Artigos

A leifertização da transmissão da Copa do Brasil

Na noite do Dia do Trabalho, o Flamengo venceu o Altos-PI por 2×1, para a alegria de quase 30 mil espectadores no Albertão em Teresina. A última vez que o Flamengo jogou no estado foi há 10 anos, em crise com a iminente saída de Ronaldinho Gaúcho. Mas o inusitado ficou muito além de um jogo de Copa do Brasil em pleno domingo. A partida foi exibida com exclusividade no Amazon Prime Video, serviço de streaming da Amazon, e contou com Casemiro e Tiago Leifert na transmissão.

A ação envolvendo os influenciadores é uma mudança no planejamento da Amazon, que, em dezembro do ano passado, anunciou um acordo com a Globo para sublicenciar os direitos de transmissão da Copa do Brasil. Inicialmente, porém, a empresa receberia não apenas o sinal da emissora de TV, mas também a narração, os comentários e as reportagens dos jogos. Isso aconteceu nas duas primeiras rodadas da competição. Agora, porém, com o torneio entrando em suas fases mais decisivas e com a entrada de times mais populares, como Flamengo e Corinthians, a Amazon decidiu investir em uma equipe própria de transmissão.

Tiago Leifert, apresentador com notável trabalho na Rede Globo, através dos campeões de audiência como o Big Brother Brasil e The Voice Brasil, foi responsável por grandes mudanças nos formatos do jornalismo da Globo, principalmente no esporte. Os visuais menos sérios e o humor do Globoesporte chamou a atenção do público mais jovem, agregando na audiência do programa.

Apenas no Instagram Tiago Leifert tem mais de 8,2 milhões, enquanto Casimiro conta com mais de 2,5 milhões de seguidores. Mas convenhamos, nessa rede social o Cazé está jogando fora de casa. O streamer de 28 anos despontou na Twitch, como um dos nomes mais carismáticos do momentos. Casimiro reagiu a pré-estreia do primeiro episódio da série sobre a vida de Neymar na Netflix, e mesmo acostumado com números expressivos, o streamer se assustou com os quase 540 mil espectadores sintonizados na live.

A transmissão

Para a partida, a Amazon ofereceu outra opção de transmissão, com Clayton Carvalho e comentários de Pedro Moreno, que seguiram todas as regras e técnicas do bom jornalismo tradicional. A gigante do streaming falhou em não comunicar essa possibilidade de divisão de interesses do público. Enquanto existiam os espectadores que privilegiam a informação contínua durante a transmissão e foco total na exibição, surge uma nova geração multi-tela e, cada vez mais, multitarefa, que parou de assistir tv e não tem paciência para ouvir um áudio na sua velocidade padrão de reprodução. Esse público, curtiu.

Do outro lado, muitos dos comentários negativos vêm carregados de uma intolerância rubro-negra à figura de Cazé e Leifert, marcados pela ligação com times rivais. Prova de que os pré-conceitos foram preponderantes no tom das críticas, foi o elogiado trabalho da repórter Pâmella Maranhão da TV Cidade Verde, afiliada do SBT, que foi cedida para a transmissão. A piauiense esbanjou referências locais, explicou a história do futebol piauiense de forma didática, em doses homeopáticas durante toda a transmissão e também usou do humor para conquistar a audiência. Passou detalhes sobre a atuação do técnico Diá e arrancou ótimas gargalhadas. 

Outro ponto de discussão é sobre a formação e oportunidade de mercado de trabalho de profissionais do futebol em praças não tão competitivas, como no caso do poderoso Campeonato Piauiense. Muito mais do já batido “estava no lugar certo, na hora certa”, Pâmella qualificou-se, soube aguardar a oportunidade e possivelmente teve a maior vitrine da sua carreira. Passou pelo teste bem avaliada e mostrou que está preparada para vôos mais altos. 

Outros não entenderam o conceito. O perfil @falso92 conhecido por conteúdo voltado para debate táticos de partidas, fez duras críticas à transmissão e em seguida se retratou.

“Sobre a polêmica da transmissão estilo gamer, eu já mudei de opinião e todas as vezes que o fizer, admitirei aqui que fui infeliz no comentário anterior. A empresa disponibilizou dois tipos de transmissão, logo, não excluiu ninguém. Pelo contrário, acabou abrangendo um público maior. Isso acaba trazendo um público novo pro futebol, ou fidelizando quem estava em vias de ser perdido. Podem evoluir em algumas coisas, como falar menos e deixar o som ambiente mais alto, mas é uma tendência pra atender uma geração nova, que tem que consumir o jogo também! A opinião que dei anteriormente foi antes de saber que era possível assistir da forma mais tradicional. O fiz e achei muito boa de outra maneira, inclusive. Viva a diversidade, sempre”, disse @falso92.

A leifertização

O termo “leifertização” representa essa mudança nos padrões do jornalismo esportivo, trazendo um ar mais cômico e menos sério para o estilo (que é utilizado até hoje). Ao mesmo tempo em que muitos espectadores e profissionais apoiaram esse movimento, muitos também o criticaram, como o jornalista esportivo Juca Kfouri, que em entrevista ao programa Voz Ativa, no ano de 2018, criticou esse fenômeno, falando do excesso de gracinhas presentes nas produções jornalísticas atualmente. 

Fonte: Purepeople

Marcio Telles, Doutor em Comunicação e Informação pela UFRGS, aborda a sobreposição do entretenimento em relação ao jornalismo esportivo.

“No  que  também parece  ser  consensual  à  crítica  teórica  da  “leifertização”  do  telejornalismo esportivo, o novo “Padrão Globo de Jornalismo Esportivo” não passa de  um   epifenômeno do capitalismo avançado, do espetáculo, da indústria cultural e sua voraz  fome  por  dinheiro/audiência, que  leva  à  “prostituição”  da  informação  travestida  de  entretenimento”

Artigos

O que o “esporte espetáculo” ignora

O americano Tommie Smith cruza a linha de chegada em alta velocidade na pista de atletismo do Estádio Universitário da Cidade do México. Em meio à euforia da torcida e ao esforço esperado de quem dá um pique de 200 metros em 19 segundos, o olhar de Smith se concentra, por um instante, em tentar… Continuar lendo O que o “esporte espetáculo” ignora

Avalie isto:

Artigos

Esporte é entretenimento. E Jornalismo? É esporte?

A saída do apresentador e editor-chefe do Globo Esporte São Paulo, Tiago Leifert, nesta última semana, traz uma reflexão sobre o estilo idealizado por ele e que diversos meios de comunicação aderiram. Fazer jornalismo esportivo é fazer entretenimento? Esporte, na sua concepção, seria mais – e apenas – divertimento e lazer? Jornalismo combina com humor? Confesso… Continuar lendo Esporte é entretenimento. E Jornalismo? É esporte?

Avalie isto: