Artigos

Polêmica e Tapetão: o Campeonato Goiano de futebol no período 1979-1985

A bola saiu pela lateral aos 46 minutos do segundo tempo. O Vila Nova jogava contra o Atlético Goianiense pela rodada final do Campeonato Goiano de 1979. Era o encerramento do hexagonal decisivo. Quem vencesse seria campeão. O jogo estava empatado em 0 a 0 e o empate beneficiava o Vila Nova. E quando a bola saiu pela lateral no finzinho do segundo tempo, o árbitro apitou. Queria apenas marcar a saída de bola, mas apitou forte demais e a torcida entendeu que era o apito final. Invadiu o campo.

Depois de alguns minutos, o campo foi evacuado. Quase todo o time do Atlético, porém, havia corrido para o vestiário. Jefferson de Freitas, o árbitro, determinou aos atleticanos que voltassem a campo. Darci, o capitão do Atlético, respondeu: “Mas eles rasgaram as camisas do pessoal” (Placar, 17.08.1979). O time do Atlético não voltou ao jogo, o árbitro encerrou a partida e a torcida do Vila Nova comemorou (de novo) o tricampeonato. Mas a polêmica era inegável e a Federação Goiana de Futebol (FGF) deveria se posicionar.

Ali começou uma sequência de sete decisões em Goiás que seriam decididas sob o signo da polêmica. Em cinco dessas decisões a disputa extrapolou o campo de jogo e chegou ao famoso tapetão. Parecia uma maldição a pairar sobre o futebol goiano.

E o que foi decidido, afinal, pela FGF a respeito do jogo não encerrado entre Vila Nova e Atlético Goianiense no mês de agosto de 1979? A Federação confirmou o tricampeonato do Vila Nova. Segundo a revista Placar, o mando de campo naquela partida era do Atlético e, por isso, era obrigação do clube ter um conjunto reserva de uniformes em seu vestiário. Havia ainda um segundo argumento: “O estádio Serra Dourada é neutro, portanto não se deu a figura da invasão capaz de provocar anulação de jogo” (Placar, 17.08.1979).

  • 1980: “RESPOSTA AO CALUNIADOR”

A polêmica, no Campeonato de 1980, foram as declarações do técnico do Atlético Goianiense, José Calazans, que acusava os atletas do Vila Nova de jogarem dopados e serem subornáveis. As declarações poderiam suscitar investigações por parte da FGF e até de autoridades policiais. Mas não houve nada desse tipo.

Antes da última rodada do quadrangular final, o Vila Nova tinha sete pontos, enquanto Goiás, Anápolis e Atlético Goianiense tinham cinco. Bastava ao Vila Nova um empate para se tornar tetracampeão. A partida foi contra o Anápolis. Aos 24 minutos do segundo tempo, o vilanovense Roberto Oliveira marcou o único gol do jogo. O técnico campeão, Vail Motta, gritou aos prantos “que aquela era a resposta ao caluniador” (Placar, 05.12.1980).

José Calazans, dois anos depois, se viu envolvido no escândalo da máfia da loteria esportiva. Ficou tão mal visto que em 1989, quando o Atlético Goianiense o contratou novamente para o cargo de técnico, a torcida atleticana protestou. Alguns picharam o muro do estádio Antônio Accioly com frases condenando a contratação. Calazans voltou a atuar como técnico do Atlético em apenas um jogo. Foi demitido após sofrer uma derrota para o Goiás por 2 a 0.

  • 1981: ATLETA IRREGULAR

Em 1981, o Campeonato Goiano passou por uma das situações mais polêmicas de toda a sua história (talvez a mais polêmica). Até hoje o caso é lembrado por torcedores e pela imprensa do Estado.

A Anapolina era a melhor equipe da competição. De janeiro a março daquele ano, havia disputado a Taça de Prata (segunda divisão do Campeonato Brasileiro). Chegou à final, mas foi derrotada na decisão pelo Guarani, clube campeão brasileiro da primeira divisão em 1978. Em abril, quando começou o Campeonato Goiano, todos os torcedores já sabiam que a Anapolina estava entre os favoritos.

No primeiro turno, as expectativas em relação à Anapolina se confirmaram. O time venceu doze jogos, empatou cinco e perdeu apenas três. Ficou em primeiro lugar. Os seis melhores colocados se classificaram para a fase decisiva desse turno. Nessa fase decisiva, a Anapolina decepcionou. Ficou apenas em quarto lugar.

No segundo turno, a Anapolina novamente ficou em primeiro lugar (com treze vitórias, cinco empates e apenas duas derrotas). Dessa vez, não houve classificados para uma fase decisiva, como aconteceu no primeiro turno. Por ser a primeira colocada do segundo turno, a Anapolina se classificou para o quadrangular final.

No terceiro turno, o Goiás surpreendeu. O clube havia se classificado para aquela fase por ter sido o quarto melhor do campeonato após os dois primeiros turnos (empatado em número de pontos com quinto colocado, mas com melhor saldo de gols). Começou o terceiro turno com apenas dois empates, mas depois venceu três jogos seguidos. Em seguida, na sua última partida no turno, empatou com a Anapolina. Foi o bastante para ficar em primeiro lugar, empatado em número de pontos com a própria Anapolina, a segunda colocada. Goiás e Anapolina, assim, estavam classificados para a melhor-de-três que definiria o campeão estadual.

Os três jogos, realizados no estádio Serra Dourada, terminaram empatados. O primeiro em 2 a 2 e os dois últimos em 1 a 1. Encerrado o terceiro jogo, a torcida da Anapolina comemorou, pois seu time havia somado maior número de pontos do que o adversário ao longo do campeonato. O Goiás, porém, recorreu ao Tribunal de Justiça Desportiva. Descobriu que um jogador da Anapolina havia disputado a segunda partida da melhor-de-três em condição irregular e argumentou que, por isso, o empate deveria ser convertido em vitória do Goiás. Segundo a revista Placar, os dirigentes esmeraldinos haviam marcado “um gol de placa” no tribunal:

“(…) conseguiram uma fotocópia do contrato do armador Osmar Lima, da Anapolina, provando que seu vínculo terminara dois dias antes do segundo jogo entre ambos os clubes e que portanto, o atleta não tinha condições de atuar”. (Placar, 18.12.1981)

Goiás e Anapolina jogaram, em todo o campeonato, 54 partidas cada equipe. O Goiás teve 23 vitórias e 19 empates. A Anapolina teve desempenho melhor: 28 vitórias e 19 empates. Mas o campeão goiano de 1981, por decisão judicial, foi o Goiás.

Foto 1981 (1)
Goiás X Anapolina (Placar, 18.12.1981)
  • 1982: INVASÃO DE CAMPO

A última partida do Campeonato Goiano de 1982 teve o mesmo problema da decisão de 1979. A torcida do Vila Nova invadiu o campo no final do jogo. Uma festa que “quase melou a final” (Placar, 24.12.1982), mas que não provocou nenhuma disputa jurídica. Aquele foi o campeonato menos polêmico do período 1979-1985.

Quando teve início a invasão de campo, aos 42 minutos do segundo tempo, o árbitro José Roberto Wright correu para o seu vestiário, mas depois informou aos dirigentes que os últimos minutos deveriam ser jogados. O que parecia quase impossível foi feito: milhares de torcedores foram retirados do gramado e o jogo recomeçou. O placar era de 1 a 1. Poucos minutos depois, veio o apito final e o Vila Nova, que tinha a vantagem do empate naquela partida, se sagrou campeão.

“(…) foram jogados os três minutos finais para um estádio praticamente vazio: a torcida já estava toda nas ruas, iniciando o carnaval que explodiria de vez na tradicional Praça Tamandaré, no centro de Goiânia”. (Placar, 17.12.1982)

  • 1983: SEGUNDO TURNO DECIDIDO ANTES DO PRIMEIRO

O regulamento do Campeonato Goiano de 1983 previa dois turnos. O campeão do primeiro enfrentaria o campeão do segundo na decisão. Um modelo simples. O problema surgiu na semifinal do primeiro turno. A Anapolina, após vencer o primeiro jogo contra o Itumbiara por 2 a 0 e ser derrotada na segunda partida por 2 a 1, contestou essa derrota na Justiça Desportiva.

A final do primeiro turno, então, ficou em suspenso. E o segundo turno teve início.

Três meses depois de iniciado esse segundo turno, estavam definidos os seus finalistas: Anapolina e Goiás. Disputaram a final em duas partidas. Na cidade de Anápolis, a Anapolina venceu por 2 a 0. Em Goiânia, quatro dias depois, o Goiás venceu também por 2 a 0. Na decisão por pênaltis, o Goiás venceu por 5 a 4.

O campeonato já tinha o campeão do segundo turno, mas ainda não havia sido realizada a final do primeiro turno. Essa final seria disputada também por Goiás e Anapolina, já que a Justiça Desportiva decidiu punir o Itumbiara e classificar a Anapolina para a decisão da fase inicial. Assim, três dias depois de disputarem a final do segundo turno, os dois adversários voltaram a campo para disputar a final do primeiro turno. Para quem queria criticar a FGF, essa era a melhor oportunidade.

Na decisão atrasada do primeiro turno, o Goiás voltou a vencer a Anapolina em uma disputa emocionante. E como foi campeão dos dois turnos, sagrou-se campeão estadual daquele ano. Para azedar ainda mais um campeonato que teve andamento tão problemático, os torcedores da Anapolina diziam furiosamente que, no último jogo da competição, o gol do Goiás no tempo regulamentar foi marcado em impedimento, enquanto um gol regular da Anapolina havia sido injustamente anulado.

  • 1984: QUADRANGULAR INTERROMPIDO

No início de 1984, a FGF decidiu aumentar o número de clubes da primeira divisão do Campeonato Goiano (de 8 para 10). Um torneio seletivo foi realizado para definir os novos participantes. Ceres e Goianésia foram os melhores classificados, mas dois outros clubes (Rio Verde e Monte Cristo) recorreram ao Tribunal de Justiça Desportiva (TJD). A FGF, então, decidiu aumentar mais uma vez o número de participantes da primeira divisão. Passaram a ser doze. Um segundo torneio seletivo foi realizado. O Rio Verde, dessa vez, se classificou. O Monte Cristo, não.

Não foi um bom começo. E ficaria ainda pior.

Em julho, começou o campeonato da primeira divisão. Houve dois turnos iniciais. No primeiro, o Goiânia foi o melhor colocado. No segundo, o Vila Nova ficou em primeiro lugar. Além dessas duas equipes, o Atlético Goianiense e o Goiás (esse último beneficiado por uma decisão judicial) também se classificaram para o quadrangular final. O Rio Verde, porém, recorreu ao STJD. Queria ser incluído no quadrangular.

O campeonato passou a ser disputado também nos tribunais. Enquanto isso, os jogos da fase final estavam sendo realizados. No fim de novembro, após uma decisão judicial favorável ao Rio Verde, a FGF decidiu interromper o quadrangular, que já estava quase encerrado.

Concluídos os procedimentos judiciais, a situação ficou assim definida: o jogo Jataiense X Goiás deveria ser realizado novamente (em Jataí). Caso o Goiás vencesse, sua classificação para o quadrangular final estaria confirmada e a competição poderia seguir adiante. O Goiás, porém, foi derrotado por 3 a 1. Essa resultado tirou o time do quadrangular e colocou o Rio Verde em seu lugar. A fase final deveria ser reiniciada.

A partir daí, a competição se desmoralizou. O Jornal do Brasil disse que o campeonato estava “mais confuso do que nunca” (Jornal do Brasil, 05.12.1984) e a revista Placar afirmou que era o “mais bagunçado de todos os campeonatos já realizados em Goiás (Placar, 28.12.1984).

“É pouco provável que o público prestigie o caos em que se transformou o futebol goiano”. (Jornal do Brasil, 05.12.1984)

No novo quadrangular final, o Vila Nova jogou cinco partidas. Empatou a primeira e venceu as outras quatro. Tornou-se campeão goiano antecipadamente e, assim, a FGF aproveitou para cancelar a última rodada do quadrangular. Foi o fim deprimente de um campeonato que deixou lembranças melancólicas.

Foto 1984
Vila Nova X Rio Verde (Placar, 28.12.1984)
  • 1985: DESCONGESTIONANTE NASAL

No Campeonato Goiano de 1985, o primeiro turno teve doze equipes participantes. As seis melhores colocadas passaram à fase decisiva. As seis piores disputaram entre si quais seriam as duas rebaixadas.

Na fase decisiva, o Atlético Goianiense foi implacável. Venceu sete partidas, empatou três e não perdeu nenhuma. Ao vencer o seu penúltimo jogo, chegou a 16 pontos, enquanto o Goiânia (segundo colocado) tinha apenas 10. O Atlético não podia mais ser alcançado na tabela de classificação, mas precisou esperar mais alguns dias para comemorar o título de campeão estadual. Ainda havia um processo judicial a enfrentar.

O jogador Célio, do Atlético Goianiense, foi acusado de atuar dopado. O seu exame havia indicado a presença de substâncias proibidas.O Goiás foi à justiça desportiva. Célio dizia que havia usado um conhecido descongestionante nasal (chamado Afrin), que interferiu no exame.

A defesa de Célio alegava irregularidade na coleta do material para o exame. O TJD, por 7 votos a 0, acatou a alegação e decidiu arquivar o processo. Os torcedores atleticanos não perderam a oportunidade de fazer chacota com o rival: “O Goiás sempre ganhou no tapetão. (…) Mas até lá ele perdeu feio” (Placar, 13.12.1985). A comemoração da torcida campeã começou à noite, depois dessa decisão judicial, e não após uma vitória dentro de campo. No dia seguinte, Atlético Goianiense e Goiás se enfrentaram. Deu empate: 1 a 1.

Foto 1985
Atlético Goianiense X Goiás (Placar, 01.01.1986)

1986: “UM CAMPEONATO SE GANHA NO CAMPO”

Em 1986, o futebol de Goiás “voltou ao normal”. O Campeonato Goiano transcorreu normalmente, sem grandes disputas judiciais. As seis melhores equipes do primeiro turno se classificaram para o hexagonal final. Nessa última fase da competição, Goiás e Atlético Goianiense disputaram a taça de campeão até o fim. Na última rodada, defrontaram-se no estádio Serra Dourada. O Goiás tinha 13 pontos e o Atlético 12, ou seja, quem vencesse seria o campeão do hexagonal e o empate beneficiava o Goiás. O Atlético Goianiense precisava ser campeão do hexagonal para forçar uma decisão do campeonato (em melhor-de-três) contra o próprio Goiás, que havia sido campeão do primeiro turno.

Nesse jogo decisivo, os atleticanos marcaram o primeiro gol aos 10 minutos do segundo tempo. Mas o Goiás virou o placar. Venceu por 2 a 1 e, como campeão do primeiro turno e do hexagonal, sagrou-se campeão estadual de 1986. A revista Placar comentou com satisfação o bom andamento do campeonato: “Um campeonato se ganha no campo. Finamente, depois de três anos, este princípio básico do futebol foi respeitado em Goiás. Desde 1983, quem acabava decidindo o título eram os juízes dos tapetões. Agora, foi diferente” (Placar, 12.09.1986).

À medida que o futebol goiano avançasse em sua profissionalização, essas turbulências tendiam a desaparecer. Afinal, a profissionalização transforma clubes e Federações em empresas esportivas, de viés capitalista, o que leva à adoção de práticas menos instáveis. O padrão profissional é o do bom funcionamento empresarial, ou seja, da busca por maior eficiência, sem confusões e crises.

Esse desenvolvimento, porém, não seria dos mais rápidos em Goiás.

O futebol goiano adotou oficialmente o profissionalismo em 1962. Duas décadas depois, ainda se mostrava dramaticamente bagunçado do ponto de vista administrativo. Essa situação revela como era difícil implantar realmente o profissionalismo esportivo em uma região considerada atrasada e periférica. Dificuldade percebida até o primeiro ano do novo século.

Os vilanovenses não esquecem aquele ano de 2000, quando o seu clube decidiu não disputar o segundo jogo da final do segundo turno. Era um protesto contra a arbitragem do primeiro jogo daquela final. Atitude muito emocional (amadora) e pouco profissional. A FGF, alguns dias depois, determinou o cancelamento de todas as partidas do time na competição. Assim, o Vila Nova ficou em último lugar na classificação final do campeonato (com nenhum ponto) e foi rebaixado para a segunda divisão.

Artigos

Um selinho do gordo: preconceitos de uma imprensa esportiva

O que faz de um jogador de futebol um craque? Certamente, você vai responder títulos, gols, dribles, talento. Isso, Walter, atacante do Goiás, um dos destaques deste Campeonato Brasileiro, tem. Agora, se a resposta for a forma física, “padrão Fifa” de beleza e saúde colocada pela mídia, essa ele dispensa. O atacante de 24 anos… Continuar lendo Um selinho do gordo: preconceitos de uma imprensa esportiva

Avalie isto: