Artigos

As suecas: uma conquista feminina do mundo esportivo masculino

Por David M.K. Sheinin* e César Torres**

Como sempre, no âmbito do Turismo de Autoestrada (Turismo de Carretera – TC), o Grande Prêmio Standard de 1962 produziu triunfos heroicos e decepções profundas. Apesar das famosas marcas estadunidenses Ford e Chevy desaparecerem na rota Pilar-Villa Carlos Paz, o grande condutor Jorge Cupeiro conseguiu um tempo digno em sua Pontiac. Com uma velocidade média de 121 km/hora, Ricardo “O Gordo” Sauze – vestido de bombacha e tênis – liderou um trio de Alfa Romeos Giulietta TI que encabeçaram a categoria “D” do evento. Por sua vez, Gastón Perkin pilotou sua Renault Gordini a 150 km/hora nas partes retas da estrada, ganhando a primeira etapa da competição. Mas a grande surpresa do evento foi a vitória geral de duas mulheres suecas, Ewy Rosqvist e Ursula Wirth.

O TC era, e ainda segue sendo, um mundo de homens, onde se forja e se reproduz a identidade social masculina. Milhares de fanáticos seguiam cada corrida, à beira da estrada ou em suas casas, por meio das famosas transmissões de rádio do jornalista Luis Elías Sojit, nas páginas do El Gráfico e no El Deporte es Así, do Canal 7, com Dante Panzeri, Ernesto Lazzatti, Raúl Goro e Ulises Barrera, e outros programas de televisão. O TC associou a masculinidade argentina com o trabalho mecânico, o perigo da rota e o heroísmo do condutor. Em 1947, quando o carro de Juan Manuel Frangio capotou durante o Grande Prêmio da América do Sul (mais conhecido como “O Buenos Aires-Caracas”), seu acompanhante Daniel Urrutia morreu tragicamente. Pedro Fangio saiu do acidente caminhando ileso e sua coragem confirmava sua lenda quase mítica.

Juan M. Fangio e Daniel Urrutia (Foto: http://www.jmfangio.org)

Mais que qualquer outro piloto, os irmãos Emiliozzi, Dante e Torcuato, definiram o arquétipo do homem do TC. Competidores ferozes, durante a semana trabalhavam em sua oficina de Olavarría, fazendo milagres mecânicos. Aos seus seguidores, lhes fascinava a imagem de uma oficina onde os irmãos mergulhavam sob o capô, despretensiosamente, dando as boas-vindas a qualquer visitante interessado nas reformas mecânicas mais recentes, às vezes comendo um assado com amigos. Todo fanático sabe que, em 1949, os irmãos adaptaram um motor Ford a um novo sistema de válvulas aéreas – cinco anos antes da Ford desenvolver um modelo parecido. Em 1958, durante uma corrida na cidade de Mercedes, entrando em uma curva com uma velocidade muito alta, os pilotos capotaram o carro. Um grupo de fãs tentaram ajudar Dante, mas acabaram prejudicando sua coluna vertebral. Enquanto Torcuato sofreu apenas ferimentos leves, um médico local o vacinou contra tétano, uma doença comum das fazendas de porcos da região. O acidente contribuiu para consagrar os Emiliozzi como pilotos valentes nas memórias dos fãs.

Os irmãos Emililozzi (Foto: Facebook Museo Municipal Hermanos Emiliozzi)

O mundo masculino do TC foi abalado em 1962 pela chegada das pilotas suecas, cujas trajetórias automobilísticas eram praticamente desconhecidas na Argentina. Suas passagens pelo rali europeu haviam sido breves. Em meados dos anos cinquenta, tanto Rosqvist como Wirth trabalharam como ajudantes veterinárias em diferentes zonas rurais da Suécia. Cada uma gostava de dirigir as longas distâncias entre as granjas. As duas começaram a competir em rali e em 1960 formaram uma equipe. Nesse mesmo ano, Rosqyst firmou cum contrato para dirigir carros Volvo e, em 1962, mudou para a equipe Mercedes-Benz, a qual representou com Wirth na Argentina, pilotando um modelo 220-SE. Foram o primeiro binômio feminino que competiu em um Grande Prêmio argentino. Inesperadamente, para os fãs argentinos, elas não apenas ganharam, como dominaram a competição com uma marca de carros quase desconhecida no mundo do TC. Ganharam em cada uma das seis etapas da rota contra condutores como Cupeiro e Perkins e com um novo recorde de velocidade média na estrada (127 km/hora). Anos mais tarde, ambos os corredores [Cupeiro e Perkins] participaram nas 84 horas de Nürburgring, formando parte da famosa “Missão Argentina” dirigida pelo designer de carros Oreste Berta. Com sua vitória, Rosqvist e Wirth romperam a aura masculina do TC, ainda que apenas momentaneamente, chamando atenção da mídia argentina.

Ewy Rosqvist com uma Ferrari, 1957

As duas condutoras suecas não foram as primeiras esportistas celebradas na Argentina. Por exemplo, nos anos vinte, a nadadora Lilian Harrison foi seis vezes capa do El Gráfico por suas proezas aquáticas. Nos anos trinta, Jeannette Campbell (natação) e Lotte Standl (atletismo), entre outras, também foram capa desse jornal. Em 1951, a mídia argentina exaltou o desempenho das tenistas Mary Terán de Weiss (campeã no torneio individual) e Felisa Piédrola de Zppa (ganhadora do torneio de duplas junto com Mary) nos Jogos Panamericanos. No ano seguinte, tomaram nota da morte de Edith Noble, capitã da equipe de hóquei sobre grama do Club Atlético Belgrano. Em 1953, Ana María Festal ganhou três eventos no campeonato nacional de natação e, em 1959, a revista Mundo Deportivo ressaltou os “vários recordes” da nadadora Silvia Hofmeister. Entretanto, nas páginas do Mundo Deportivo, El Gráfico, as revistas de temas gerais e os jornais, as imagens mais comuns de mulheres não foram de atletas, mas sim de modelos, atrizes e cantoras – como Elder Barber ou Olinda Bozán. Quando eram mencionadas, não era raro que as esportistas recebessem comentários sexualizados. Dessa maneira, Terán de Weiss triunfou, mas em uma categoria feminina. Noble era “magra, loira, veloz”. Brillaba, segundo El Gráfico, por sua personalidade “simpática e bondosa” e por “seu rosto suave, com sorriso terno, sua figura ágil e graciosa, seu modo de ser tão cativante”. As quatro linhas sobre Hofmeister no Mundo Deportivo apareceram abaixo de uma foto da nadadora em traje de banho. A imagem ocupou quase uma página inteira.

El Gráfico, 31 de outubro, 1962

A conquista automobilística de Rosqvist e Wirth não teve precedentes no mundo masculino do esporte argentino. Na Suécia e em outros países europeus, a maioria dos meios de comunicação trivializaram a vitória com comentários sobre a beleza. “Anjas da Estrada”, anunciou The Irish Times, por exemplo. Mas na Argentina muitos jornais qualificaram as campeãs sem prestar maior atenção aos termos padrões para escrever sobre as mulheres no esporte. Ou seja, analisaram o desempenho das corredoras nórdicas focalizando em seus méritos esportivos. Assim, o jornalista Federico B. Kirbus escreveu nas páginas do El Gráfico que Rosqvist e Wirth “conduziram com firmeza e decisão” e que “dominam seu esporte à perfeição”, agregando que a vitória das condutoras suecas foi “um triunfo absoluto”.

Apesar do triunfo absoluto de Rosqvist e Wirth no Grande Premio Standard de 1962 do TC e da atenção que gerou, o progresso em termos de igualdade de gênero tem sido lento no automobilismo argentino. Tamara Vital, fundadora e chefa da equipe Vitarti da categoria Top Race Junior, a primeira formada integralmente por mulheres e que estreou faz poucas semanas, explica essa situação. “Na atualidade, são mais de 150 mulheres correndo em todo o país”, mas somente “há dois anos vem se notando cada vez mais forte a presença da mulher no automobilismo”. Aixa Franke, uma dessas pilotas, declarou que ainda existem homens que “se ofendem quando ela ganha”. O triunfo absoluto de Rosqvist e Wirth, de sessenta anos atrás, será ainda mais absoluto quando essa atitude for banida do automobilismo nacional e as mulheres forem incorporadas integralmente na atividade em condições de igualdade e respeito sincero.


Texto originalmente publicado no site El Furgón no dia 22 de abril de 2021

*David M.K. Sheinin. Doutor em História. Docente na Universidade de Trent.

**César Torres. Doutor em Filosofia e História do Esporte. Docente na Universidade do Estado de Nova York (Brockport).

Tradução: Leticia Quadros e Fausto Amaro

Produção audiovisual

Já está no ar o trigésimo segundo episódio do Passes e Impasses

Acesse o mais novo episódio do podcast Passes e Impasses no Spotify*, Deezer*, Apple PodcastsPocketCastsOvercastGoogle PodcastRadioPublic e Anchor.

O tema do nosso trigésimo segundo episódio é “Ayrton Senna é do Brasil”. Com apresentação de Mattheus Reis e Marina Mantuano, gravamos remotamente com Rafael Duarte Oliveira Venancio, doutor e pós-doutor pela ECA-USP e autor do livro Pilotos Em Uma Curva: Monólogo Teatral Sobre Automobilismo, e Fred Sabino, editor executivo de automobilismo do Grupo Bandeirantes.

O podcast Passes e Impasses é uma produção do Laboratório de Estudos em Mídia e Esporte em parceria com o Laboratório de Áudio da UERJ (Audiolab). O objetivo do podcast é trazer uma opinião reflexiva sobre o esporte em todos os episódios, com uma leitura aprofundada sobre diferentes assuntos em voga no cenário esportivo nacional e internacional. Para isso, contamos sempre com especialistas para debater conosco os tópicos de cada programa.

Você ama esporte e quer acessar um conteúdo exclusivo, feito por quem realmente pesquisa o esporte? Então não deixe de ouvir o trigésimo segundo episódio do Passes & Impasses.

No quadro “Toca a Letra”, a música escolhida foi “Tema da Vitória“, canção instrumental composta pelo maestro Eduardo Sousa Neto.

Passes e Impasses é o podcast que traz para você que nos acompanha o esporte como você nunca ouviu.

Ondas do LEME (recomendações de artigos, livros e outras produções):

História do automobilismo brasileiro – Reginaldo Leme [livro]

Ayrton, o herói revelado – Ernesto Rodrigues [livro]

Equipe

Coordenação Geral: Ronaldo Helal
Direção: Fausto Amaro e Filipe Mostaro
Roteiro e produção: Marina Mantuano, Fausto Amaro e Carol Fontenelle
Edição de áudio: Leonardo Pereira (Audiolab)
Apresentação: Mattheus Reis e Marina Mantuano
Convidado: Rafael Duarte Oliveira Venancio e Fred Sabino

Artigos

ENEA?! Não seria ENEM?!

Uma coisa inédita, em minha vida de assistente (do verbo assistir) , melhor dizendo, de espectador esportivo,  aconteceu recentemente. Eu jamais ouvira o termo “ENEA”. Acredito que a maioria dos leitores deste espaço virtual também nunca o tenham ouvido antes. Pois bem… Eneacampeão = campeão nove vezes CONSECUTIVAS. Pronto, taí o motivo pelo qual eu… Continuar lendo ENEA?! Não seria ENEM?!

Avalie isto:

Artigos

Vettelheim – a consagração do herói

Antes de iniciar a leitura desse texto, cabe prestar atenção ao meu aviso. O post a seguir foi escrito em outubro de 2011. Logo, falta-lhe o ineditismo que sobrou nos últimos posts aqui do blog sobre o Barcelona, o Santos e a final do Mundial. Espero ter compensado esse “defeito” em meu texto ao abordar… Continuar lendo Vettelheim – a consagração do herói

Avalie isto: