-negócio de clubes-empresa serve basicamente a interesses potencialmente perigosos.

É justo destacar que o futebol espanhol até meados dos anos 2010 ainda resguardava uma característica que lhe conferia certa diferenciação. Uma vez que seus antigos sócios tiveram prioridade na aquisição das ações da nova SAD, em muitos clubes os sócios mais ricos e influentes ocuparam os postos majoritários dessas sociedades. Até ali, por mais que também imperassem interesses como os já listados, se tratavam ao menos de proprietários de origem comum ao clube, muitas vezes até descendentes dos fundadores das associações. Mas esse tempo já passou.

Notas de fim

[1] “Se a Deloitte classificasse os clubes segundo o lucro, os resultados seriam constrangedores. Não apenas a maioria dos clubes tem prejuízo e não paga dividendos a seus acionistas, como muitos dos “maiores” clubes estariam no final da lista […]. Qualquer que seja o parâmetro, nenhum clube de futebol é um grande negócio”. (KUPER; SZYMANSKI, 2009, p. 88).

[2] “Um exame forense do estado da elite do futebol europeu confirma isso, revelando uma realidade totalmente diferente do dito sucesso comercial: é a realidade do débito, da falência, da perda do balanço competitivo e um contido ressentimento dos torcedores pela exploração financeira enquanto ‘consumidores’ e pela sua falta de poder de decisão”. (KENNEDY; KENNEDY, 2016, p. 25).

[3] Ver Capítulo 13 “Multi-club ownership: um novo estágio da globalização dentro do futebol”, de João Ricardo Pisani.

[4] Ver Capítulo 11 “Faixa, rota e bola: o futebol como instrumento de soft power chinês” e Capítulo 12 “Soft power e futebol: os casos de Catar, Emirados Árabes Unidos e Arábia Saudita”, ambos de Emanuel Leite Junior e Carlos Rodrigues.

[5] Ver Capítulo 3 “Sociedades anónimas deportivas no Chile: o declínio do futebol social”, de Sebástian Campos Muñoz.

[6] A bem da verdade, o Exxel Group não “investia” no Vitória. Apesar de ter se tornado proprietário da maior parte da Vitoria S.A. a partir do ano 2000, o aporte de 12 milhões de dólares estava disponível como crédito a juros de 8% a.a.. Cerca de 60% desse montante foi utilizado, em um contexto de crise generalizada no futebol brasileiro, mas o resto desse valor foi bloqueado pelo credor unilateralmente, impactado pela crise cambial argentina que originou a sua falência. Ver: CARNEIRO, Paulo. “A vantajosa recompra das ações do Vitória S.A feita em 2004”, Blog de Paulo Carneiro. 30 mar 2010.

Artigos

A dimensão ideológica da empresarização dos clubes

O post que segue corresponde ao tópico “Dimensão política-ideológica”, terceiro item dos cinco presentes no artigo “Clube-empresa: histórico, impactos reais e abordagens alternativas”. Este artigo, de minha autoria, é o texto introdutório do livro Clube Empresa: abordagens críticas globais às sociedades anônimas no futebol, lançado em junho de 2020 pela Editora Corner. Trata-se de uma coletânea de artigos cujo sumário segue após o texto.

image (1)

****

Muita coisa acontece entre a concepção de uma ideia e a aprovação de uma lei. Modelos jurídicos tendem a ser moldados pela correlação de forças conjuntural do parlamento que legisla sobre ela. Os modelos dos países elencados não apenas são consideravelmente distintos, como também possuem suas realidades particulares como ponto de partida, as suas características sociopolíticas como meio e a decisão particular de cada clube como a camada mais superficial e visível desse processo.

Como dito anteriormente, a ideia de clubes como empresas está alicerçada em concepções ideológicas de natureza políticas muito sólidas e coesas. O próximo item busca revelar essa relação.

Dimensão política-ideológica

Utilizado de forma exaustiva, repetitiva e, muitas vezes, meramente protocolar por seus críticos, o termo “neoliberalismo”, ou “pensamento neoliberal”, é comumente considerado equivocado e inexato por aqueles que nele seriam enquadrados. Pouco importa aqui a terminologia consensual que vai evitar que o leitor feche este livro logo nas suas páginas iniciais. Conceitos tomam a forma de termos para resumir longas cadeias de raciocínio. Importa menos a terminologia que mais agrade a uma ou outra linha intelectual do que a concordância inevitável da gravidade da ruptura provocada pela “renovação” do pensamento liberal. Esse novo liberalismo submeteu seus seguidores a um profundo reenquadramento conceitual, mesmo que não se percebesse.

Muitas ideias atravessam os tempos de forma silenciosa, expressadas e encampadas por interlocutores que podem ignorar suas raízes. No caso em questão, da defesa de que clubes de futebol se transformem em empresas, aparenta muito mais terem sido objeto de assimilação osmótica de um discurso que arroga tecnicidade apolítica, do que necessariamente uma reivindicação consciente de um modo de enxergar a realidade. O que friso é que essas são crenças oriundas de um fundo ideológico muito mais profundo e que existem conexões muito sólidas entre essas concepções.

Perry Anderson (2012, p. 29-30) definia uma das características desse movimento como uma aversão à “política”, dentro de um conceito filosófico muito específico que, na verdade, significava a denúncia da própria ideia clássica de democracia. Uma linha político-filosófica contrária à ampliação do poder decisório ao que se entendia por “massas”, cuja fonte de poder residiria no número, no volume, e não no saber. A rejeição não era necessariamente às formas institucionais em si, mas aos modos como estavam sendo aceitos os processos decisórios de sua constituição. Daí a defesa de uma individualidade radical contra a “servidão”.

Desse modo, “democracia” é um conceito relativo, enquanto que a “liberdade” não. Para combater tal servidão da imposição coletiva, seria admissível a instauração de um regime de caráter autoritário e centralizado, por ser mais suscetível à eficiência pretendida pelos modelos econômicos desejados. Anderson (2012, p. 35) revela como influenciadores intelectuais importantes dessa linha eram totalmente francos quando afirmavam que a instituição democrática, como estava concebida, conduzia a sociedade a uma ordem totalitária. Neles, totalitarismo se opõe à liberdade, autoritarismo se opõe à democracia. Era perfeitamente cabível aceitar um “autoritarismo garantidor das liberdades”. Um conceito muito específico de liberdade, calcado em uma crença absoluta da concorrência de mercado como motor de progresso.

Essa renovação do pensamento liberal, cujos debates inaugurados nos anos de 1930 e de 1940 foram decisivos, não pode ser perdida de vista em sua importância histórica. É comum remeter como ato fundacional desse movimento político e econômico de renovação do pensamento liberal a partir da Sociedade Mont-Pèlerin, fundada em 1947 por Friedrich Von Hayek, seu mestre Ludwig Von Mises, Karl Popper, Milton Friedman, dentre outros. Mas Pierre Dardot e Christian Laval (2016, p. 71) defendem que se leve em consideração o papel importante do Colóquio Walter Lippmann, ocorrido em Paris, com vários desses nomes, no ano de 1938. Lá, pela primeira vez, o termo “neoliberalismo” é utilizado, já dentro do espírito fundacional de um movimento, que apenas se consolidou em Mont-Pèlerin, após o fim da guerra.

Ainda que tenha caído em desuso, o fato é que seus primeiros agitadores almejavam redefinir o liberalismo em sua renovação neoliberal. A sua formação é oriunda de um período de grave crise no campo que acreditava estar “ao centro” do espectro político, se opondo em ambos os flancos pelos “totalitarismos” de esquerda e de direita – a ameaça socialista internacional e o trauma recente do horror nazifascista. Mas a grave crise também estava no próprio entendimento da raiz fundamental do pensamento liberal: ao longo de muito tempo dominado por uma tendência conservadora que dava ao mercado uma acepção “natural” e, portanto, não passível de ser provida de uma intervenção estatal – que seria até ali invariavelmente negativa, independente de sua finalidade –; esse campo buscava se reformular sob novos marcos. Depois da grande guerra, novamente Perry Anderson (2012, p. 44), “o antigo mundo político de governantes proprietários fundiários, eleitorados limitados, orçamentos modestos e moedas estáveis desabou”.

O domínio do direito se torna um elemento central para a eliminação dessas crenças naturalistas sobre a lógica de mercado. Entender a economia como um domínio isolado da política era um equívoco, pois o mercado era, em suma, um produto do direito. Um equívoco que acreditavam estar no cerne da permissividade que gerou o crescimento do socialismo e de outras práticas “niveladoras”. Contratos estabelecem mercados e protegem a propriedade, o direito dá validade e estabilidade aos contratos. Não haveria nada de natural na constituição deles. Seu desafio era colocar isso em prática, a partir do Estado, sem extrapolar suas competências, sob o risco de contaminar-se de um sedutor desejo de intervenção. O laissez faire não simplesmente existiria, ele precisaria ser constituído.

Esse liberalismo renovado precisava então formular uma ideia de Estado que nunca esteve no cerne das discussões intelectuais desse campo político e teórico. Era preciso deixar de lado o espontaneísmo, para elaborar um programa político, uma agenda concisa e disposta a formalizar os dispositivos capazes de fazer da ordem de mercado uma ordem estabelecida. Um liberalismo disposto a elaborar, anotam Dardot e Laval (2016 p. 85), um ‘“intervencionismo liberal, um ‘liberalismo construtor’, um dirigismo do Estado que convém distinguir de um intervencionismo coletivista e planista”. Caberia a esse intervencionismo liberal garantir o equilíbrio do jogo da concorrência em regras claras, proporcionando à sociedade a chance de colher os “benefícios da competição”.

Pierre Dardot e Christian Laval são precisos ao observar que esse movimento opera a construção de uma nova “racionalidade governamental”, ou uma “governamentalidade”. Não apenas uma doutrina, mas o “desenvolvimento da lógica do mercado como lógica normativa generalizada, desde o Estado até o mais íntimo da subjetividade” (2016, p. 34), uma racionalidade que tem como característica principal a “generalização da concorrência como norma de conduta e da empresa como modelo de subjetivação” (2016, p. 17).

O liberalismo renovado olha de longe seus adversários ideológicos, disseca-os e percebe que a produção de um “novo homem” também era objeto de sua ambição. Suas ideias não atravessam o tempo apenas por aderência natural e consciente, mas constroem um mundo onde não parece ser possível viver sem aderi-las. Cada sujeito é um empreendimento que determina seus concorrentes e parceiros, não mais em relações sociais. O princípio da concorrência atravessa verticalmente todas as escalas da vida e da sociedade: nas políticas públicas, nas relações econômicas mundiais, na subjetividade dos indivíduos. E também do futebol.

Não é preciso ir muito longe para perceber que essas são as bases ideológicas que, transferidas para o campo do futebol, atacaram as associações civis sem fins lucrativos, com suas estruturas “políticas” eleitorais inadequadas ao futebol-negócio que florescia nessa conjuntura de crescimento econômico sem precedentes. Em sua contraposição, nada menos seria possível do que a constituição de uma ordem na qual imperasse o anseio individual pelas conquistas e riquezas, única via politicamente saudável e eficiente para o desenvolvimento: a lógica de mercado.

E daí, novamente, se fosse o caso para a aceitação de uma ordem autoritária e centralizada, capaz de controlar a “política” e atuar a favor do equilíbrio, da estabilidade e do crescimento, que assim fosse. A associação civil democrática então deveria ser expurgada da instituição esportiva produtora de riquezas. Cortada a raiz da “serfdom”, ao público dos estádios seria oferecido o produto de excelência, guiado pelos preceitos adequados de administração: uma norma técnica, apolítica e gananciosa de procedimento gerencial.

É importante relembrar que as associações, em geral, sempre foram regidas por princípios muito próximos de uma república liberal moderna, a constituição anteriormente explicada de três órgãos que dinamizavam funções semelhantes aos poderes executivo, legislativo e judiciário é o retrato mais cristalino disso. Maiores ou menores distorções desse organismo, por outra perspectiva política próxima, seriam parte do caro processo político demandado pela democracia. Mas, para essa abordagem mais radical do liberalismo renovado, a opinião até importaria, desde que a vontade popular não pudesse se tornar autoridade. Aqui, ser um fã de uma empresa produtora de espetáculo futebolístico é ter a “liberdade” de manifestar sua posição por meio do consumo ou do não consumo – essa forma de “protesto” autorizada aos cidadãos-clientes –, jamais do voto ou da voz.

Dentro desses pressupostos, a ausência de finalidade lucrativa não apenas impedia o clube de alcançar padrões superiores de eficiência administrativa, como também era responsável pela coexistência de valores e interesses conflitantes, muitas vezes espúrios, constantemente inconciliáveis, portanto, nefastos. No seu lugar, uma sociedade dirigida por finalidades lucrativas seria capaz de suplantar as diferenças e congregar os anseios, oferecendo óbvios benefícios aos seus proprietários, e gerando vantagens aos seus consumidores. Definitivamente, mais do que uma questão operacional, a transformação de clubes em empresas também foi um debate profundamente político e ideológico.

Falta, entretanto, uma abordagem escalar. Esses pressupostos consideravam que a concorrência “generalizada e sem tréguas”, mas em situações leais, resultaria na vitória dos mais aptos. A grande questão aqui é que o mérito esportivo é absolutamente transplantado pelo mérito econômico. Os menos aptos, portanto, teriam o fatal e inevitável destino da sua extinção. Já compreendíamos a total ausência de equivalência entre os resultados esportivos e os resultados financeiros no futebol, sob essa racionalidade, então, se produz uma razão ainda mais inadequada.

Quando esse liberalismo renovado ganhou a forte marca de distinção da “Escola de Chicago”, seus atores políticos-ideológicos já estavam articulados de forma muito concisa. Dos primeiros anos do regime ditatorial de Augusto Pinochet no Chile, Milton Friedman, prócere dessa instituição, discípulo de Hayek e um dos nomes fundadores da Sociedade Mont-Pèlerin, é um nome muito recorrente dos círculos intelectuais político-econômicos. O país sul-americano sempre é destacado como “laboratório” das ideias neoliberais, mas também é de onde tiramos os melhores exemplos de como as novas propostas para um futebol de empresas tem fundamentos políticos-ideológicos profundos.

A participação de Friedman na formação de uma nova elite intelectual e política daquele país foi diretamente realizada pela Fundación de Estudios Económicos BHC, ligada ao Banco Hipotecário de Chile (BHC). Essa instituição, então quase centenária, foi extremamente relevante dentro desse período histórico, publicando “Milton Friedman em Chile: Bases para un desarrollo económico” em 1975, uma obra-símbolo das ideias que norteavam os grupos de apoio ao regime de Pinochet (quando ainda era possível considerá-lo como uma “salvação” à ameaça socialista de Salvador Allende). Essa obra conta com a íntegra de uma carta enviada por Milton Friedman a Augusto Pinochet. Foi do BHC que saiu o grupo apelidado de “Los Pirañas”, uma fração da versão chilena da marca de distinção intelectual e gerencial mundialmente conhecida como “Chicago Boys”.

Daniel Matamala (2015, p. 84) observa o imenso peso intervencionista do regime: “O processo que girou o país em 180 graus em seu desenvolvimento político, econômico e social, praticamente não deixou área da vida nacional intocada”. O regime manobra politicamente para “eleger” um novo presidente da Asociación Central de Fútbol, e empossa o general Eduardo Gordon Cañas.

Mas são “Los Pirañas” as peças-chave do episódio em que o ditador Augusto Pinochet se sentiu ameaçado pela eleição no Club Social de Deportivo Colo-Colo em 1976, clube mais popular do país. A chapa favorita era formada por Antonio Labán, que contava com apoio público de Tucapel Jiménez, sindicalista, opositor e figura incômoda ao regime.[1] A solução encontrada por Pinochet foi criativa: suspendeu as eleições no Colo-Colo, alegou que as altas dívidas do clube exigiam uma intervenção, e designou o Grupo BHC para a função.

“Nessa época o predomínio dos Chicago Boys na equipe econômica já estava dado, e os novos grupos financeiros adquiriram cotas importantes de poder. Foi quando o governo decidiu levar suas receitas econômicas ao futebol”, contextualiza Daniel Matamala (2015, p. 176). Alberto Simián, então gerente da Financiera Nacional, (propriedade do Grupo Vial, como o BHC) foi o nome colocado pelo banco no Colo-Colo em 2 de abril de 1976.

As páginas da Revista Estádio exaltavam a iniciativa, estampando o novo gestor como alguém formado nos Estados Unidos, “um vencedor”, trajando terno e gravata. Simián declara que “Los Pirañas” estavam preparados para o desafio: “Sabendo como somos na área empresarial, sabemos que faremos bem. Se houvesse alguma dúvida, a menor dúvida, não teríamos aceitado”.[1] A manchete da matéria era “Empresas com camiseta”, uma clara alusão a essa nova ideia em formação. Matamala completa: “A decisão tinha uma lógica impecável: o que poderia ser melhor para legitimar a nova ortodoxia econômica, senão usando-a para tirar de seus problemas crônicos a instituição mais popular do país?” (2015, p. 176).

A experiência de gerenciamento privado imposta por Pinochet ao clube Colo-Colo foi desastrosa, para não dizer “altamente suspeita”. Para além da falta de tino para o futebol, Simián se complicou com promessas de títulos não cumpridas e jogadores em greve por conta de salários atrasados. Ao final de 1978, o Colo-Colo não tinha títulos e quase não tinha jogadores: apenas 10 atletas tinham contratos com o clube comandado pelos Chicago Boys. Em dezembro daquele mesmo ano, toda a cúpula do BHC renuncia. Exceto Alberto Simián, que teria a missão de recuperar o dinheiro investido pelo grupo.

O Colo-Colo saiu ainda mais endividado do que se encontrava antes da intervenção, com débitos milionários dos quais cerca de 60% eram devidos exatamente ao BHC, a instituição que assumiu a sua gestão para resolver tais pendências. É certo que regimes ditatoriais, clássicos falseadores históricos, tendem a não deixar registros dos seus feitos, mas estão devidamente marcadas as referências que os jovens Chicago Boys traziam na bagagem ainda em 1976, na defesa de que os clubes se transformassem em sociedades anônimas.[2]

Maior coincidência que isso, só o fato de terem fracassado redondamente quanto à missão à qual serviam: sob os desígnios de uma ditadura, a favor da liberdade de mercado e contra um clube de caráter democrático com uma diretoria eleita pelos membros de sua associação civil formadora. A conclusão deste artigo, e da obra que o hospeda, é de que tais pressupostos sequer se sustentam frente aos fatos. É na observação honesta dos atores políticos e econômicos que compuseram as castas proprietárias dos clubes de futebol que poderemos observar de uma forma mais concreta o fracasso dessas perspectivas. Principalmente, e acima de tudo, no que a propriedade de clubes de futebol ao redor do mundo revela da quase ausência de uma lógica de mercado nesse segmento.

Notas de fim

[1] Tucapel Jímenez era presidente da Asociación Nacional de Empleados Fiscales e militante do Partido Radical. Foi assassinado pela inteligência do exército em 1982.

[2] Vários outros clubes se encantaram com a ideia de um gerenciamento privado. O período se encerrou com um grave quadro de endividamento dos clubes locais.

image.png

Artigos

Quantos “Flamengos” o Flamengo tem?

Um dos assuntos mais comentados durante o período de quarentena pelos amantes e profissionais do esporte ao redor do mundo era a volta do futebol. Nos países da Europa o assunto foi tratado com cautela e responsabilidade, tendo as competições voltado apenas setenta dias após o pico da pandemia. Aqui no Brasil, mais especificamente no Rio de Janeiro, a modalidade retornou com fortes contornos políticos e econômicos, demarcando claros jogos de poder. Um dos pilares do apressado retorno foi um clube que figura entre os mais populares e, sem dúvidas, o mais rico do país: o Flamengo.

Não é de hoje que futebol e política caminham lado a lado. Um dos marcos dessa relação é a Copa de 70, na década denominada pelo cineasta Silvio Tendler como “trágica”, pois vivenciava-se o auge da Ditadura. Cinquenta anos depois, volta-se a flertar com o golpe militar no Brasil e o futebol continua a ser usado como símbolo político. Em um ano marcado por um presidente que nega a pandemia, um governador mais preocupado com o impeachment e um prefeito que tenta a reeleição, o esporte mais popular do país surge como um elemento que poderia salvar essa equação de um resultado negativo.

Os encontros, cada vez mais frequentes, entre o presidente do Flamengo com o presidente do Brasil, mostram os jogos políticos e de poder bem marcados no futebol. As inúmeras vezes em que Bolsonaro já apareceu com a camisa do Flamengo, ou que o clube foi usado como forma de popularizar o governo, quando, por exemplo, Moro vestiu o “manto sagrado” três dias após o vazamento de mensagens que colocavam em xeque a imparcialidade do ex-juiz na Lava Jato, põem também em xeque a suposta postura apolítica que o clube alega ter.

qfft1
lance.com.br

É interessante notar a transformação política e imagética que o Flamengo sofreu ao longo dos anos. Tradicionalmente conhecido como um “clube das massas”, o Flamengo hoje é um típico time da elite. Além dos ingressos a preços altíssimos, a comunicação do clube com seu torcedor mais fiel é marcada por falhas. No ano passado, após a sede do clube ser pichada por torcedores, um dirigente do Flamengo questionou: “Do jeito que foi escrito, Mickey todo certinho, não foi a torcida”. Outro episódio foi o veto à famosa expressão “festa na favela”, com a alegação de que favela é “algo associado à violência”.

Assim, o Flamengo guarda cada vez mais semelhanças com os personagens “Enrico” e “Rico” do livro A Corrosão do Caráter, de Richard Sennett. Com uma curiosa peculiaridade: o Flamengo representa os dois personagens. Enrico, o homem que retrata a massa, mas que almejava um futuro melhor para o seu filho. Rico, o filho que ascendeu socialmente, mas sente vergonha da origem do pai. Duas faces de um mesmo personagem, que alterna entre uma e outra quando lhe convém. O Flamengo herdado por Rodolfo Landim, fruto de uma gestão que proporcionou que o clube tivesse o poderio financeiro que possui hoje, não quer mais sua imagem associada ao que não lhe garanta um status elevado. Ao mesmo tempo, usa dessa fidelidade das massas para continuar com o posto de time mais querido do Brasil.

Posto esse, aliás, ratificado com a conquista da Taça Libertadores da América de 2019 quando levou milhares de apaixonados às ruas do centro do Rio de Janeiro. O ano, porém, começou de modo mais melancólico, com o incêndio dos “meninos do Ninho”. Em um intervalo de onze meses, o Flamengo foi capaz de fazer sua nação chorar e sorrir com a mesma intensidade. O assunto foi conduzido de maneira muito mais burocrática e rígida do que é a postura do time em campo. Devemos reconhecer, por outro lado, a coerência com a postural atual da diretoria. Mais de um ano depois dessa tragédia, os jogos políticos e de poder reaparecem na pressão política pela volta do futebol em um estado que ainda consta com um alto número de mortes.

Essas duas situações guardam mais similaridades quando analisamos que, na época do incêndio, o Flamengo estava em negociação com o meia-atacante uruguaio De Arrascaeta, comprado por 80 milhões de reais pelo clube, que decidiu barganhar na justiça o valor da vida de meninos que foram entregues aos seus cuidados. Agora, no mesmo dia do retorno do Campeonato Carioca, com o jogo “Flamengo x Bangu”, foi editada, pelo presidente Jair Bolsonaro, uma medida provisória sobre os direitos de transmissão dos jogos. Enquanto morriam duas pessoas no hospital de campanha ao lado do estádio onde o time do Flamengo comemorava seus gols, o presidente do clube comemorava também essa outra vitória, já que, como o Flamengo não tem contrato com a Globo, seria o único clube imediatamente beneficiado.

qfft2
Jornal de Brasília

A suspensão da divisão da premiação em dinheiro do Campeonato Brasileiro e da Libertadores com os funcionários foi outro evento que contrasta com a alegria que o time proporciona à torcida, gerando, inclusive, um mal estar dentro do clube. O acordo de 70% para os jogadores e 30% para os funcionários não foi aprovado por Landim. Um episódio que não ganhou muito espaço na mídia, mas que denota a clara transformação do Flamengo em um clube de modelo empresarial, comandado por gestores que se preocupam única e exclusivamente com o lucro. Escolha que leva o clube a ter um elenco milionário e, sem dúvida, o melhor do país, mas que o faz esquecer seu papel social – e talvez até sua essência.

O clube, que passou por um processo de democratização em 1988, na gestão do ex-presidente Márcio Braga, dando aos sócios o direito de votar nas eleições do clube – direito que antes era apenas restrito aos conselheiros -, hoje quer fazer valer apenas a sua própria voz no cenário nacional. Como Narciso, que de tanto admirar sua própria beleza, se afogou em sua própria imagem, o Flamengo ruma para um caminho semelhante. Com uma postura tão vaidosa, o clube parece não ter olhos para os outros, a não ser a si mesmo.

O clube não é o primeiro, e nem será o último, a se associar a um governo autoritário. Até hoje o Benfica, de Portugal, é marcado por suspeitas de favorecimento estatal na conquista de campeonatos durante a Ditadura de Salazar. Na Espanha, a história do Real Madrid guarda uma relação intrínseca com a Ditadura franquista, retratada no documentário “O Madrid Real. A lenda negra da glória branca”, de Carles Torras. A aproximação do Flamengo com um governo que é marcado por falas e atos dúbios, pode até trazer benefícios a curto prazo, mas certamente deixará uma marca na história do clube.

A cada dia o Flamengo apresenta à sociedade uma nova faceta. Consegue ser considerado arrogante, sem perder o título de “mais querido”; envergonha parcela da torcida, mas orgulha a maior parte dela com a conquista de títulos; surge como mau exemplo caçando brechas no decreto da prefeitura, mas tem jogadores que são modelos para milhares de crianças. Nesse transtorno de personalidade “multipolar”, fica a questão: quantos “Flamengos” o Flamengo tem?

Artigos

“Amarelinha” desbotada

Durante a reprise na TV Globo da conquista do pentacampeonato mundial do Brasil na final da Copa de 2002, as redes sociais ficaram repletas de comentários saudosistas e nostálgicos. Um deles, de Oliver Stuenkel, prestigiado professor de relações internacionais, foi particularmente interessante. Ele postou uma foto sua EM 2002 com uma camisa da seleção e a seguinte legenda: “Que saudades de 2002. Nessa época, dava para vestira a camisa da seleção sem ser confundido com terraplanistas de extrema direita”.

Foto: Presidente Bolsonaro é recebido por crianças com camisa da seleção em ato antidemocrático contra o Congresso Nacional e o STF (Foto Wagner Maciel/Estadão Conteúdo)

Desde março de 2015, de forma mais explícita, o uniforme principal da seleção brasileira de futebol vem sendo usado por grupos conservadores em manifestações. Inicialmente a favor do impeachment da então presidenta Dilma Rousseff e, posteriormente, em apoio à candidatura do atual presidente Jair Bolsonaro. No momento de mais baixa aprovação do governo Bolsonaro, em meio à falta de comando no combate à pandemia do coronavírus [1], nossos domingos tem sido marcados por xingamentos às instituições, flertes autoritários em manifestações dos mais intransigentes e inflexíveis militantes. O uniforme é a “amarelinha”, vestida por muitos deles.

A seleção brasileira de futebol foi durante o século XX um dos símbolos mais importantes para a construção do que é “ser brasileiro”. Essa construção foi também um projeto político que buscava integrar uma sociedade dividida pela escravidão e pelos regionalismos, e teve nas vitórias da seleção brasileira e nas narrativas da imprensa esportiva, a partir dos anos 1930, a base para a consolidação da ideia de “País do Futebol” [2]. Essa ideia, mesmo enfraquecida nos tempos atuais, tem a ver com a paixão e a esperança com a seleção, sobretudo em tempos de Copa do Mundo.

A camisa amarela daquele que é, até agora, o único time pentacampeão mundial adquiriu uma série de representações e atributos ao longo das conquistas. A grande maioria deles foi positivo tanto sobre o futebol jogado pelos brasileiros como sobre o povo brasileiro. Cartão de visita e passaporte informal do brasileiro pelo mundo, ela passou a significar na imaginação “talento diferenciado”, “irreverência” em campo, “alegria”, e “solidariedade” em quem a veste [3]. Representações da forma que jogamos e que até hoje tentam ser reproduzidas na imprensa esportiva nacional, mas que não é mais dominante

Por ter feito uma monografia sobre o tema, percebi como foi avassaladora a transformação simbólica que a camisa amarela sofreu em seu processo de apropriação pela extrema-direita. Há até pouco tempo, a “amarelinha” possuía conotação e representação que estavam acima das disputas políticas e partidárias. O Brasil foi campeão em 1994, derrotado na final de 1998, mas, independentemente disso, Fernando Henrique Cardoso foi eleito e reeleito presidente. O pentacampeonato em 2002 não ajudou o PSDB a se manter na presidência, e Luís Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores (PT), venceu a eleição daquele ano. A seleção brasileira não venceu os mundiais de 2006 e 2010, e o PT continuou no comando do Poder Executivo Federal, com Lula e, posteriormente, Dilma Rousseff, eleita para o primeiro mandato à época.  Em nenhuma dessas eleições, a camisa amarela da seleção foi usada como símbolo de um dos candidatos. Foi uma característica pós-redemocratização, enquanto, durante a Ditadura Militar, a seleção e a camisa amarela tenham se aproximado do Regime em 1970 com a propaganda política que tentou surfar na onda do tricampeonato no México [4].

Desde a instauração e vigência da Nova República, a partir de 1988, o esporte também vive uma nova era, marcada pela inserção de times e marcas, como a Nike, em um mercado agora global do esporte com cifras bilionárias em contratos de patrocínio, pela ida de jogadores brasileiros cada vez mais cedo para atuarem no exterior, e pelos poucos jogos da seleção em solo nacional. A seleção brasileira passa por um processo de desterritorialização, despolitização e desnacionalização para se inserir à lógica transnacional do capital [5]. A Seleção Brasileira teve Londres como sua casa. Menos de 10% dos amistosos do time desde 2003 aconteceram em solo nacional. Tudo isso distancia o torcedor da seleção e seus símbolos, mas nada do que estamos vivendo atualmente teve tanto impacto negativo.

As representações em torno da “amarelinha” passaram a ter as conotações mais negativas possíveis a partir da crise política atual [6]. Não tivemos nem grandes conquistas em campo para contrabalancear seu uso político. Os rituais em torno do futebol, o “clima de copa”, foram transportados para a onda conservadora responsável por retrocessos políticos, econômicos e sociais.

É importante lembrar que uma das forças de mobilização da Copa do Mundo tem a ver com o duelo de nações e identidades em campo, de forma que uma seleção de onze titulares mais os 12 reservas representaria o país como um todo. No caso da polarização política, podemos fazer a comparação entre o duelo das “nações”: a que foi contra a destituição da então presidente Dilma Rousseff e a eleição de Jair Bolsonaro, e a que apoiou uma conservadora à direita na política nacional.

Foto: Manifestante vestido com camisa da seleção brasileira comemora prosseguimento do Impeachment na Câmara dos Deputados em 2016 (Foto: Nacho Doce/Reuters)

Durante o impeachment, a votação de admissibilidade da deposição de Dilma Rousseff que ocorreu no dia 17 de abril de 2016, um domingo à tarde, na Câmara dos Deputados, escancarou esses novos rituais, por parte dos apoiadores do impeachment. Em comum, a congregação de um grupo que tinha um objetivo comum (no caso, vencer a partida do impeachment); vestir a camisa amarela da seleção; pertencimento e socialização neste grupo; cantar o hino nacional; a vibração típica de gol em cada voto dado a favor do impeachment; a apoteose quando o resultado se definiu a favor do grupo que apoiava o impeachment, com a explosão de fogos, cornetas, “buzinaços” e “apitaços”.

Algumas representações da cobertura da imprensa capturam essas semelhanças. Reportagem no site da revista semanal “Época”, no dia da votação do processo na Câmara dos Deputados (17 de abril de 2016), tem como título: “Pró-Impeachment, Avenida Paulista tem clima de festa da Copa”. No subtítulo, “Camisetas da seleção, vuvuzelas, cerveja holandesa, coreografias e comemoração, na derrota de Dilma na votação da Câmara”[1]. [7]

No campo cultural e das festas populares, a camisa amarela da seleção foi símbolo da ala “Manifestoches”, no desfile da Escola de Samba Paraíso da Tuiuti, vice-campeã do Carnaval do Rio de Janeiro de 2018. A camisa, em uma versão genérica, foi usada para criticar a suposta “alienação” dos manifestantes pró-impeachment vestidos com o uniforme da seleção brasileira e que carregavam o pato amarelo da Federação das Industrias do Estado de São Paulo (FIESP), também apoiadora do impeachment no enredo “Meu Deus, meu deus , está extinta a escravidão?”. [8]

Mostaro e Fontenelle (2018) [9] destacam um mapeamento quantitativo realizado durante a Copa do Mundo sobre as narrativas em torno da camisa da seleção brasileira. A pesquisa começou no primeiro dia de competição (pela fase de pico do engajamento do público com o torneio, a partir do jogo de abertura do mundial) e foi encerrada no dia da eliminação da equipe comandada por Tite diante da Bélgica nas quartas-de-final, para evitar que a derrota em campo influenciasse o levantamento. Duzentas e dezesseis pessoas responderam ao formulário digital. 82,6% afirmaram “já ter comprado uma camisa oficial da seleção brasileira”; 61% “já compraram alguma blusa amarela em alusão à camisa da seleção brasileira e usaram durante a Copa do Mundo”; 43,9 % “acreditam que a camisa virou uma espécie de marca de um movimento político”; 21,4% “deixaram ou deixarão de usar a camisa da seleção brasileira devido à alusão aos protestos” (46,2% “não deixaram ou deixarão de usar a camisa da seleção brasileira”; 21% “continuarão usando a camisa da seleção apesar de não concordarem com os protestos que pediam a saída de Dilma.

Em meio à polarização política nacional, acredito que o uso da camisa amarela da seleção grupos conservadores e até mesmo reacionários em protestos de rua não está dissociado de uma transformação discursiva maior, que afeta outras democracias ocidentais. Um processo de crise do capitalismo e dos princípios políticos e econômicos liberais no qual o recrudescimento conservador e ultranacionalista se impõe como alternativa sedutora para muitos [10].

A interdependência e desregulamentação dos mercados têm deixado as economias nacionais suscetíveis a crises e ao aumento da desigualdade. No caso brasileiro, algumas especificidades, de 2013 para cá, reforçam a “onda conservadora” que chegou ao poder: crise e descrença na representação política; deflagração de escândalos de corrupção no âmbito da Operação Lava-Jato e a crise econômica que tem afetado grande parte da sociedade brasileira com baixo crescimento do Produto Interno Bruto e elevado desemprego. No bojo das transformações e fragmentações que consolidaram a Globalização, é possível constatar a ascensão retórica de representações que remontam a “origens”, “raízes” e “puritanismo” culturais, alicerçadas na radicalização de concepções nacionalistas, étnicas, religiosas, e que seriam responsáveis por resgatar a “ordem” e a “prosperidade”, em uma perspectiva ilusória e saudosista do passado.

Apropriar-se dos símbolos nacionais, por grupos identificados como de “extrema-direita”, é um mecanismo amplamente usado em diversos países e faz parte de uma estratégia elaborada de confundir Estado e Nação com uma ideologia, um político e um partido específicos. Traje nacional, a camiseta da seleção simbolizou no passado que aqueles que a vestem angariam todo o complexo de atributos positivos associados à nação brasileira, uma vestimenta ritual que afirma de modo inequívoco o pertencimento daquele que a veste aos ‘nossos’ valores. Uma das marcas dessas candidaturas consideradas de extrema-direita e de movimentos políticos conservadores globalmente é, discursivamente, se intitular como legítima dona dos símbolos pátrios, como parte de uma estratégia sofisticada, pois permite uma suposta divisão da população entre patriotas de um lado e inimigos da pátria de outro. Não à toa, um dos slogans da campanha vitoriosa de Bolsonaro foi “Meu partido é o Brasil”, que também estava presente em uma faixa vista nas manifestações de junho de 2013.

Portanto a camisa amarela da seleção brasileira, que teve um papel decisivo na formação do que é “ser brasileiro” ao longo do século XX, não ia ficar de fora dessa disputa política, já que possui forte apelo sentimental. Só que pela primeira vez na nossa história recente, a camisa perdeu o seu poder agregador, virou algo restrito a um nicho, que gera cada vez mais repulsa, como indicam as pesquisas de opinião.

E isso diz muito sobre nosso futuro, sobre a ausência de horizontes. Porque a camisa representava a ideia de termos um destino comum. Podia aparentemente se mostrar de forma clara somente a cada 4 anos, mas ela estava lá, sendo a camisa a prova concreta. Um destino comum de vencer, de ser grande e feliz. Injusto, racista e desigual, o Brasil não mudaria da água para o vinho da noite para o dia. Mas, ainda que com contradições e lacunas, atrasos e pessoas deixadas para trás, um projeto de país surgia. Não à toa, em 2010 o Brasil estava na lista dos países mais felizes do mundo [10].

Isso foi comprometido. Em 2019, que projeto em comum nos move harmonicamente? O que temos de consenso? A “Amarelinha” poderia não ter uma unanimidade totalizante, mas era elemento consensual. Se antes gerava identificação, agora pode gerar rejeição caso você não seja “Bolsominion”.

Como a história se repete e ciclos de luzes e obscurantismo se intercalam, a pergunta que fica é: se, no futuro, uma outra onda conservadora, moralista e nacionalista capenga se instaurar no Brasil, a camisa amarela da seleção estará novamente desempenhando o mesmo papel de agora? Esse vai ser o significado dominante da “amarelinha”, já que cada vez mais a seleção não empolga? [11] Alguns não querem pagar para ver tanto é que os jornalistas João Carlos Assumpção e Juca Kfouri sugerem até uma campanha para mudar a camisa principal da seleção [12].

 

Referências

[1] Reprovação ao governo Bolsonaro vai a 50%, aponta XP/Ipespe; 57% veem economia no caminho errado. Info Money , São Paulo. 20 de junho de 2019. Disponível em: https://www.infomoney.com.br

[2] HURT, J. O Brasil: um Estado-nação a ser construído. O papel dos símbolos nacionais, do império à república MANA 18(3): 471-509, 2012

[3] DAMO, A. A Magia Da Seleção. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, vol. 28, núm. 1, setembro, 2006, pp. 73-90

[4] MOSTARO, F. F. R. A Seleção Brasileira como propaganda do Governo. Getúlio em 1938 e os militares em 1970. Trabalho apresentado no DT 1 – Jornalismo do XV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste realizado de 13 a 15 de maio de 2010

[5] ALVITO, Marcos. A parte que te cabe neste latifúndio: o futebol brasileiro e a globalização. Análise Social. Lisboa, n. 179, p. 451-474, 2006.

[6] PINTO, C. A trajetória discursiva das Manifestações de Rua no Brasil (2013-2015). Lua Nova, v. 100, 2017.

[7] “Pró-Impeachment, Avenida Paulista tem clima de festa da Copa”. Revista Epoca, São Paulo, 16 de abril .Disponível em: https://epoca.globo.com> Acesso em 2 de outubro de 2019

[8] “Com desfile político, Tuiuti se torna assunto mais comentado na internet”. Correio Braziliense, Rio de Janeiro, 12 de fevereiro de 2018. Acesso em 14 de outubro de 2019. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br

[9] MOSTARO, F. F. R.; FONTENELLE, C. “Patriota” ou “Manifestoche”: a camisa da seleção brasileira e sua reapropriação nas narrativas políticas”. Trabalho apresentado no GT 4 durante o XV Poscom PUC-Rio, de 6 a 9 de novembro de 2018.

[10] LÖWY, M. Conservatism and far-right forces in Europe and Brazil. Tradução de Deni Alfaro Rubbo e Marcelo Netto Rodrigues. Serv. Soc. Soc.  n. 124. São Paulo out./dez. 2015

[11]HELAL, R; SOARES, A. O Declínio da Pátria de Chuteiras: futebol e identidade nacional na Copa do Mundo de 2002. Disponível em: https://www.ludopedio.com.br

[12] Campanha para mudar a camisa da seleção. Blog do Juca Kfouri – UOL. São Paulo, 14 de maio de 2020. Disponível em: https://blogdojuca.uol.com.br

Artigos

Primeira edição dos Encontros LEME 2020

A imagem pode conter: 2 pessoas, texto

No primeiro Encontro de 2020, vamos receber Luiz Guilherme Burlamaqui, que apresentará a pesquisa “A dança das cadeiras: como João Havelange se tornou presidente da FIFA em 1974”.
Luiz Burlamaqui é doutor em História Social pela USP e professor de história no Instituto Federal de Brasília.

Encontros LEME é uma proposta do Laboratório de Estudos em Mídia e Esporte que visa a partir da leitura de textos e análise de produções fílmicas realizar debates com professores, pesquisadores, graduandos e convidados interessados em estudar as interseções da Comunicação com o Esporte. Os encontros pretendem oferecer um espaço de diálogo e formação acadêmica.

Local: Auditório do PPGCom/UERJ
Horário: 16h
Não é necessária inscrição prévia.
Em todas as palestras teremos certificado para alunos para horas complementares.

Os próximos Encontros agendados são:
> 06/04 16h – Diano Albernaz Massarani
> 27/04 16h – Alberto Filgueiras
> 11/05 16h – Irlan Simões
> 27/05 16h – Isabella Trindade
> 08/06 16h – Carlus Augustus
> 22/06 16h – Jimmy Medeiros

Eventos

LEME organiza o Seminário Clube-Empresa

O LEME realiza na próxima segunda-feira, dia sete de outubro, às 18h, no auditório do PPGCom/UERJ, o seminário “Clube-Empresa: histórico, impactos reais e abordagens alternativas”. O evento contará com Irlan Simões, pesquisador do LEME e criador do podcast “Na Bancada”, David Butler, membro do Flamengo da Gente, Fernando Monfardini, autor do livro Compliance no Futebol,… Continuar lendo LEME organiza o Seminário Clube-Empresa

Avalie isto:

Artigos

Vitória de Bolsonaro põe fim a 15 anos de desenvolvimento do esporte brasileiro

Presidente eleito pretende extinguir Ministério e incorporar esporte à pasta da Educação em seu governo Embora o Brasil seja o único pentacampeão mundial de futebol e o segundo maior medalhista da América Latina nos Jogos Olímpicos, o país não tinha até 2003 um ministério próprio para o esporte. Fazendo valer o artigo 217 da Constituição, o… Continuar lendo Vitória de Bolsonaro põe fim a 15 anos de desenvolvimento do esporte brasileiro

Avalie isto:

Artigos

O que fizeram com você, amarelinha?

Em diversos momentos da nossa história, a seleção brasileira foi alvo de setores conservadores da política. Após o tri campeonato mundial, em 1970, a seleção considerada para muitos “a melhor da história” foi usada como propaganda do governo militar na época. Com uso de jingles, como o conhecido “Pra Frente Brasil”, o governo militar se… Continuar lendo O que fizeram com você, amarelinha?

Avalie isto: