Artigos

E que venha uma narrativa mais diversa em 2021

Desde os tempos mais remotos, povos de diferentes culturas procuraram dar sentido às experiências utilizando as narrativas orais. E, a partir dessas narrativas, as identidades se constituíram. No campo do esporte e, mais especificamente do futebol, também foi assim. O imaginário do futebol brasileiro foi construído de gol em gol, narrados em épicas batalhas no meio de campo sob a influência de vários gêneros, inclusive textuais.

Em todas as narrativas estavam presentes elementos como espaço, tempo, enredo, personagens e narrador. A partir da necessidade de eternizar lances, dribles e gols, o narrador passou a atuar como uma espécie de mediador, cuja perspectiva e ponto de vista ajudam a construir a história do futebol.

É através da narrativa oral e sincrônica do locutor esportivo, aquela que atribui significado às partidas de futebol através das vozes usadas em diferentes tons, ritmos e pausas que a trama se desenvolve. No entanto, o tempo dessa história é marcado por espaços físicos e psicológicos diferenciados. Mas sempre com a presença observadora e onisciente da figura do narrador. Não como protagonista, mas como entidade responsável por dar ritmo às ondas sonoras que tecem em capítulos a história do futebol.  Entre essas vozes e os milhões de receptores das narrativas estão os meios de comunicação, hoje cada vez mais imbricados. No fim do ano passado, li a notícia da contratação da narradora Renata Silveira pela Globo e fiquei pensando na importância dessa ocupação pelas mulheres ainda que paulatina de espaços ainda marcados pelo machismo estrutural da sociedade. Renata se juntou a uma equipe que já incluía mulheres comentaristas e tem uma oportunidade de ouro de ser porta-voz de uma nova narrativa no futebol que traga um olhar mais diverso e inclusivo.  Na torcida para que esse nicho seja explorado por outras narradoras e para que bons ventos continuem soprando em favor das mulheres em outras áreas,  como a da arbitragem, em 2021.

Fonte: UOL

Ao longo dos anos os locutores foram porta-vozes de muitos discursos, inclusive de um muito presente no futebol que enfatiza o caráter “nacional” do esporte, uma associação que começou lá atrás com o rádio, no período entre guerras.  Na época, a BBC, com seu monopólio de transmissão se tornou um órgão central da cultura britânica aumentando o interesse da classe média e moldando o esporte como espetáculo.

Renata é mais uma voz que veio do rádio a ocupar espaço na televisão, o que leva a uma reflexão inevitável  sobre o quanto a narrativa televisiva de futebol vem sendo influenciada pelo rádio, inclusive no que tange ao aumento da utilização de bordões. De antemão vale ressaltar as diferenças da narrativas dos dois veículos no que tangem à ausência e à presença da imagem. Sem o auxílio da imagem, o narrador de rádio teve que desenvolver um certo jogo de cintura para cobrir todos os espaços da narrativa com a voz. E o ouvinte que não dispõe da imagem outorga, ou outorgava, já que hoje o rádio também está fazendo transmissão de imagens por streaming, ao narrador a condição de dono da verdade, o que explica em parte a relação de confiança e intimidade estabelecida com o veículo ao longo dos anos. Relação essa que sofreu muitas mudanças com o advento da internet.

A relação de intimidade com o ouvinte sempre foi uma característica marcante das locuções radiofônicas. Já na televisão, talvez pelo gigantismo da audiência, esse contato mais individualizado com o telespectador fica mais complicado . É comum no rádio o locutor ler no meio da transmissão uma mensagem de WhatsApp de dez, quinze segundos ou até mais de um ouvinte.

Segundo o locutor Luiz Carlos Junior, do canal por assinatura SporTV, a televisão também está começando a adotar essa estratégia de interlocução com o telespectador. E, fora das transmissões, ele e outros locutores costumam estabelecer essa interação nas redes sociais.

Mas há quem acredite como o locutor Jose Carlos Araújo, o  Garotinho, que durante três décadas foi o locutor número 1 da Rádio Globo e  hoje,  aos 80 anos,  comanda as transmissões de futebol na rádio Tupi, que o narrador de rádio tem mais identificação com o público ouvinte por entrar há mais tempo na residência do torcedor. Há também quem aposte no encantamento do veículo, que tem a capacidade de mexer com imaginário do torcedor e transportá-lo para um espetáculo cercado de magia e de sons.

É o que o narrador Luiz Carlos Junior costuma chamar de espécie de “licença poética do rádio”, que transporta o ouvinte para um mundo mágico em que o jogador chuta e a bola passa perto demais enquanto na televisão a imagem mostra que não foi tão perto assim e ficaria meio esquizofrênico para o narrador televisivo utilizar desse recurso na locução.

Fonte: Instagram

Mas mesmo com essa espécie de “licença poética” os tempos mudaram para todos em relação à tolerância  ao erro. Hoje, a linha editorial das grandes emissoras de rádio aconselha o locutor assumir o erro que, até pelas longas transmissões com pré e pós-jogos estendidos, é praticamente inevitável.

Fonte: Instagram

“Uma partida tem 90 minutos. Normalmente você abre a transmissão uma hora antes e fica até uma hora depois com algumas variações para mais ou para menos. É um tempo muito longo que você fica no ar. É impossível não cometer erros. Você está ao vivo. Tem estudo e planejamento, mas também tem muito improviso. Você dá opiniões no calor da emoção. Então, a gente erra bastante. Antigamente a máxima era: quando errar, bota vírgula e segue em frente.  Mas não dá para enganar o ouvinte assim. Hoje a gente precisa chamar a atenção inclusive de erros cometidos lá atrás”. (Eraldo leite)

De uma certa forma, com as redes sociais, o locutor de televisão também ficou muito mais exposto diante do erro já que o torcedor conhece bem o time de coração e não tolera que narrador não esteja totalmente familiarizado com ele. A crítica chega no mesmo minuto às redes sociais.

Antigamente a distância era uma barreira que protegia. Quando o narrador errava o nome de um jogador, por exemplo, o torcedor podia até perceber, mas a indignação ficava com ele. Ou, no máximo, era externada através de uma carta. As correspondências passavam por um processo de seleção e só eram entregues em lotes semanais. Tudo muito distante. Não havia contestação. Hoje as redes sociais são um canal aberto de comunicação e tudo fica exposto. O erro, a crítica, o acerto, tudo vem a público.

Para o locutor da Fox Sports João Guilherme o uso dessas ferramentas sociais exige um certo filtro já que as opiniões dos torcedores muitas vezes são passionais e mudam de acordo com o desempenho do time. Ele conta que aprendeu com o tempo a levar em consideração apenas as críticas construtivas, aquelas que apontam realmente para uma falha não observada durante a transmissão.

Fonte: Instagram

Com todos as ressalvas em relação a uma maior exposição trazida pelas novas tecnologias, muitos locutores como Luiz Penido acreditam ter aprimorado muito a narração com a utilização dos recursos de pesquisa proporcionados pela internet durante as transmissões. O colega da Rádio Globo Edson Mauro também  se adaptou bem ao uso das novas tecnologias. Trabalha com o celular ao lado tanto para receber mensagens dos ouvintes durante a narração, quanto para tirar dúvidas em relação a algum novo jogador que entra em campo. Assim, consegue complementar a informação ou mesmo fornecer alguma explicação adicional que não tenha sido feito durante a participação do repórter de campo.

Mas independentemente dos recursos que utiliza e das entradas do repórter de campo e do comentarista, que atuam como interventores da narrativa, o narrador é o senhor da transmissão e cabe a ele a missão de estar atento para fazer uma leitura correta do que está vendo. E, assim, vai variando o tom de voz de acordo com o desenrolar da peleja. O clímax da partida é sempre o gol, mas, quando ele não sai, mesmo assim o narrador precisa manter a emoção da transmissão e a temperatura do jogo o menos morna possível.

Referências

GOTZ, Ciro Augusto Francisconi. A narração esportiva no rádio do Brasil: uma proposta de periodização histórica, Revista Latino-americana de Jornalismo, 2020.

GUERRA, Márcio. Você, ouvinte é a nossa meta: a importância do rádio no imaginário do torcedor do futebol. Rio de Janeiro: Etc Editora, 2002, p.92

GUIMARÃES, Carlos Gustavo Soeiro. O comentário esportivo contemporâneo no rádio de Porto Alegre: uma análise das novas práticas profissionais na fase de convergência, Dissertação de mestrado Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

HELAL, Ronaldo, AMARO, Fausto. Das ondas do rádio à tela da TV: notas sobre a evolução da narração esportiva, 2012.

KISCHINHEVSKY, Marcelo. Convergência nas redações. Mapeando os impactos do novo cenário midiático sobre o fazer jornalístico. In: LOPEZ, Debora. Radiojornalismo hiper midiático: tendências e perspectivas do jornalismo de rádio all News brasileiro em um contexto de convergência

MADUREIRA, Paulo, KISCHINHEVSKY, Marcelo. Cartografando a narração esportiva radiofônica – Um panorama preliminar da região metropolitana do Rio de Janeiro, Rádio Leituras. Arquivos V.6 N.2, Dossiê rádio e esporte, 2015.

ROCHA FILHO, Zaldo Antônio. A narração de futebol no Brasil: um estudo fonoestilístico, tese apresentada na Universidade Estadual de Campinas, 1989.

SHIRKY, C. Cultura da Participação: criatividade e generosidade no mundo conectado. Rio de Janeiro, Zahar, 2011.

SILVA, Ednelson Florentino. Narração esportiva no rádio: subjetividade e singularidade do narrador, dissertação de mestrado Universidade de Taubaté, 2008.

https://www.uol.com.br/esporte/ultimas-noticias/2020/12/07/globo-contrata-renata-silveira-primeira-narradora-de-futebol-da-emissora.htm

Produção bibliográfica

LEME lança novo livro organizado por seus pesquisadores

O Laboratório de Estudos em Mídia e Esporte (LEME) acaba de lançar um novo livro. Organizado pelo coordenador do grupo, Ronaldo Helal, e pelo pesquisador do LEME, Filipe Mostaro, o livro Narrativas do Esporte na Mídia – Reflexões e Pesquisas do LEME traz uma coletânea de dez artigos, todos assinados por mestres, doutores, pós-doutores e pesquisadores que fizeram ou fazem parte do Laboratório.

O livro começou a ser pensado em 2017, quando houve o convite de Helal e Filipe para os autores fazerem parte da coletânea. Com uma boa troca de passes e um time em sintonia, o resultado final ficou pronto agora, em 2020. Trazendo diferentes recortes dentro do universo da relação esporte-mídia, os artigos apresentam um conjunto de pesquisas denso, fruto de um trabalho sério de cada pesquisador, que contribuem para um debate mais profundo sobre esse campo, ajudando a compreender e ressignificar o papel do jornalismo esportivo na produção de narrativas.

Os textos fazem um percurso que vai desde o início do século até os dias atuais, passando por diferentes meios de comunicação e mostrando a intensa relação do esporte com a mídia. O time que compõe o livro é formado por Ronaldo Helal, Fausto Amaro, Francisco Brinati, Alvaro do Cabo, Juan Silvera, Leda Costa, Carol Fontenelle, Irlan Simões, Anderson Gomes, Tatiane Hilgemberg e Filipe Mostaro.

O lançamento presencial já está acertado com a editora Appris, mas ainda não tem data para acontecer, por conta da pandemia e das consequentes medidas de restrição.

Enquanto isso, os interessados podem comprar o livro direto no site da editora.

Serviço

Título: Narrativas do Esporte na Mídia – Reflexões e Pesquisas do LEME

Editora: Appris

Ano de Lançamento: 2020

Organizadores: Ronaldo Helal e Filipe Mostaro

Preço sugerido para venda: R$66,00 (versão impressa); R$29,00 (versão digital)

Sumário

  1. Futebol, mídia e nação: um breve relato do campo acadêmico
    Ronaldo Helal
  2. O olhar da imprensa carioca sobre o esporte olímpico nacional na década de 1910
    Fausto Amaro
  3. Maracanazo e Mineiratzen: imprensa e representação da Seleção Brasileira nas      derrotas das copas do mundo de 1950 e 2014
    Francisco Brinati
  4. Futebol força x futebol arte. O debate em torno do “estilo” brasileiro no mundial da Argentina em 1978
                Alvaro Vicente do Cabo
  5. O mito Pelé: nacionalismo, fanatismo ou religião, fatos bons para pensar
    Juan Silvera
  6. Quem diz não ao futebol moderno. Juventude, mídia, contracultura e imagens da resistência
                Leda Maria da Costa
  7. Futebol e consumo: hábitos e paixões de jovens da Baixada Fluminense
    Carol Fontenelle e Ronaldo Helal
  8. A invenção do “Nordestão” e o futebol-arte: investigações a partir do jornal dos      sports
    Irlan Simões e Anderson dos Santos
  9. Jogos Paralímpicos de 2012: a perspectiva individual dos atletas paralímpicos e          a sua representação na mídia
                Tatiane Hilgemberg
  10. De “professor” a “comandante”: os rumos narrativos sobre os técnicos da Seleção Brasileira de futebol na primeira metade do século XX
    Filipe Mostaro
Artigos

Mais sobre commodities…

Muito românticas as narrativas da imprensa esportiva brasileira, ao descrever a interrupção do sonho das crianças e a perda de esperança em dias melhores, almejados pelas famílias destas crianças. Muito oportuno e trabalhoso preparar minibiografias das vítimas, procurar o técnico e o clube onde iniciaram o esporte, depoimentos de vizinhos amigos e familiares, sempre com… Continuar lendo Mais sobre commodities…

Avalie isto:

Artigos · Produção audiovisual

A surpresa da Copa de 2014, segundo Bernardo Buarque de Hollanda.

As relações entre política e megaeventos esportivos cada vez mais são permeadas pelo planejamento e controle de narrativas e decisões, tanto pela classe política quanto pelos grandes veículos de comunicação. No entanto, o cientista social e professor da Fundação Getúlio Vargas, Bernardo Buarque de Hollanda, destaca que a Copa do Mundo de 2014, sobretudo, inverteu… Continuar lendo A surpresa da Copa de 2014, segundo Bernardo Buarque de Hollanda.

Avalie isto:

Artigos

Memórias sobre o 7 a 1

O futebol é um esporte singular, seja por sua popularidade, pela imprevisibilidade de seus jogos ou pelas histórias que são contadas sobre ele, ou a partir dele. Em meio às narrativas sobre o universo do futebol, que envolvem jogadores, equipes e partidas, destaca-se um elemento – a memória. Nas últimas semanas a força da memória… Continuar lendo Memórias sobre o 7 a 1

Avalie isto: