Artigos

Ainda é cedo para definir o papel de Tite na história da seleção

A seleção brasileira entra em campo nesta terça para enfrentar o Paraguai em jogo válido pelas Eliminatórias para a Copa de 2018, que acontece na Rússia. Algumas horas antes da partida, grande parte da imprensa destaca a boa campanha da equipe sob o comando do técnico Tite e a possibilidade de o Brasil garantir sua vaga no próximo Mundial com cinco rodadas de antecedência para o final das Eliminatórias, o que seria um recorde entre seleções da América do Sul.

foto 1
Coletiva de Tite e Neymar antes do jogo contra o Paraguai. Foto: Lucas Figueiredo/CBF

Nestas matérias também é possível perceber uma certa admiração dos jornalistas brasileiros em relação ao trabalho de Tite, que está com 100% de aproveitamento com a seleção após oito partidas. Mas a trajetória do técnico gaúcho no comando do Brasil ainda está no início, e como ela ficará gravada na memória do público depende mais dos últimos atos de Tite no comando do Brasil do que de seus passos iniciais.

Em 2013 era outro o técnico que vivia um momento de lua-de-mel com a imprensa e a torcida brasileira. Após conquistar a Copa das Confederações daquele ano com uma vitória na final sobre a então campeã do mundo Espanha por 3 a 0 em pleno estádio do Maracanã (o palco da final da Copa do Mundo de 2014), Luiz Felipe Scolari, o Felipão, conquistava o status de técnico que poderia levar o Brasil ao tão sonhado título de um Mundial de futebol em casa (possibilidade esta que já havia sido desperdiçada na Copa de 1950).

Felipão havia assumido o comando do time do Brasil em novembro de 2012, quando a equipe era criticada pelo fraco futebol apresentado. A CBF decide então chamar de volta para o comando da seleção os dois últimos técnicos que levaram o Brasil a títulos de uma edição da Copa, Felipão em 2002, e Carlos Alberto Parreira (agora no cargo de coordenador técnico), em 1994.

Com a conquista da Copa das Confederações de 2013, a desconfiança em torno do retorno de Scolari e Parreira parece sumir de vez. Porém, a história não termina aí.

A Copa de 2014 chega. Na competição, o Brasil cumpre uma campanha irregular. O ápice da participação brasileira se dá no jogo contra a Alemanha, disputado no estádio do Mineirão e válido pelas semifinais. Nesta oportunidade, acontece o jogo que deixa uma profunda marca na trajetória de Felipão na seleção, a derrota de 7 a 1 para a equipe europeia.

A consequência desta derrota pode ser vista em matérias como a entrevista concedida à “Folha de São Paulo” e publicada no último domingo, 26/03. No decorrer do texto, são abordados diversos momentos da carreira do treinador, tanto no comando de clubes como de seleções.

foto 2
Felipão e sua comissão técnica falam após derrota para a Alemanha na Copa de 2014. Em entrevista à “Folha de São Paulo” Felipão diz ter chorado nos dias pós-7×1. Foto: Ricardo Stuckert/ CBF

Contudo, quando a conversa se volta para a seleção brasileira, o assunto com maior destaque é o 7 a 1 para a Alemanha. O título de 2002 só é citado em uma oportunidade, e pelo próprio Felipão, quando, ao falar do revés de 2014, ele diz que esta conquista é subvalorizada diante de outros triunfos, como o de 1970 e de 1994. Fica evidente que o 7 a 1 é a memória preferencialmente acionada quando o repórter deseja tratar da trajetória de Scolari na seleção brasileira.

Como dito anteriormente, ainda é cedo para dizer que papel Tite ocupará na história da seleção brasileira. Mas, sem dúvida, os últimos atos desta história, em especial se estiverem carregados de uma grande carga dramática, serão determinantes, como foi no caso de Felipão. No caso de um revés no comando da equipe em uma Copa do Mundo, certamente as vitórias iniciais serão esquecidas e as memórias acionadas posteriormente pela imprensa sobre a passagem de Tite pela seleção se voltarão para esta derrota.

Artigos

“Prensa, decime que se siente…”

“Desde manhã que são nossos hóspedes os bravos argentinos que vêm jogar com os nossos foot-ballers três partidas do impressionante e empolgante jogo. O valor dessa visita […] É uma approximação intelligente entre os dous paízes, sem diplomacia mas com a forte correnteza das sympathias que nos arrastam para grandes amisades para os grandes fervores.… Continuar lendo “Prensa, decime que se siente…”

Avalie isto:

Artigos

Segunda parte da entrevista de Zico ao LEME

Juan Silvera, integrante da equipe do Laboratório de Estudos em Mídia e Esporte, teve a honra de entrevistar o maior ídolo da história do Clube do Regatas do Flamengo e um dos grandes nomes do futebol mundial, como parte de sua pesquisa sobre as narrativas da imprensa nas derrotas da seleção brasileira.

Na entrevista, que aconteceu na sede de seu clube, o CFZ, na Barra da Tijuca, Zico falou sobre diversos aspectos inerentes ao futebol: a importância da coletividade e da tática em um time, sua experiência com a seleção brasileira na Copa do Mundo de 1982 e a postura da imprensa em destacar ao extremo derrotas, polêmicas e culpados em campo.

Confira a segunda parte da entrevista de Zico ao LEME, clicando no vídeo:

Artigos

Imprensa e futebol-arte: as narrativas da nossa “essência” futebolística

Em dezembro de 2014, defendi minha dissertação de Mestrado com orientação do professor Ronaldo Helal e que procurava refletir sobre a construção da ideia de que temos um estilo de futebol singular, baseado no talento de nossos atletas. Ampliamos a pesquisa, que inicialmente se limitou as Copas de 1970, 1982, 1982 e 1994, até a… Continuar lendo Imprensa e futebol-arte: as narrativas da nossa “essência” futebolística

Avalie isto:

Artigos

O jogo aberto de Zico

Juan Silvera, integrante da equipe do Laboratório de Estudos em Mídia e Esporte, teve a honra de entrevistar o maior ídolo da história do Clube do Regatas do Flamengo e um dos grandes nomes do futebol mundial, como parte de sua pesquisa sobre as narrativas da imprensa nas derrotas da seleção brasileira. Na entrevista, que… Continuar lendo O jogo aberto de Zico

Avalie isto:

Artigos

Os momentos distintos do esporte na Academia e na Imprensa, segundo Márcio Guerra.

Nesta segunda parte da entrevista de Márcio Guerra ao LEME, o esporte no campo acadêmico e nos veículos de imprensa ocupou um protagonismo na fala do jornalista e pesquisador. E, segundo ele, os momentos de cada uma dessas áreas são bem distintos atualmente. No campo acadêmico, Márcio Guerra demonstra entusiasmo com o crescimento da pesquisa… Continuar lendo Os momentos distintos do esporte na Academia e na Imprensa, segundo Márcio Guerra.

Avalie isto:

Artigos

O novo eldorado do futebol

É início de temporada no Brasil, época na qual proliferam na imprensa esportiva notícias sobre contratações e dispensas de jogadores e técnicos. Durante os últimos anos, em especial a partir da década de 1980, este foi o período no qual muitas equipes brasileiras viam sair seus melhores jogadores para grandes clubes da Europa. Foi assim,… Continuar lendo O novo eldorado do futebol

Avalie isto: