Artigos

“O empoderamento feminino motivou a Rede Globo a transmitir a Copa do Mundo Feminina esse ano”, comentam Cíntia Barlem e Emily Lima

Depois de oito edições do campeonato, a emissora tem como objetivo ser parceira na luta das mulheres por direitos iguais

A Copa do Mundo Feminina de futebol será transmitida pela Rede Globo pela primeira vez na história. O campeonato mundial feminino existe desde 1991 e assim como o masculino, esse torneio acontece de quatro em quatro anos. Porém, por muito tempo a Copa do Mundo Feminina foi ignorada pela maioria dos veículos tradicionais da mídia. Em 2015, na última edição da competição, apenas duas emissoras: SporTV e TV Brasil transmitiram os jogos e mesmo assim, apenas os da seleção brasileira.

Para 2019, a promessa é que haverá uma cobertura maior, no Brasil, da competição, ainda que em um nível inferior em relação à modalidade masculina profissional, em que todas as partidas da Copa do Mundo são transmitidas.

Os jogos da fase de grupos são divididos em três rodadas: a primeira rodada acontecerá do dia 07 a 11 de junho, os jogos da segunda rodada serão do dia 12 a 16 de junho e os da terceira estão marcados para os dias 17, 18, 19 e 20 de junho. A emissora transmitirá os jogos dessa fase nos seguintes horários:

– Grupo A:

França x Coreia do Sul – 07 de junho às 17h

Noruega x Nigéria – 08 de junho às 17h

Nigéria x Coreia do Sul – 12 de junho às 11h

França x Noruega – 12 de junho às 17h

Nigéria x França – 17 de junho às 17h

Coreia do Sul x Noruega – 17 de junho às 17h

– Grupo B:

Alemanha x China – 08 de junho às 11h

Espanha x África do Sul – 08 de junho às 14h

Alemanha x Espanha – 12 de junho às 14h

África do Sul x China – 13 de junho às 17h

China x Espanha – 17 de junho às 14h

África do Sul x Alemanha – 17 de junho às 14h

– Grupo C:

Austrália x Itália – 09 de junho às 09h

Brasil x Jamaica – 09 de junho às 11h30min

Austrália x Brasil – 13 de junho às 14h

Jamaica x Itália – 14 de junho às 14h

Austrália x Jamaica – 18 de junho às 17h

Brasil x Itália – 18 de junho às 17h

– Grupo D:

Inglaterra x Escócia – 09 de junho às 14h

Argentina x Japão – 10 de junho às 14h

Japão x Escócia – 14 de junho às 11h

Inglaterra x Argentina – 14 de junho às 17h

Japão x Inglaterra – 19 de junho às 17h

Escócia x Argentina – 19 de junho às 17h

– Grupo E:

Canadá x Camarões – 10 de junho às 17h

Nova Zelândia x Holanda – 11 de junho às 11h

Holanda x Camarões – 15 de junho às 11h

Canadá x Nova Zelândia – 15 de junho às 17h

Camarões x Nova Zelândia – 20 de junho às 14h

Holanda x Canadá- 20 de junho às 14h

– Grupo F:

Chile x Suécia – 11 de junho às 14h

Estados Unidos x Tailândia – 11 de junho às 17h

Suécia x Tailândia – 16 de junho às 11h

Estados Unidos x Chile – 16 de junho às 14h

Suécia x Estados Unidos – 20 de junho às 17h

Tailândia x Chile – 20 de junho às 17h

Em entrevista exclusiva à Clara Quintaneira, a técnica de futebol Emily Lima e a comentarista do SporTV Cíntia Barlem falaram sobre o atual cenário do futebol feminino. Para elas, a luta das mulheres por direitos iguais é vista como o principal motivo que levou a Rede Globo a transmitir pela primeira vez a Copa do Mundo Feminina.

O fato de o campeonato mundial feminino ser transmitido em todos os estados gera visibilidade e protagonismo dessa modalidade. Cíntia comenta que mesmo com o atual momento ruim da seleção feminina, a transmissão é importante.

“Assim como a gente tem que criar ídolos, tem que criar vilões. E só mostrando até mesmo as derrotas para se debater e se importar com a seleção feminina de todo modo.”, comenta Cíntia.

Emily pontua que o grande impacto da transmissão pode ir além dos gramados envolvendo diversas esferas da modalidade e contribuindo diretamente com o desenvolvimento e o financiamento de times.

“É claro que impacta sim, uma rede nacional como essa faz um impacto muito grande positivamente e isso está diretamente relacionado no desenvolvimento, porque envolve patrocinador, envolve clube, envolve federação, envolve muita coisa.”, disse Emily.

A próxima Copa do Mundo acontece na França, entre 7 de junho e 7 de julho de 2019. O sorteio dos grupos aconteceu no dia 08 de dezembro de 2018, com o Brasil ficando no Grupo C ao lado de Austrália, Itália e Jamaica.

O Brasil nunca chegou a ganhar a Copa do Mundo feminina. Os melhores resultados foram obtidos nas participações em 2007, quando disputou a final e perdeu para a Alemanha por 2 a 0, e em 1999, quando ficou em terceiro lugar ao ganhar da Noruega nos pênaltis.

copa-do-mundo-feminina-globo
Jogadoras da Seleção Brasileira que disputarão na Copa do Mundo Feminina desse ano.
Anúncios
Artigos

A trama e os silêncios: Mídia, futebol e compadrio em negociatas

“Sempre leio primeiro a página de esportes, que registra os triunfos das pessoas. A primeira página não me diz nada além dos fracassos do homem”. A frase é de Earl Warren, político e ex-chefe da Justiça dos Estados Unidos. Contudo, nem sempre a seção de esportes trata de triunfos. Nos últimos dias, abriu espaço para,… Continuar lendo A trama e os silêncios: Mídia, futebol e compadrio em negociatas

Avalie isto:

Artigos

Uma nova narrativa sobre a seleção brasileira?

Na última sexta, a seleção brasileira enfrentou a Argentina em amistoso realizado na Austrália. Este jogo ficou marcado por fatos como o fim da invencibilidade do técnico Tite no comando do Brasil e a estreia do técnico Jorge Sampaoli na equipe argentina. Porém, a grande novidade ficou por conta da não transmissão de um jogo… Continuar lendo Uma nova narrativa sobre a seleção brasileira?

Avalie isto:

Artigos

O bem público está se tornando cada vez mais privado

Final de domingo quente no Rio de Janeiro. Enquanto dividia a atenção entre meu feed de notícias do Facebook e o jogo Flamengo e Madureira, vi uma novidade que me encheu de esperança: o clássico Atletiba seria transmitido via Youtube e Facebook nos canais oficiais dos clubes. Sim, também fiquei com vergonha de só saber… Continuar lendo O bem público está se tornando cada vez mais privado

Avalie isto:

Artigos

“A insustentável leveza do ser Dunga”. Narrativa televisiva de uma eliminação nacional e de uma queda individual

Na última partida da primeira fase da Copa América 2016, organizada para celebrar o Centenário do torneio, nos Estados Unidos, a seleção brasileira, apesar de certa desconfiança generalizada em função do espectral 7 x 1 contra a Alemanha dois anos antes, era considerada favorita e necessitava apenas de um empate para seguir na competição. Curiosamente… Continuar lendo “A insustentável leveza do ser Dunga”. Narrativa televisiva de uma eliminação nacional e de uma queda individual

Avalie isto:

Artigos

Futebol, televisão, dinheiro e notícia

Deixei de acreditar na possibilidade da existência de uma mídia independente ainda no começo da faculdade de Jornalismo. Depois que se compreende o processo de produção da notícia, descobre-se que ele é o resultado de uma série de escolhas, que são feitas desde a pauta até a publicação. Essas decisões são tomadas a partir dos… Continuar lendo Futebol, televisão, dinheiro e notícia

Avalie isto:

Artigos

Transmissões no plural

Já que falar em regulação da mídia tem causado muita polêmica nos últimos tempos, vamos tentar um tema menos delicado e mais pertinente a este blog. Pluralidade de discurso. Até me esforço para ser um entusiasta das redes sociais, mas acreditar que o modelo de comunicação todos-todos é plenamente eficiente ainda parece ser algo distante.… Continuar lendo Transmissões no plural

Avalie isto: