Artigos

“Amarelinha” desbotada

Durante a reprise na TV Globo da conquista do pentacampeonato mundial do Brasil na final da Copa de 2002, as redes sociais ficaram repletas de comentários saudosistas e nostálgicos. Um deles, de Oliver Stuenkel, prestigiado professor de relações internacionais, foi particularmente interessante. Ele postou uma foto sua EM 2002 com uma camisa da seleção e a seguinte legenda: “Que saudades de 2002. Nessa época, dava para vestira a camisa da seleção sem ser confundido com terraplanistas de extrema direita”.

Foto: Presidente Bolsonaro é recebido por crianças com camisa da seleção em ato antidemocrático contra o Congresso Nacional e o STF (Foto Wagner Maciel/Estadão Conteúdo)

Desde março de 2015, de forma mais explícita, o uniforme principal da seleção brasileira de futebol vem sendo usado por grupos conservadores em manifestações. Inicialmente a favor do impeachment da então presidenta Dilma Rousseff e, posteriormente, em apoio à candidatura do atual presidente Jair Bolsonaro. No momento de mais baixa aprovação do governo Bolsonaro, em meio à falta de comando no combate à pandemia do coronavírus [1], nossos domingos tem sido marcados por xingamentos às instituições, flertes autoritários em manifestações dos mais intransigentes e inflexíveis militantes. O uniforme é a “amarelinha”, vestida por muitos deles.

A seleção brasileira de futebol foi durante o século XX um dos símbolos mais importantes para a construção do que é “ser brasileiro”. Essa construção foi também um projeto político que buscava integrar uma sociedade dividida pela escravidão e pelos regionalismos, e teve nas vitórias da seleção brasileira e nas narrativas da imprensa esportiva, a partir dos anos 1930, a base para a consolidação da ideia de “País do Futebol” [2]. Essa ideia, mesmo enfraquecida nos tempos atuais, tem a ver com a paixão e a esperança com a seleção, sobretudo em tempos de Copa do Mundo.

A camisa amarela daquele que é, até agora, o único time pentacampeão mundial adquiriu uma série de representações e atributos ao longo das conquistas. A grande maioria deles foi positivo tanto sobre o futebol jogado pelos brasileiros como sobre o povo brasileiro. Cartão de visita e passaporte informal do brasileiro pelo mundo, ela passou a significar na imaginação “talento diferenciado”, “irreverência” em campo, “alegria”, e “solidariedade” em quem a veste [3]. Representações da forma que jogamos e que até hoje tentam ser reproduzidas na imprensa esportiva nacional, mas que não é mais dominante

Por ter feito uma monografia sobre o tema, percebi como foi avassaladora a transformação simbólica que a camisa amarela sofreu em seu processo de apropriação pela extrema-direita. Há até pouco tempo, a “amarelinha” possuía conotação e representação que estavam acima das disputas políticas e partidárias. O Brasil foi campeão em 1994, derrotado na final de 1998, mas, independentemente disso, Fernando Henrique Cardoso foi eleito e reeleito presidente. O pentacampeonato em 2002 não ajudou o PSDB a se manter na presidência, e Luís Inácio Lula da Silva, do Partido dos Trabalhadores (PT), venceu a eleição daquele ano. A seleção brasileira não venceu os mundiais de 2006 e 2010, e o PT continuou no comando do Poder Executivo Federal, com Lula e, posteriormente, Dilma Rousseff, eleita para o primeiro mandato à época.  Em nenhuma dessas eleições, a camisa amarela da seleção foi usada como símbolo de um dos candidatos. Foi uma característica pós-redemocratização, enquanto, durante a Ditadura Militar, a seleção e a camisa amarela tenham se aproximado do Regime em 1970 com a propaganda política que tentou surfar na onda do tricampeonato no México [4].

Desde a instauração e vigência da Nova República, a partir de 1988, o esporte também vive uma nova era, marcada pela inserção de times e marcas, como a Nike, em um mercado agora global do esporte com cifras bilionárias em contratos de patrocínio, pela ida de jogadores brasileiros cada vez mais cedo para atuarem no exterior, e pelos poucos jogos da seleção em solo nacional. A seleção brasileira passa por um processo de desterritorialização, despolitização e desnacionalização para se inserir à lógica transnacional do capital [5]. A Seleção Brasileira teve Londres como sua casa. Menos de 10% dos amistosos do time desde 2003 aconteceram em solo nacional. Tudo isso distancia o torcedor da seleção e seus símbolos, mas nada do que estamos vivendo atualmente teve tanto impacto negativo.

As representações em torno da “amarelinha” passaram a ter as conotações mais negativas possíveis a partir da crise política atual [6]. Não tivemos nem grandes conquistas em campo para contrabalancear seu uso político. Os rituais em torno do futebol, o “clima de copa”, foram transportados para a onda conservadora responsável por retrocessos políticos, econômicos e sociais.

É importante lembrar que uma das forças de mobilização da Copa do Mundo tem a ver com o duelo de nações e identidades em campo, de forma que uma seleção de onze titulares mais os 12 reservas representaria o país como um todo. No caso da polarização política, podemos fazer a comparação entre o duelo das “nações”: a que foi contra a destituição da então presidente Dilma Rousseff e a eleição de Jair Bolsonaro, e a que apoiou uma conservadora à direita na política nacional.

Foto: Manifestante vestido com camisa da seleção brasileira comemora prosseguimento do Impeachment na Câmara dos Deputados em 2016 (Foto: Nacho Doce/Reuters)

Durante o impeachment, a votação de admissibilidade da deposição de Dilma Rousseff que ocorreu no dia 17 de abril de 2016, um domingo à tarde, na Câmara dos Deputados, escancarou esses novos rituais, por parte dos apoiadores do impeachment. Em comum, a congregação de um grupo que tinha um objetivo comum (no caso, vencer a partida do impeachment); vestir a camisa amarela da seleção; pertencimento e socialização neste grupo; cantar o hino nacional; a vibração típica de gol em cada voto dado a favor do impeachment; a apoteose quando o resultado se definiu a favor do grupo que apoiava o impeachment, com a explosão de fogos, cornetas, “buzinaços” e “apitaços”.

Algumas representações da cobertura da imprensa capturam essas semelhanças. Reportagem no site da revista semanal “Época”, no dia da votação do processo na Câmara dos Deputados (17 de abril de 2016), tem como título: “Pró-Impeachment, Avenida Paulista tem clima de festa da Copa”. No subtítulo, “Camisetas da seleção, vuvuzelas, cerveja holandesa, coreografias e comemoração, na derrota de Dilma na votação da Câmara”[1]. [7]

No campo cultural e das festas populares, a camisa amarela da seleção foi símbolo da ala “Manifestoches”, no desfile da Escola de Samba Paraíso da Tuiuti, vice-campeã do Carnaval do Rio de Janeiro de 2018. A camisa, em uma versão genérica, foi usada para criticar a suposta “alienação” dos manifestantes pró-impeachment vestidos com o uniforme da seleção brasileira e que carregavam o pato amarelo da Federação das Industrias do Estado de São Paulo (FIESP), também apoiadora do impeachment no enredo “Meu Deus, meu deus , está extinta a escravidão?”. [8]

Mostaro e Fontenelle (2018) [9] destacam um mapeamento quantitativo realizado durante a Copa do Mundo sobre as narrativas em torno da camisa da seleção brasileira. A pesquisa começou no primeiro dia de competição (pela fase de pico do engajamento do público com o torneio, a partir do jogo de abertura do mundial) e foi encerrada no dia da eliminação da equipe comandada por Tite diante da Bélgica nas quartas-de-final, para evitar que a derrota em campo influenciasse o levantamento. Duzentas e dezesseis pessoas responderam ao formulário digital. 82,6% afirmaram “já ter comprado uma camisa oficial da seleção brasileira”; 61% “já compraram alguma blusa amarela em alusão à camisa da seleção brasileira e usaram durante a Copa do Mundo”; 43,9 % “acreditam que a camisa virou uma espécie de marca de um movimento político”; 21,4% “deixaram ou deixarão de usar a camisa da seleção brasileira devido à alusão aos protestos” (46,2% “não deixaram ou deixarão de usar a camisa da seleção brasileira”; 21% “continuarão usando a camisa da seleção apesar de não concordarem com os protestos que pediam a saída de Dilma.

Em meio à polarização política nacional, acredito que o uso da camisa amarela da seleção grupos conservadores e até mesmo reacionários em protestos de rua não está dissociado de uma transformação discursiva maior, que afeta outras democracias ocidentais. Um processo de crise do capitalismo e dos princípios políticos e econômicos liberais no qual o recrudescimento conservador e ultranacionalista se impõe como alternativa sedutora para muitos [10].

A interdependência e desregulamentação dos mercados têm deixado as economias nacionais suscetíveis a crises e ao aumento da desigualdade. No caso brasileiro, algumas especificidades, de 2013 para cá, reforçam a “onda conservadora” que chegou ao poder: crise e descrença na representação política; deflagração de escândalos de corrupção no âmbito da Operação Lava-Jato e a crise econômica que tem afetado grande parte da sociedade brasileira com baixo crescimento do Produto Interno Bruto e elevado desemprego. No bojo das transformações e fragmentações que consolidaram a Globalização, é possível constatar a ascensão retórica de representações que remontam a “origens”, “raízes” e “puritanismo” culturais, alicerçadas na radicalização de concepções nacionalistas, étnicas, religiosas, e que seriam responsáveis por resgatar a “ordem” e a “prosperidade”, em uma perspectiva ilusória e saudosista do passado.

Apropriar-se dos símbolos nacionais, por grupos identificados como de “extrema-direita”, é um mecanismo amplamente usado em diversos países e faz parte de uma estratégia elaborada de confundir Estado e Nação com uma ideologia, um político e um partido específicos. Traje nacional, a camiseta da seleção simbolizou no passado que aqueles que a vestem angariam todo o complexo de atributos positivos associados à nação brasileira, uma vestimenta ritual que afirma de modo inequívoco o pertencimento daquele que a veste aos ‘nossos’ valores. Uma das marcas dessas candidaturas consideradas de extrema-direita e de movimentos políticos conservadores globalmente é, discursivamente, se intitular como legítima dona dos símbolos pátrios, como parte de uma estratégia sofisticada, pois permite uma suposta divisão da população entre patriotas de um lado e inimigos da pátria de outro. Não à toa, um dos slogans da campanha vitoriosa de Bolsonaro foi “Meu partido é o Brasil”, que também estava presente em uma faixa vista nas manifestações de junho de 2013.

Portanto a camisa amarela da seleção brasileira, que teve um papel decisivo na formação do que é “ser brasileiro” ao longo do século XX, não ia ficar de fora dessa disputa política, já que possui forte apelo sentimental. Só que pela primeira vez na nossa história recente, a camisa perdeu o seu poder agregador, virou algo restrito a um nicho, que gera cada vez mais repulsa, como indicam as pesquisas de opinião.

E isso diz muito sobre nosso futuro, sobre a ausência de horizontes. Porque a camisa representava a ideia de termos um destino comum. Podia aparentemente se mostrar de forma clara somente a cada 4 anos, mas ela estava lá, sendo a camisa a prova concreta. Um destino comum de vencer, de ser grande e feliz. Injusto, racista e desigual, o Brasil não mudaria da água para o vinho da noite para o dia. Mas, ainda que com contradições e lacunas, atrasos e pessoas deixadas para trás, um projeto de país surgia. Não à toa, em 2010 o Brasil estava na lista dos países mais felizes do mundo [10].

Isso foi comprometido. Em 2019, que projeto em comum nos move harmonicamente? O que temos de consenso? A “Amarelinha” poderia não ter uma unanimidade totalizante, mas era elemento consensual. Se antes gerava identificação, agora pode gerar rejeição caso você não seja “Bolsominion”.

Como a história se repete e ciclos de luzes e obscurantismo se intercalam, a pergunta que fica é: se, no futuro, uma outra onda conservadora, moralista e nacionalista capenga se instaurar no Brasil, a camisa amarela da seleção estará novamente desempenhando o mesmo papel de agora? Esse vai ser o significado dominante da “amarelinha”, já que cada vez mais a seleção não empolga? [11] Alguns não querem pagar para ver tanto é que os jornalistas João Carlos Assumpção e Juca Kfouri sugerem até uma campanha para mudar a camisa principal da seleção [12].

 

Referências

[1] Reprovação ao governo Bolsonaro vai a 50%, aponta XP/Ipespe; 57% veem economia no caminho errado. Info Money , São Paulo. 20 de junho de 2019. Disponível em: https://www.infomoney.com.br

[2] HURT, J. O Brasil: um Estado-nação a ser construído. O papel dos símbolos nacionais, do império à república MANA 18(3): 471-509, 2012

[3] DAMO, A. A Magia Da Seleção. Revista Brasileira de Ciências do Esporte, vol. 28, núm. 1, setembro, 2006, pp. 73-90

[4] MOSTARO, F. F. R. A Seleção Brasileira como propaganda do Governo. Getúlio em 1938 e os militares em 1970. Trabalho apresentado no DT 1 – Jornalismo do XV Congresso de Ciências da Comunicação na Região Sudeste realizado de 13 a 15 de maio de 2010

[5] ALVITO, Marcos. A parte que te cabe neste latifúndio: o futebol brasileiro e a globalização. Análise Social. Lisboa, n. 179, p. 451-474, 2006.

[6] PINTO, C. A trajetória discursiva das Manifestações de Rua no Brasil (2013-2015). Lua Nova, v. 100, 2017.

[7] “Pró-Impeachment, Avenida Paulista tem clima de festa da Copa”. Revista Epoca, São Paulo, 16 de abril .Disponível em: https://epoca.globo.com> Acesso em 2 de outubro de 2019

[8] “Com desfile político, Tuiuti se torna assunto mais comentado na internet”. Correio Braziliense, Rio de Janeiro, 12 de fevereiro de 2018. Acesso em 14 de outubro de 2019. Disponível em: https://www.correiobraziliense.com.br

[9] MOSTARO, F. F. R.; FONTENELLE, C. “Patriota” ou “Manifestoche”: a camisa da seleção brasileira e sua reapropriação nas narrativas políticas”. Trabalho apresentado no GT 4 durante o XV Poscom PUC-Rio, de 6 a 9 de novembro de 2018.

[10] LÖWY, M. Conservatism and far-right forces in Europe and Brazil. Tradução de Deni Alfaro Rubbo e Marcelo Netto Rodrigues. Serv. Soc. Soc.  n. 124. São Paulo out./dez. 2015

[11]HELAL, R; SOARES, A. O Declínio da Pátria de Chuteiras: futebol e identidade nacional na Copa do Mundo de 2002. Disponível em: https://www.ludopedio.com.br

[12] Campanha para mudar a camisa da seleção. Blog do Juca Kfouri – UOL. São Paulo, 14 de maio de 2020. Disponível em: https://blogdojuca.uol.com.br

Artigos

Futebol e política: a representação da culpa única no Brasil

“Se não estiver bom a gente tira!” Essa frase permeia as discussões futebolísticas sobre os técnicos de futebol. Ela procura um determinismo, esquece-se de olhar toda a estrutura do clube: finanças, jogadores e atribui a “culpa” apenas a uma pessoa. A representação do treinador nas narrativas jornalísticas, em grande medida, é pautada por essa ótica.… Continuar lendo Futebol e política: a representação da culpa única no Brasil

Avalie isto: