Artigos

O fardo de Ramírez

O jogador Ramírez. Reprodução: Internet

O racismo é uma atitude detestável.

E precisa ser combatido.

Dito isso (são as duas primeiras frases deste artigo), é importante dizer também que a luta contra o racismo não se faz com injustiças.

O atleta colombiano Juan Pablo Ramírez Velásquez (também conhecido como Índio Ramírez), do Esporte Clube Bahia, carrega um fardo de injustiça que já não devia mais estar em suas costas.

Foi acusado, em dezembro de 2020, de ter praticado racismo em uma partida contra o Flamengo pelo Campeonato Brasileiro. Teria ofendido com injúria racial o jogador Gerson. Ramírez negou.

O colombiano foi afastado do time pela direção do próprio Bahia. O clube, sem demora, contratou peritos para analisar o caso. Esses peritos não encontraram nenhuma prova de que houve injúria racial. O presidente do Bahia, diante disso, reintegrou o atleta ao time. “A gente se esforçou, esforçou e não conseguiu identificar uma outra prova ou circunstância além da palavra da vítima”.

Nem os peritos contratados pelo Bahia, nem qualquer outra investigação comprovou a prática de racismo por parte de Ramírez. O STJD, então, fez o óbvio: arquivou o caso por falta de provas.

Ramírez poderia respirar aliviado. Ou não?

O fardo continua. No último dia 9 de outubro, o GE (mais especificamente, o GE São Paulo) produziu uma matéria televisiva que foi veiculada nacionalmente. O assunto era um relatório sobre casos de racismo no esporte em 2020.

A matéria de 3 minutos e 16 segundos dedicou meio minuto à denúncia contra Ramirez.

Disse a reportagem:

  • na súmula da partida, o árbitro declara que não ouviu nenhuma ofensa
  • o atleta Gerson prestou queixa e foi registrado um boletim de ocorrência, mas o Ministério Público solicitou o arquivamento do inquérito (solicitação atendida por um juiz)

Evidência contra Ramírez, além da acusação de Gerson, nenhuma.

Eis a situação: para o árbitro da partida, para os peritos contratados pelo Bahia, para o STJD, para o Ministério Público e para a Justiça comum, não se pode dizer que Ramírez praticou racismo. Para o GE, a denúncia contra Ramírez pode ser chamada (como foi) de “caso de discriminação racial no futebol”, desprezando-se a palavra “denúncia” e sem qualquer ênfase para o fato dessa denúncia não ter sido comprovada.

Por quanto tempo mais a denúncia contra Ramírez (não comprovada e judicialmente arquivada) será exposta nacionalmente em matérias recheadas de casos de racismo (esses outros, sim, documentados e comprovados)?

Por quanto tempo mais Ramírez carregará esse fardo?

GUILHERME BELLINTANI (Presidente do E. C. Bahia). Afastou Ramírez do time e o reintegrou três dias depois. Reprodução: Internet

Para completar, algumas palavras sobre o princípio da presunção de inocência.

O Esporte Clube Bahia, em nota oficial publicada horas depois da denúncia contra Ramírez, declarou que o seu atleta negava “veementemente” a acusação, mas seria afastado assim mesmo, pois “a voz da vítima” deveria ser preponderante nesses casos.

Passaram-se dez meses e ainda não se comprovou que houve um ofensor e, portanto, um ofendido (ou seja, uma “vítima”). Já o Bahia, muito apressado, chamou Gerson de “vítima” menos de seis horas depois de encerrada a partida contra o Flamengo e o fez em uma nota oficial divulgada pela internet.

Alguém poderia ter advertido o presidente do Bahia que, se Gerson já era considerado “vítima”, Ramírez já era considerado “culpado”. E poderia também, logo em seguida, lembrar-lhe que isso afrontava o princípio da presunção de inocência, consolidado ao longo de muitas décadas e à custa de muito esforço intelectual.

Talvez até alguém o tenha feito, já que o presidente decidiu reintegrar Ramírez quatro dias depois daquela famigerada partida contra o Flamengo.

Atualmente, Ramírez ainda é atleta do Bahia e disputa partidas normalmente.

Parte da imprensa (dita progressista e que adotou a bizarra tese do “a voz de quem denuncia é a voz da vítima e deve predominar desde o momento em que a denúncia é feita”) poderia seguir o exemplo do presidente do Bahia e retirar das costas de Ramírez esse fardo que não lhe cabe.

Talvez aconteça algum dia. O GE, por enquanto, ainda acha que não é o momento, apesar do que já decidiu o STJD e a Justiça comum.

Artigos

O protagonismo do jogador negro em casos de racismo no futebol

O futebol tangencia o que seria, para o oficialismo brasileiro, o Brasil ideal. Isto significa dizer que o esporte mais popular do país constitui, aos olhos do senso comum, a harmonia entre as raças sobre a qual se traduz na idolatria por jogadores negros. Com suas performances dentro de campo, estes jogadores trazem títulos para a seleção brasileira e clubes. O resultado desta dinâmica é a utilização destes atletas e a idolatria que a população brasileira possui por eles para impulsionar a proposta de democracia racial. Neste prisma, o racismo no Brasil não existe ou é mais ameno do que em outros países como os EUA. Afinal, argumentariam algumas pessoas, tendo o futebol como referência: “Temos ídolos negros no maior esporte do país. Eles jogam em nossos clubes do coração e torcemos muito por todos eles dentro de campo”.

A fim de entendermos como os jogadores negros foram e são utilizados como ferramentas para a manutenção do status quo, é preciso explorarmos a ideia de cordialidade racial, desenvolvida por Sales Jr (2006). Trata-se de refletir o modo como se acomodaram as relações raciais fruto de códigos de sociabilidades, onde tolera-se a presença de pessoas negras, calcados na ideia do clientelismo e do patrimonialismo (SALES JÚNIOR, 2006). Diante deste prisma há um ar de altruísmo em ajudar e estar com pessoas negras. A cordialidade racial, portanto, se torna uma consequência perversa da democracia racial. Segundo o autor, ela é uma superfície que tratou de escamotear os problemas raciais no Brasil, se materializando na ideia do “ela é quase da família”, corroborando com a hierarquia racial da sociedade brasileira.

Não obstante, o insulto racial, neste cenário, na visão de Sales Júnior (2006), tem o objetivo de legitimar esta hierarquia racial. “O insulto, assim, vem lembrar o lugar (identidade) do insultado e a distância social que o separa do agressor” (SALES JÚNIOR, 2006, p.237).

Neste aspecto, o insulto racial dentro dos estádios, seja proferido por outros jogadores, ou pela torcida, se constitui como uma ferramenta poderosa de subordinação dos jogadores negros. A única, ou um dos poucos ferramentais capazes de subordiná-los, justamente para lembrá-los de onde eles vêm e quem eles são. Tendo em vista que, na sociedade em que estamos inseridos, jogadores negros que alcançam a elite do futebol possuem dois pontos muito importantes: prestígio social e condições econômicas sólidas. No entanto, sua derme é preta. Realizar insultos racistas é uma das poucas alternativas que os racistas possuem para subordinar jogadores negros, haja vista que ter prestígio social e dinheiro não podem ser vistos como uma imunidade simbólica de acusações racistas.

Fonte: Factual900

Sendo assim, há uma cordialidade racial capaz de suportar jogadores negros nesta posição tendo em vista que são, inegavelmente os melhores, e que produzem benefícios ao oficialismo brasileiro. Porque, caso paire no ar alguma dúvida sobre seu desempenho, a alcunha de ídolo se recaí para dúvidas e incertezas, recorrendo à justificativas racialistas que são, em grande parte, estapafúrdias.

Neste caminho, Sales Jr (2006) destaca que pessoas negras não podem ousar desestabilizar esta hierarquia racial, pois estariam gerando conflitos raciais que, até então, são considerados inexistentes ou irrelevantes na sociedade brasileira. Este conceito de cordialidade racial é fundamental para entendermos a dinâmica que ocorre entre os jogadores negros e como eles são tratados por outros participantes da indústria do futebol. Isto é, jogadores negros foram fundamentais para que a ideia de democracia racial fosse instalada no Brasil, na medida em que torce e vibra-se com eles. E hoje, quando as questões raciais no Brasil estão latentes, dentro e fora do futebol, o protagonismo dos jogadores negros de forma ativa a estas questões é fundamental para que, de fato, haja o combate ao racismo e aos racistas, tendo em vista seu prestígio social.

O caso de Gerson e o debate do racismo

“Cala boca, negro!”. Esta foi a frase que, segundo Gerson, jogador do Flamengo, foi dita por Ramirez, meia-atacante do Bahia, em uma partida válida pela 26º rodada do Brasileirão. 

Com uma reação que chocou muitas pessoas, Gerson foi para cima com a intenção de tirar satisfação da frase ouvira (“Cala boca, negro!”), interrompendo a partida e mobilizando grande parte dos jogadores dentro de campo, além dos técnicos de ambas as equipes.

Ao final da partida, Gerson deu seu depoimento visivelmente abalado:

“Tenho vários jogos pelo profissional e nunca vim na imprensa falar nada porque nunca tinha sofrido preconceito, nem sido vítima nenhuma vez. O Ramirez, quando tomamos acho que o segundo gol, o Bruno fingiu que ia chutar a bola e ele reclamou com o Bruno. Eu fui falar com ele e ele falou bem assim para mim: ‘Cala a boca, negro’. Eu nunca falei nada disso, porque nunca sofri. Mas isso aí eu não aceito.”

Gerson, jogador do Flamengo

Houve um extenso debate nas redes sociais, nas mesas redondas dos canais esportivos e dentro dos bares. Em larga medida, a sociedade civil discutiu o “caso Gerson”. O técnico do Bahia, Mano Menezes, comparou o gesto de Gerson à malandragem e foi amplamente criticado, fato que culminou na demissão do técnico (apesar de o Bahia justificar a demissão também por motivos esportivos relacionados ao desempenho da equipe no campeonato). O Flamengo prometeu levar o caso para uma resolução final no campo jurídico.

O caso foi arquivado no início de abril pelo Ministério Público por “falta de provas”, mas do ponto de vista simbólico, o ato de Gerson dentro de campo, em uma transmissão da TV Globo, foi fundamental para fomentar o debate.  Além de reavivar a memória de jogadores negros que hoje estão aposentados. Em entrevista ao jornal Folha de São Paulo, o jogador Roque Júnior, vítima de racismo em um jogo de futebol em 2004, reforça que, se fosse nos dias atuais, não continuaria em campo como forma de protesto em relação àquele acontecimento.

Ao ouvir “Cala boca, negro”, Gerson mobilizou um intenso debate sobre o racismo no futebol brasileiro. Deixou visível a falta de conhecimento da população brasileira diante do tema, fruto de negligência por décadas a fio, apontando as fragilidades das instituições esportivas que não possuem medidas sérias e eficazes junto a organizações civis que lideram o tema, além da lentidão da justiça brasileira no que tange os crimes de cunho racial.

Fonte: agenciabrasil.ebc.com.br

Por fim, como dito, do ponto de vista simbólico, Gerson ocupou o protagonismo: um dos principais atletas em um dos principais clubes do país reportando em rede nacional, o caso de racismo que o atingira. Não é fácil. Certamente mais pessoas desacreditaram do que acreditaram no atleta, tendo em vista a complexidade que o seu caso possui, em decorrência da falta de imagens, produzindo um lugar perigoso para pessoas negras (o da confiança e credibilidade), apesar do prestígio que o atleta possui. Afinal, assim como eu, Gerson também escutara desde pequeno: “é a sua palavra contra a minha, e agora?”

Ao falarmos de um cenário onde jogadores negros confrontam, dentro de campo, de forma direta, insultos raciais, advindos de outros jogadores ou da torcida, isto requer o entendimento macro da indústria esportiva, levando em consideração que eles também são produtos que se atrelam a marcas de relevância internacional muitas vezes com contratos relevantes do ponto de vista financeiro. Mas o primeiro passo foi dado. Não só por Gerson, mas também por muitos outros, como Neymar e Taison que, possivelmente, com casos anteriores ao do atleta do Flamengo, podem ter encorajado o jogador a não ficar calado.

Que seja um efeito dominó se as estruturas raciais, ainda engessadas no que tange a discussão do tema dentro do futebol, comecem a se abalar por aqueles que são os principais produtores do espetáculo: os jogadores, sobretudo os negros.  

Referências bibliográficas:

SALES Jr., Ronaldo. Democracia racial: o não-dito racista. Tempo Social: revista de sociologia da USP, v. 18, n. 2, nov. 2006. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ts/v18n2/a12v18n2. Acesso: 20/09/19.


Artigos

Será que podemos torcer e jogar futebol como mulheres?

Nesta semana de Dia Internacional da Mulher, ter espaço para falar no blog do Leme me leva a um lugar não apenas de pesquisadora, mas de mulher e de torcedora.  Por, desde pequenas, gostarmos de futebol, temos nosso cotidiano repleto de violências simbólicas. Nossas opiniões são, constantemente, invisibilizadas e colocadas em cheque; nosso amor questionado;… Continuar lendo Será que podemos torcer e jogar futebol como mulheres?

Avalie isto:

Artigos

O sonho de Piba

Por César R. Torres* y Francisco Javier López Frías**, especial para Página 12 Mara Gómez sonha em ingressar oficialmente ao Club Atlético Villa San Carlos da cidade de Berisso, uma das dezessete participantes do Campeonato de futebol feminino da Primeira Divisão A. Seu treinador, Juan Cruz Vitale, pretende colocar a jovem atacante na equipe em… Continuar lendo O sonho de Piba

Avalie isto:

Artigos

O que é que o Bahia tem?

Você torceria por outro time? Uma pergunta assim, para quem é apaixonado por futebol, chega a ser quase uma afronta. Não chego ao extremo de questionar se você torceria contra seu próprio time, mas será que seria capaz, por uma questão de simpatia, de identificação, realmente torcer pelo sucesso de outro clube? Em um país… Continuar lendo O que é que o Bahia tem?

Avalie isto:

Eventos

LEME marca presença no evento “Em Foco”, na UERJ

É hoje (quarta-feira)! O “Em Foco”, deste ano, discutirá o preconceito contra a mulher no mercado de trabalho. E o LEME estará presente, representado pela professora e pesquisadora Leda Costa, mediadora de duas mesas. De 18h às 19h30 é a vez da mesa 1, com Karin Duarte, repórter do grupo O Globo, Vanessa Riche, apresentadora… Continuar lendo LEME marca presença no evento “Em Foco”, na UERJ

Avalie isto:

Artigos

Jogando como Tiffanny

O Sesi-Bauru não conseguiu chegar à final da superliga de vôlei. O clube fez a melhor campanha em sua história na competição, o que inclui a vitória sobre o SESC-Rio nas semifinais.  Esse jogo recebeu ampla atenção midiática não somente por se tratar de um resultado significativo, em termos esportivos. Mas por conta das polêmicas… Continuar lendo Jogando como Tiffanny

Avalie isto:

Artigos

Champions LiGay 2019 e preconceito

Ao que se sabe, o esporte ocupa todas as esferas da sociedade, produzindo e reproduzindo comportamentos, discursos, além de funcionar como referência. É notável que o esporte cumpre papel de amenizar variados tipos de conflitos, sintetizar culturas, assumindo o mito de que seria o espaço no qual obstáculos sociais e raciais não existiriam. Contudo, os… Continuar lendo Champions LiGay 2019 e preconceito

Avalie isto:

Eventos

LEME divulga Golzinho Feminino*

O Laboratório de Estudos em Mídia e Esporte (LEME/UERJ), coordenado pelo professor Ronaldo Helal, divulga Golzinho Feminino. É um evento organizado pelo movimento Torcedores e Torcedoras pela Democracia, em homenagem ao Dia Internacional dos Direitos das Mulheres. Dia: 30/03/19, sábado Horário: às 9h Local: Quinta da Boa Vista. RJ/RJ Presenças confirmadas: Marisa Pires. Martinha Denise Andrea… Continuar lendo LEME divulga Golzinho Feminino*

Avalie isto:

Artigos

Todas as mulheres gritam em uma só voz

Apesar de poucos meios de comunicação terem noticiado que a seleção feminina brasileira de futebol foi heptacampeã da Copa América, dois importantes episódios recentes mostraram a força da representatividade da mulher no esporte, especialmente no futebol. O primeiro deles foi a imagem da torcedora argentina Vanessa que amamentava a filha Florencia enquanto assistia ao jogo… Continuar lendo Todas as mulheres gritam em uma só voz

Avalie isto: