Artigos

“O empoderamento feminino motivou a Rede Globo a transmitir a Copa do Mundo Feminina esse ano”, comentam Cíntia Barlem e Emily Lima

Depois de oito edições do campeonato, a emissora tem como objetivo ser parceira na luta das mulheres por direitos iguais

A Copa do Mundo Feminina de futebol será transmitida pela Rede Globo pela primeira vez na história. O campeonato mundial feminino existe desde 1991 e assim como o masculino, esse torneio acontece de quatro em quatro anos. Porém, por muito tempo a Copa do Mundo Feminina foi ignorada pela maioria dos veículos tradicionais da mídia. Em 2015, na última edição da competição, apenas duas emissoras: SporTV e TV Brasil transmitiram os jogos e mesmo assim, apenas os da seleção brasileira.

Para 2019, a promessa é que haverá uma cobertura maior, no Brasil, da competição, ainda que em um nível inferior em relação à modalidade masculina profissional, em que todas as partidas da Copa do Mundo são transmitidas.

Os jogos da fase de grupos são divididos em três rodadas: a primeira rodada acontecerá do dia 07 a 11 de junho, os jogos da segunda rodada serão do dia 12 a 16 de junho e os da terceira estão marcados para os dias 17, 18, 19 e 20 de junho. A emissora transmitirá os jogos dessa fase nos seguintes horários:

– Grupo A:

França x Coreia do Sul – 07 de junho às 17h

Noruega x Nigéria – 08 de junho às 17h

Nigéria x Coreia do Sul – 12 de junho às 11h

França x Noruega – 12 de junho às 17h

Nigéria x França – 17 de junho às 17h

Coreia do Sul x Noruega – 17 de junho às 17h

– Grupo B:

Alemanha x China – 08 de junho às 11h

Espanha x África do Sul – 08 de junho às 14h

Alemanha x Espanha – 12 de junho às 14h

África do Sul x China – 13 de junho às 17h

China x Espanha – 17 de junho às 14h

África do Sul x Alemanha – 17 de junho às 14h

– Grupo C:

Austrália x Itália – 09 de junho às 09h

Brasil x Jamaica – 09 de junho às 11h30min

Austrália x Brasil – 13 de junho às 14h

Jamaica x Itália – 14 de junho às 14h

Austrália x Jamaica – 18 de junho às 17h

Brasil x Itália – 18 de junho às 17h

– Grupo D:

Inglaterra x Escócia – 09 de junho às 14h

Argentina x Japão – 10 de junho às 14h

Japão x Escócia – 14 de junho às 11h

Inglaterra x Argentina – 14 de junho às 17h

Japão x Inglaterra – 19 de junho às 17h

Escócia x Argentina – 19 de junho às 17h

– Grupo E:

Canadá x Camarões – 10 de junho às 17h

Nova Zelândia x Holanda – 11 de junho às 11h

Holanda x Camarões – 15 de junho às 11h

Canadá x Nova Zelândia – 15 de junho às 17h

Camarões x Nova Zelândia – 20 de junho às 14h

Holanda x Canadá- 20 de junho às 14h

– Grupo F:

Chile x Suécia – 11 de junho às 14h

Estados Unidos x Tailândia – 11 de junho às 17h

Suécia x Tailândia – 16 de junho às 11h

Estados Unidos x Chile – 16 de junho às 14h

Suécia x Estados Unidos – 20 de junho às 17h

Tailândia x Chile – 20 de junho às 17h

Em entrevista exclusiva à Clara Quintaneira, a técnica de futebol Emily Lima e a comentarista do SporTV Cíntia Barlem falaram sobre o atual cenário do futebol feminino. Para elas, a luta das mulheres por direitos iguais é vista como o principal motivo que levou a Rede Globo a transmitir pela primeira vez a Copa do Mundo Feminina.

O fato de o campeonato mundial feminino ser transmitido em todos os estados gera visibilidade e protagonismo dessa modalidade. Cíntia comenta que mesmo com o atual momento ruim da seleção feminina, a transmissão é importante.

“Assim como a gente tem que criar ídolos, tem que criar vilões. E só mostrando até mesmo as derrotas para se debater e se importar com a seleção feminina de todo modo.”, comenta Cíntia.

Emily pontua que o grande impacto da transmissão pode ir além dos gramados envolvendo diversas esferas da modalidade e contribuindo diretamente com o desenvolvimento e o financiamento de times.

“É claro que impacta sim, uma rede nacional como essa faz um impacto muito grande positivamente e isso está diretamente relacionado no desenvolvimento, porque envolve patrocinador, envolve clube, envolve federação, envolve muita coisa.”, disse Emily.

A próxima Copa do Mundo acontece na França, entre 7 de junho e 7 de julho de 2019. O sorteio dos grupos aconteceu no dia 08 de dezembro de 2018, com o Brasil ficando no Grupo C ao lado de Austrália, Itália e Jamaica.

O Brasil nunca chegou a ganhar a Copa do Mundo feminina. Os melhores resultados foram obtidos nas participações em 2007, quando disputou a final e perdeu para a Alemanha por 2 a 0, e em 1999, quando ficou em terceiro lugar ao ganhar da Noruega nos pênaltis.

copa-do-mundo-feminina-globo
Jogadoras da Seleção Brasileira que disputarão na Copa do Mundo Feminina desse ano.
Anúncios
Eventos

Leme convida para lançamento da obra “As Copas do Mundo no Brasil: memórias, identidades e diplomacia (1950/2014)”

O Laboratório de Estudos em Mídia e Esporte (LEME) convida para o lançamento da obra “As Copas do Mundo no Brasil: memórias, identidades e diplomacia (1950/2014)”.  A obra reúne pesquisas conduzidas por seis autores advindos de diferentes áreas de formação (História, Jornalismo, Literatura) que analisam as duas Copas do Mundo FIFA realizadas no Brasil, nos anos de… Continuar lendo Leme convida para lançamento da obra “As Copas do Mundo no Brasil: memórias, identidades e diplomacia (1950/2014)”

Avalie isto:

Eventos

13º Encontro LEME 2018

Encontros LEME é uma proposta do Laboratório de Estudos em Mídia e Esporte que visa a partir da leitura de textos e análise de produções fílmicas realizar debates com professores, pesquisadores, graduandos e convidados interessados em estudar as interseções da Comunicação com o Esporte. Os encontros têm ocorrido semanalmente e pretendem oferecer um espaço de… Continuar lendo 13º Encontro LEME 2018

Avalie isto:

Artigos

A Copa do Mundo e a polarização das eleições presidenciais

A camisa da seleção brasileira de futebol não é apenas um símbolo de um país, mas uma marca de um grupo político para algumas pessoas e isto fica mais evidenciado ainda em uma competição como a Copa do Mundo de futebol. A matéria “Camisa da seleção, o símbolo contaminado por rixas ideológicas e negociatas dos… Continuar lendo A Copa do Mundo e a polarização das eleições presidenciais

Avalie isto:

Artigos

80 anos do artigo Foot-Ball Mulato de Gilberto Freyre: a eficácia simbólica de um mito

No dia 17 de junho de 1938, Gilberto Freyre publicou no Diário de Pernambuco um artigo que se transformaria, algumas décadas depois, em objeto de estudo de cientistas sociais no Brasil. No artigo “Foot-ball Mulato”, Freyre diz que estava respondendo a um repórter que queria sua opinião sobre as “admiráveis performances brasileiras nos campos de… Continuar lendo 80 anos do artigo Foot-Ball Mulato de Gilberto Freyre: a eficácia simbólica de um mito

Avalie isto:

Artigos

VIVA O VAR

O VAR chegou de vez ao futebol brasileiro. O sistema de vídeo-arbitragem (sigla em inglês de video assistant referee ou árbitro assistente de vídeo) foi, disparado, a melhor coisa da última Copa do Mundo. Na realidade, já havia sido lançado em dezembro de 2017, no Mundial de Clubes, vencido pelo Real Madrid. Veio a Copa… Continuar lendo VIVA O VAR

Avalie isto:

Artigos

O prazer perante a desgraça alheia*

Por César R. Torres** Na semifinal da Copa do Mundo, entre Croácia e Inglaterra,  me encontrava  numa clínica oncológica no bairro portenho de Balvanera,  na cidade de Buenos Aires. Mesmo nesse ambiente pesado e comedido se comemorou com entusiasmo o gol de empate da Croácia, convertido por Ivan Perisic. Já, no gol da vitória croata, convertido… Continuar lendo O prazer perante a desgraça alheia*

Avalie isto: