Artigos

Discutindo valores-notícia na cobertura de futebol

A discussão sobre noticiabilidade, valor-notícia e seleção noticiosa, amplamente abordada nos estudos de Comunicação, é bastante pertinente ao campo porque traz consigo possibilidades outras de se pensar tais variáveis para além da vertente convencional, que tende a tratar esses três conceitos como sinônimos no newsmaking (ou fazer-notícia). Alguns pesquisadores demarcam bem essa diferenciação, dando o devido peso a cada um desses fatores que interferem expressivamente no cotidiano de produção jornalística.

Na visão de Silva (2005), a noticiabilidade é como um grande guarda-chuva que abrigaria os outros dois conceitos, funcionando “como todo e qualquer fator potencialmente capaz de agir no processo da produção da notícia” (p. 52). Já os valores-notícia seriam os atributos que orientam a seleção primária dos fatos, isto é, que selecionam aqueles acontecimentos que, por determinado motivo/valor, importa noticiar. A seleção noticiosa, por sua vez, estaria relacionada à hierarquização desses fatos e ao tratamento que lhes será dado nas páginas dos jornais.

Partindo dessa perspectiva, proponho-me a discutir os modos como esses conceitos atuam no jornalismo esportivo, mais precisamente na cobertura de futebol, que, por seu teor subjetivo – envolvendo paixão, emoção, preferências etc. – considero dotada de certas particularidades editoriais. Um dos pontos que me interessa discutir é que os valores-notícia (VNs) clássicos do jornalismo como um todo – tragédia, proeminência, governo, conflito etc. – podem adquirir outras dimensões em se tratando da cobertura futebolística, de modo que, por exemplo, quando se fala no valor-notícia governo, a intenção é se referir à administração dos clubes; quando se fala no valor-notícia tragédia/drama, ele se refere ao contexto dramático de uma situação decisiva dentro campo; quando se fala no valor-notícia proeminência das pessoas envolvidas, ele se refere ao protagonismo dos personagens do jogo, e assim por diante.

É importante ressaltar que, ao mencionar os valores-notícia clássicos do jornalismo, estou me baseando na nomenclatura proposta pelos principais autores que abordaram o tema, como Sousa (2002), Traquina (2001) e Wolf (2003), os quais também embasam a diferenciação entre noticiabilidade, valor-notícia e seleção noticiosa proposta por Silva (2005) e descrita no início deste texto. Pensando mais especificamente na cobertura de futebol, me propus um breve exercício para tentar compreender quais atributos fazem determinado acontecimento virar notícia na editoria esportiva. Para tanto, desconsiderei alguns VNs tidos como óbvios para o fazer-notícia de um modo geral, como atualidade – visto que esse valor já é um pré-requisito do jornalismo – e importância – sobretudo considerando-se que a editoria em análise pressupõe que o tema esportivo por si só já é relevante para os consumidores do segmento.

Por consequência, esses conteúdos seriam também os mais contestados em termos de verdade, objetividade e credibilidade jornalísticas. Esse último quesito ganha destaque na ótica das pesquisadoras Lisboa e Benetti (2016), que o compreendem para além de um conceito acessório no jornalismo. Na visão das autoras, a credibilidade é algo imprescindível para que os sujeitos possam presumir que o discurso jornalístico diz a verdade – mesmo nesta editoria onde a subjetividade de jornalistas e espectadores tende a ser mais atuante tanto na produção quanto na interpretação dos conteúdos noticiosos, já que na maioria das vezes o jornalista que escreve sobre esportes está se reportando a um público tão apaixonado (e entendido do assunto) quanto ele.

Não à toa, os jornalistas esportivos tendem a ficar mais suscetíveis aos julgamentos de parcialidade. Isso faz com que permeie nos profissionais da área a necessidade de reforçarem que seu trabalho é realizado em conformidade com os fundamentos da profissão, como a constante busca pela verdade, objetividade e isenção no fazer-notícia. Uma perspectiva semelhante se dá nas editoras de política e de economia, áreas em que interesses vitais das empresas jornalísticas estão “em jogo” e nas quais o jornalista também precisa lidar com suas preferências rondando o seu cotidiano profissional.

Ao se ancorar nesses fundamentos básicos da profissão, a intenção do jornalista é balizar seu trabalho e proteger-se das eventuais críticas da audiência, isentando de culpa o profissional que, mesmo de maneira involuntária, acaba se envolvendo sentimentalmente com a cobertura, visto que o evento, por si só, já carrega um misto de paixão e emoção intrínseco ao universo dos esportes. Embora tais fundamentos por vezes sejam tratados como grandezas absolutas nos manuais de redação, caberia relativizá-los, apesar de não ser este o foco deste texto. Mas vale lembrar que, relativizar o caráter romântico dos fundamentos da profissão não significa negligenciar os rigorosos métodos e técnicas de produção noticiosa, mesmo que isso às vezes seja ainda mais desafiador para o jornalista esportivo.

É o que Heródoto e Rangel chamam de “desafio da paixão”, na obra Manual do Jornalismo Esportivo, onde afirmam que o jornalismo é para ser realizado com paixão.

“Porém não pode exceder aos limites éticos da profissão. Seres humanos não são exatos como relógios de quartzo, mas nada justifica que o entusiasmo e a alegria se transformem em manipulação e distorção.” (BARBEIRO & RANGEL, 2006, p. 122).

Ainda conforme Barbeiro e Rangel, é justamente pelo fato de o esporte ser visto como diversão e entretenimento para a maioria dos brasileiros, que é praticamente impossível relatá-lo com o nível de formalidade característico de outras editorias, até porque “a descontração, o bom humor, o sorriso não afrontam a credibilidade nem a seriedade do trabalho. É preciso ser isento, ético, exato, mas não carrancudo.” (2006, p. 77).

Inclusive, nas últimas décadas, essa vertente do jornalismo esportivo como entretenimento ganhou destaque no ambiente acadêmico, a exemplo do conceito de INFOtenimento, inicialmente debatido por Dejavite (2006). Relendo a sistematização de valores-notícia feita por Silva (2005), noto que a autora categoriza o tema esportivo como assunto de potencial noticioso enquanto “entretenimento/curiosidade”, categoria esta que, segundo a autora, engloba também temáticas voltadas para o divertimento, comemorações e aventuras, conforme aponta a tabela seguinte:

No entanto, embora Silva (2005) insira a temática esportiva dentro da categoria de entretenimento, o esporte visto sob outra ótica é um tema repleto de potencialidades noticiosas únicas que, em alto grau, justificam a existência de uma editoria específica para o gênero – editoria esta que perdura há quase um século desde sua consolidação na imprensa brasileira, no contexto de popularização e consequente profissionalização do futebol. Mas, se por um lado, o esporte estabeleceu-se como editoria permanente e de destaque nos principais veículos brasileiros, por outro, foi relegado a uma visão estigmatizada que, embora em menor escala, ainda perdura, caracterizando a atividade como uma área de menor prestígio quando comparada às demais coberturas, fato este que, mesmo passível de contestação, talvez tenha justificado a categorização proposta pela autora.

O que se pretende nesta discussão é tomar a temática esportiva como segmento dotado de potencialidades noticiosas próprias, sobre o qual os valores-notícia clássicos sistematizados por Silva atuariam de maneira análoga às editorias mais universais. Para ilustrar esse raciocínio, estabeleci a seguir uma correlação entre os doze VNs clássicos apontados na tabela da autora e alguns dos modos como, por exemplo, eles poderiam atestar a noticiabilidade dos acontecimentos em uma cobertura futebolística:

  • VN impacto: número de pagantes nos estádios e, sobretudo, número de torcedores que acompanham o dia a dia dos clubes;
  • VN proeminência: personagens do jogo;
  • VN conflito: rivalidades clubísticas;
  • VN entretenimento/curiosidade: bastidores da partida;
  • VN conhecimento/cultura: esporte como prática educativa e cidadã;
  • VN polêmica: escândalos dentro ou fora de campo;
  • VN raridade: situação inusitada dentro ou fora de campo;
  • VN proximidade: abrangência dos campeonatos (local, estadual, nacional etc.);
  • VN surpresa: placares inesperados;
  • VN governo: administração dos clubes;
  • VN tragédia/drama: situação dos clubes das últimas posições da tabela;
  • VN justiça: decisões contratuais envolvendo contratações de atletas.

Importante ressaltar que os valores-notícia aqui elencados não são independentes e, na maioria das vezes, devem ser compreendidos de forma conjunta, pois dizem respeito a uma série de inter-relações possíveis entre os acontecimentos do universo esportivo ou de qualquer outra editoria em questão. Em muitos casos, inclusive, é a complementaridade de tais fatores o que torna noticiáveis certos acontecimentos, além, é claro, dos critérios organizacionais que são parte intrínseca às rotinas produtivas.

Acredito que resida aí um dos maiores compromissos do jornalista, sobretudo o esportivo que, lidando com a subjetividade da editoria e ancorando-se aos fundamentos canônicos da profissão – como a constante busca pela verdade, equilíbrio e isenção no trato noticioso – sobrevive de apurar informações inéditas e condizentes com o interesse público, construindo histórias bem encadeadas e, por consequência, atraentes e credíveis. Mas que, acima de tudo, ofereçam subsídios para estimular o pensamento crítico, o debate e a reflexão, justificando porque é limitante enquadrar a temática esportiva como mero entretenimento ou curiosidade. Afinal, como bem assinala o jornalista esportivo Paulo Vinicius Coelho em seu livro clássico sobre essa editoria:

“a única maneira de mostrar que o esporte é viável é mostrar que o jornalismo esportivo não é feito apenas por esporte”. (COELHO, 2003, p. 115).

Referências

BARBEIRO, Heródoto; RANGEL, Patrícia. Manual do Jornalismo Esportivo. São Paulo: Contexto, 2006.

COELHO, Paulo Vinícius. Jornalismo esportivo. São Paulo: Editora Contexto, 2003.

DEJAVITE, Fábia Angélica. INFOtenimento: Informação + Entretenimento no Jornalismo. São Paulo: Ed. Paulinas, 2006.

LISBOA, Silvia e BENETTI, Marcia. O jornalismo como crença verdadeira justificada. Brazilian Journalism Research. v. 11, n. 2, p. 10-29, 2016.

SILVA, Gislene. Para pensar critérios de noticiabilidade. Estudos em Jornalismo e mídia, v.2, n.1. Florianópolis: Insular, 2005, p. 95-106.

SOUSA, Jorge  Pedro.  Teorias  da  Notícia  e  do Jornalismo. Chapecó, SC: Argos, 2002.

TRAQUINA, Nelson. O estudo do jornalismo no século XX. São Leopoldo, RS: Editora Unisinos, 2001.

WOLF, Mauro. Teorias da comunicação de massa. São Paulo: Martins Fontes: 2003.

*Uma versão mais abrangente deste texto encontra-se publicada no vol. 8 (n. 2) da revista Âncora – Revista Latino-americana de Jornalismo, vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Artigos

A era de ouro do rádio é agora

Nunca participei de uma roda de samba. Nunca tive o ouvido musical que gostaria. Nunca trabalhei em rádio. Mas o som, a música, sempre exerceram um poder de sedução sobre mim. Ouvir uma determinada canção pode me fazer chorar ou, como num toque de mágica, arrancar um sorriso do meu rosto e me remeter a um tempo que hoje só existe na memória.

Nesse momento de tantas incertezas e questionamentos sobre o que realmente importa, ganhei um rádio de presente. Não aquele pequeno aparelho transistorizado de comunicação ponto a ponto, mas um vovô-garoto, um rádio reconfigurado que, no auge do seu centenário, se apresenta expandido, capaz de transmitir em diferentes plataformas ondas de emoção jamais imaginadas. Estudar rádio com um time de especialistas  como Marcelo Kischinhevsky, Debora Cristina Lopez e Lena Benzecry fez com que, enfim, o som entrasse pra ficar na minha vida.

andrea1
Fonte: br.pinterest.com

Mas, como sou da área de comunicação e, durante um tempo trilhei um caminho na área esportiva, o estudo do rádio imediatamente me remeteu às noites passadas atrás do gol em que dividia espaço com os colegas de rádio. Eles acompanhavam as partidas sempre ávidos por um furo de reportagem e por levar ao ouvinte aquela notícia de última hora sobre o time do coração que todo apaixonado por futebol está louco pra saber.

Não posso dizer que foram noites fáceis pra mim. Como mãe de filhas na época pequenas e mulher numa seara ainda cultivada por um machismo estrutural, não podia dar bola fora, o que certamente me fazia gramar mais do que muitos dos meus colegas radialistas.

No entanto, agora, com olhar de fora e talvez mais isento, consigo observar que o jornalismo esportivo assim como todo o fazer radiofônico passou por uma metamorfose nos últimos anos. Mudaram os modos de fazer,  de circular e, também, de produzir conteúdos.

Talvez essas mudanças não sejam totalmente perceptíveis para a maior parte da audiência. Principalmente para aqueles que ouvem rádio de forma desatenta, apenas como uma trilha de som do cotidiano. No entanto, alguns ouvintes, entre eles, amantes de futebol, têm uma relação meio ritualística com o rádio. Chegam até mesmo a acompanhar a narração das partidas pelo rádio independentemente de estarem no estádio ou diante da televisão com um delay que torna impossível a sincronia perfeita entre o som do rádio e a imagem da tv. A sonoplastia, muito adotada pelo rádio, principalmente no geladão, quando os narradores transmitem a partida de seus estúdios, reforça o hábito e dá ao torcedor a sensação de não estar perdendo nenhum detalhe.

Arriscaria dizer que é mais do que isso. Trata-se de laços de afeto tecidos durante anos através de relatos e diálogos que misturam o real e a imaginação. E é exatamente aí, nesse terreno dos bens intangíveis, que futebol e rádio se encontram num casamento perfeito. Mas, como qualquer outro casamento,  também está sujeito a crises. E o pivô das últimas crises tem sido a distância.

andrea2
Fonte: Clip Gallery Word

O jornalista Whashington Rodrigues, há 18 anos líder de audiência na Rádio Tupi com o Show do Apolinho, lembra da coletiva comandada pela FLA TV após a conquista do último campeonato carioca pelo Flamengo. Assim como ele, milhões de torcedores de todo Brasil, queriam saber se Jorge Jesus permaneceria, ou não, no comando do Flamengo. O jogador convocado para coletiva foi o meia Arrascaeta e, a pergunta que não queria calar, não foi ouvida.

A exemplo do que já acontecia na Europa, os clubes brasileiros adotaram a onda da privacidade. Os treinamentos sem a presença da imprensa tem sido cada vez mais frequentes, assim como a suspensão do direito dos jornalistas de escolherem o jogador a ser entrevistado nas coletivas. A mudança não é nova mas continua gerando muita polêmica.

andrea3
Fonte: Foto enviada pelo comunicador.

“Repórter hoje é a internet. Você vai a Vargem Grande e fala de fora, não pode ver nada. Então, o repórter acaba ficando na emissora mesmo. Até 1980 repórter entrava no vestiário, ficava perto das suas fontes. Hoje não pode nem entrar em campo porque a televisão exige um produto limpo. Com isso, a cobertura está se deteriorando”, lamenta o radialista.

Mas apesar do saudosismo de alguns radialistas, definitivamente não  dá pra dizer que a era de ouro do rádio ficou lá atrás. Muito pelo contrário. A era de ouro do rádio, segundo Apolinho, é agora. Com uma penetração que em muitos mercados varia entre 75 e 90% da população acima de 12 anos, o rádio se vê diante do desafio de integrar-se rapidamente às novas tecnologias e a cultura da convergência. Isso, é claro, inclui o trabalho dos radialistas de todos os setores. Os radialistas esportivos precisam agora encontrar novas pautas para driblar as proibições dos clubes e dos detentores dos direitos de transmissão. E, mais do que isso, entender que é possível fazer jornalismo de qualidade com fontes confiáveis sem necessariamente estar in loco.

Como bem coloca Débora Cristina Lopez, é preciso repensar o rádio como um todo, compreender sua inserção nesse novo ambiente, assim como as relações estabelecidas com  o ouvinte, as fontes e as ferramentas de construção da informação.

Considerado um dos meios de comunicação mais inclusivos por ser democrático e também portátil, o rádio deve continuar acompanhando a vida dos ouvintes tanto nas cidades como nas zonas rurais, mesmo nas mais distantes. Essa tendência  pode ser potencializada com a adoção do rádio digital no Brasil. A internet, que já foi vista como uma ameaça pelas emissoras de rádio, entra em campo como uma aliada no fazer jornalístico. Ela possibilita, por exemplo, que o comunicador use as ferramentas digitais para interagir com o público e, ao mesmo tempo, fazer pesquisa de informações atualizadas. Em alguns casos, pode recorrer ao próprio banco de dados da emissora. A Rádio BandNews FM, por exemplo,  possui um banco de dados comum, que congrega o conteúdo produzido por todo o grupo Bandeirantes.

Com a disseminação das conexões em banda larga, a rádio online passou a ser uma extensão das emissoras com a vantagem do baixo custo de funcionamento. Ouvintes do Brasil e de outras partes do mundo passaram  a buscar na web rádio conteúdos variados, sonoros, ou não. O que aponta para a necessidade cada vez maior das emissoras fazerem uma escuta ativa do seu ouvinte. Afinal, a própria concorrência exige esse olhar diferenciado para a audiência.

As pesquisas de audiência se tornaram ferramentas importantes para identificar o perfil dos ouvintes e buscar saídas para lidar melhor com os atuais problemas ligados à concorrência  e ao envelhecimento da audiência. Se as emissoras de rádio e seus comunicadores souberem extrair o valor dessas pesquisas, que podem fornecer, entre outras informações relevantes, o perfil do ouvinte, o tempo que passa ouvindo determinada programação, além do lugar em que se encontra, certamente o futuro do rádio continuará promissor por mais um século e, qualquer conjectura sobre uma possível extinção motivada pelo determinismo tecnológico, terá que ser definitivamente descartada.

Referências Bibliográficas

LOPEZ, D. C. Radiojornalismo Hipermidiático: tendências e perspectivas do jornalismo de rádio all news brasileiro em um contexto de convergência tecnológica. Covilhã: Labcom Books, 2010.

KISCHINHEVSKY, M., DE MARCHI, Leonardo. Expanded radio. Rearrangements in Brazilian audio media markets. Radio, Sound & Society Journal, v. 1, n. 1, 75-89.

Artigos

O jornalismo esportivo em tempos de Coronavírus

Como uma jovem jornalista em formação, apaixonada por esporte, esse novo modo de viver que nos foi imposto me fez refletir. Refletir acerca do papel do jornalista, do papel do esporte e do nosso papel enquanto pessoas. Para uma pessoa que gosta de esporte e está cursando jornalismo, essas três variáveis são quase indissociáveis. Enquanto… Continuar lendo O jornalismo esportivo em tempos de Coronavírus

Avalie isto:

Artigos

Esporte é entretenimento. E Jornalismo? É esporte?

A saída do apresentador e editor-chefe do Globo Esporte São Paulo, Tiago Leifert, nesta última semana, traz uma reflexão sobre o estilo idealizado por ele e que diversos meios de comunicação aderiram. Fazer jornalismo esportivo é fazer entretenimento? Esporte, na sua concepção, seria mais – e apenas – divertimento e lazer? Jornalismo combina com humor? Confesso… Continuar lendo Esporte é entretenimento. E Jornalismo? É esporte?

Avalie isto:

Entrevistas

Trabalho do LEME é divulgado no boletim Fronteiras do Conhecimento

A primeira edição do boletim Fronteiras do Conhecimento apresenta em um de seus capítulos o trabalho elaborado pelo Laboratório de Estudos de Mídia e Esporte (LEME). Esta apresentação teve como principais bases as entrevistas concedidas por Ronaldo Helal (co-fundador e coordenador do LEME) e Filipe Mostaro (doutorando e integrante do LEME) ao núcleo de Estudos… Continuar lendo Trabalho do LEME é divulgado no boletim Fronteiras do Conhecimento

Avalie isto: