Artigos

“Aqui nasceu o Vasco!” Centro Cultural Cândido José de Araújo

Por GT de Pesquisa Histórica do Centro Cultural Cândido José de Araújo

Em meio a pandemia que afeta a todo o Planeta, afastando torcedores das arquibancadas, o vascaíno encontrou uma forma de atuar diretamente em prol de seu clube mesmo sem comparecer aos jogos. Em mais uma ação que ultrapassa a esfera esportiva, a torcida vascaína volta a escrever a história com suas próprias mãos e ainda presenteia a nossa cidade maravilhosa com mais um importante espaço de cultura.

Trata-se da revitalização do espaço da fundação do Club de Regatas Vasco da Gama, ocorrida no dia 21 de agosto de 1898, no imóvel localizado à época na Rua da Saúde nº 293 (atualmente Rua Sacadura Cabral nº 345). Por muito anos acreditou-se que a fundação teria ocorrido em outro local, mais exatamente na sede da Sociedade Dramática Particular Filhos de Talma, situada na Rua do Propósito, nº 12 (atual nº 20) onde, por duas vezes, o aniversário do clube foi lá celebrado, em que pese o equívoco histórico.

O primeiro passo para desfazer esse erro foi dado pelo pesquisador Henrique Hübner.  Ainda em 2013, ele pesquisou e revelou o verdadeiro local da fundação do clube através de uma série de consultas aos jornais, livros e plantas da época disponibilizados pela Hemeroteca Digital da Biblioteca Nacional; registros do 1.º Registro de Imóveis;  croquis e plantas da Superintendência Municipal de Urbanismo; bem como o acervo fotográfico do Arquivo Público da Cidade do Rio de Janeiro.

Em 2015, o Vasco publica a sua Ata de Fundação com o verdadeiro endereço. Unindo-se perfeitamente a ata de fundação às pesquisas realizadas, foi colocado o ponto final ao mistério da fundação do Clube. A divulgação da pesquisa no site Memória Vascaína do citado pesquisador, foram de fundamental importância para que a informação passasse a circular entre os vascaínos.

Mas foi somente no ano de 2020 que um passo decisivo foi dado para a retomada desse espaço pela tradição vascaína. Ao verificar que o imóvel da Rua Sacadura Cabral número 345 estava disponível para locação, o grupo “Guardiões da Colina” entrou em ação para promover a recuperação do local, alugando o imóvel por 5 meses com opção de compra ao final de contrato. O início do trabalho de revitalização contou com a fundamental ajuda de outros torcedores, entre eles os membros do grupo “Raízes Vascaínas” e diversos empresários e lojistas do ramo da construção, que passaram a doar materiais e serviços diversos. Arquitetos e designers se prontificaram a desenvolver projetos para a “nova” sede que ali surgia. Somaram-se ao projeto historiadores, geógrafos, pesquisadores e estudiosos no geral para contribuírem com suas pesquisas e produzirem conteúdo sobre o local e seu entorno.

O Centro Cultural Cândido José de Araújo nascia assim, batizado através de votação popular realizada pelo twitter. Candinho, como era conhecido por sócios e adeptos do clube, foi eleito no ano de 1904 e reeleito em 1905, após ser recordista em indicações para novos sócios do clube em 1903. Além disso, foi o primeiro presidente negro de um clube do Rio de Janeiro e até onde se tem conhecimento, de qualquer instituição esportiva do país.

O simbolismo em ter o nome associado a um homem negro no local é imenso, uma vez que o imóvel está situado no local conhecido como a “Pequena África do Rio de Janeiro”, localidade onde centenas de milhares de escravizados trazidos do continente africano desembarcaram e se fixaram. Mesmo após a abolição da escravatura em 1888, a “Pequena África” seguiu como moradia de milhares de afro-brasileiros que, junto a imigrantes Portugueses pobres que também habitavam a região, encontravam o sustento através do trabalho em feiras livres ou como empregados do comércio voltado para o Porto do Rio.

Toda essa história aumenta a responsabilidade daqueles que pretendem construir o Centro Cultural. É importante dizer que, mesmo sendo uma casa vascaína com conteúdo focado num Vasco nascido do congraçamento entre brasileiros e portugueses, foi criado um espaço aberto para todos aqueles que se interessem pela história da cidade e do esporte carioca. E é isso que o Centro Cultural Cândido José de Araújo busca: Construir um espaço de visitação com exposições fixas e temporárias que vão recontar a gênese do clube, desde os fatos mais marcantes da vida vascaína, tais como a participação de seus grandes ídolos, ou relembrando as camisas históricas e símbolos que tanto apaixonam o torcedor, até diálogos do clube com a cidade e com trabalhos acadêmicos. Um espaço para todos que desejam aprender a mais nobre história de um clube voltado inicialmente para o remo, o futebol, o esporte, a cidade e sua memória social. Um espaço de vascaínos, para os vascaínos e para a cidade.

Sendo assim, convidamos os vascaínos e todos os amantes do futebol a conhecer o espaço a partir do dia 31 de Outubro, com limite de capacidade devido às medidas de combate ao COVID-19. Para aqueles que não podem ir até o local, faremos um tour virtual, com previsão de lançamento na semana seguinte a inauguração do Centro Cultural. Para mais informações, nos sigam no twitter e instagram @aquinasceuvasco!

Fonte: Acervo dos autores
Produção audiovisual

Já está no ar o sexto episódio do Passes e Impasses

Acesse o sexto episódio do podcast Passes e Impasses no Spotify*, Deezer*, Apple Podcasts, PocketCasts, Overcast, Google Podcast, RadioPublic e Anchor. O tema do nosso sexto episódio é “Ativismo torcedor”. Com apresentação de Filipe Mostaro, recebemos no nosso programa Irlan Simões, mestre em comunicação pelo Programa de Pós-Graduação em Comunicação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro, pesquisador do LEME e… Continuar lendo Já está no ar o sexto episódio do Passes e Impasses

Avalie isto:

Eventos

LEME organiza Seminário “Mídia e Memória dos clubes de futebol brasileiros”

“Mídia e Memória dos clubes de futebol brasileiros” é um evento que objetiva trazer a público um debate acerca do papel dos centros de memória dos clubes de futebol enquanto importantes espaços de preservação da história não somente do futebol, mas do esporte no Brasil. O evento visa oferecer uma oportunidade de divulgação dos projetos… Continuar lendo LEME organiza Seminário “Mídia e Memória dos clubes de futebol brasileiros”

Avalie isto:

Artigos

Machismo, futebol e jornalismo

Após o assédio contra a repórter de TV do Esporte Interativo Bruna Dealtry durante a transmissão do jogo do Vasco, na última quarta, dia 14, me senti no dever de falar sobre a posição da mulher perante o machismo no futebol e no jornalismo. Outro caso recente foi o da jornalista Renata de Medeiros, da… Continuar lendo Machismo, futebol e jornalismo

Avalie isto:

Artigos

Eleições no Vasco: um treinamento político

As análises sociológicas sobre o futebol e o esporte de modo geral, nas décadas de 1970 e 1980, costumavam associá-lo a um opiáceo que desvirtua a população de suas verdadeiras preocupações, papel ocupado pela religião outrora. Esse viés crítico, apesar de continuar presente, perdeu muito de sua força nas décadas seguintes, cedendo lugar a abordagens… Continuar lendo Eleições no Vasco: um treinamento político

Avalie isto:

Produção audiovisual

Entrevista completa de Paulo Pires para o documentário “Segunda Pele Futebol Clube”

Hoje é a vez do Paulo Pires, em entrevista na íntegra para documentário “Segunda Pele Futebol Clube” contar todos os detalhes sobre sua coleção, que não se resume às camisas. Têm faixas, bolas e réplicas de troféus de momentos históricos do Vasco. Clica aí e confira! Aproveite e se inscreva no canal do LEME no Youtube e fique atualizado sobre nossas produções!

Artigos

As Neymarzetes e os usos da diversidade no futebol*

Domingo estive no estádio de São Januário. Mais uma vez me defrontei com uma senhora, cujo nome preservarei, que há muito tempo vinha despertando minha curiosidade. Em todos os jogos que o Vasco disputou no Rio, lá estava ela com sua bolsa a tira colo, sentada quietinha no meio da torcida. Ontem finalmente tomei coragem… Continuar lendo As Neymarzetes e os usos da diversidade no futebol*

Avalie isto: