Artigos

“Ritos da Nação” e a cultura do torcer em Copas do Mundo

Daqui a menos de um ano, as emoções da Copa do Mundo nos proporcionarão imagens como as do mini-documentário produzido, em 2006, pelo antropólogo Édison Gastaldo, membro do Grupo de pesquisa “Comunicação e Esporte”. Neste trabalho, Gastaldo mostra, de forma sucinta e objetiva, como o mundial de futebol interfere na nossa cultura sobre vários aspectos durante os 30 dias de jogos

Quatro equipes de filmagem captaram os ritos de interação e expressões da torcida brasileira enquanto acompanhava as partidas da Copa do Mundo de 2006 em bares, restaurantes, praças e outros locais públicos. “Ritos da Nação” sintetiza o “Brasil parado em frente à tela de tv” e a cultura de futebol que é apropriada pela moda, pelo mercado e pelas instituições.

Com a melhora do rendimento da seleção brasileira em campo, a partir do momento em que Tite passou a comandá-la, o ânimo do torcedor passou a ser mais otimista quanto à conquista do hexacampeonato na Rússia. No entanto, em meio à crise identitária do país e a instrumentalização da camisa “amarelinha” para fins políticos para lá de questionáveis em algumas manifestações de rua, como o próprio Édison Gastaldo já ressaltou em entrevista para o blog “Comunicação, Esporte e Cultura”, será que essa tradição de torcer ganhará novos contornos? Ou a paixão pelo futebol brasileiro e o interesse, em tese, comum pelo título atenuará, pelo menos durante um mês de bola rolando,  polarização que tanto prejudica nosso projeto de país e sociedade modernos?

Essa dúvida já é capaz de suscitar inúmeras pesquisas feitas por especialistas e entusiastas sobre o tema na Academia.

Confira abaixo o documentário “Ritos da Nação:

Artigos

Nós evoluímos!

E quem disse que não evoluímos quando o assunto é futebol? Que não aprendemos com os nossos próprios erros? Quem disse que não somos inteligentes? Que não temos a capacidade de nos adaptarmos para evitar a repetição das grandes tragédias? Pois a Seleção Brasileira se mostrou atenta. Leitora do mundo moderno, antenada com as surpresas… Continuar lendo Nós evoluímos!

Avalie isto:

comunicação · Entrevistas

Trabalho do LEME é divulgado no boletim Fronteiras do Conhecimento

A primeira edição do boletim Fronteiras do Conhecimento apresenta em um de seus capítulos o trabalho elaborado pelo Laboratório de Estudos de Mídia e Esporte (LEME). Esta apresentação teve como principais bases as entrevistas concedidas por Ronaldo Helal (co-fundador e coordenador do LEME) e Filipe Mostaro (doutorando e integrante do LEME) ao núcleo de Estudos… Continuar lendo Trabalho do LEME é divulgado no boletim Fronteiras do Conhecimento

Avalie isto:

Artigos

Os mexicanos não são bons de bola (segundo eles mesmos).

Estou no  México. As imagens do país me tocam e desejo saber mais sobre sua história e situação atual. Em uma livraria de sebo da Av. Centenário, Coyoacan, compro vários livros sobre o México, dentre eles “Mañana o pasado: El misterio de los mejicanos” (2011, Ed. Aguilar), escrito por Jorge G. Castañeda, um intelectual político… Continuar lendo Os mexicanos não são bons de bola (segundo eles mesmos).

Avalie isto:

Programas e Documentários

Ritos da Nação

Este vídeo etnográfico, captado simultaneamente pro quatro equipes de filmagem, trata dos ritos interacionais relativos à recepção coletiva de jogos da seleção brasileira na Copa de 2006, em bares, praças, shoppings, universidades, mercados e outros locais públicos em diversas cidades brasileiras. A partir da apropriação de símbolos da nação pelos torcedores, discute-se a relação entre… Continuar lendo Ritos da Nação

Avalie isto:

Artigos

Reflexões sobre nós mesmos

Coincidiu de meu post cair justo no dia de Natal e de ser o último deste ano de 2012. Ano passado, algo semelhante ocorreu e eu escrevi o texto “Um grupo, um blog”. Não saberia interpretar se isso é ou não um bom sinal. O fato é que estou muito feliz em ver o grupo… Continuar lendo Reflexões sobre nós mesmos

Avalie isto:

Artigos

A maratona dos independentes

Por Carolina Diniz Mestranda em Comunicação pela UFPB Há pouco mais de um ano, a comunidade internacional reconheceu o Sudão do Sul como mais novo país no mundo. Em guerra civil entre os anos de 1983 e 2005, o Sudão, até então maior país da África teve sua hegemonia dimensional quebrada com a divisão em… Continuar lendo A maratona dos independentes

Avalie isto: