Artigos

O menino que queria jogar bola

Estou escrevendo um livro-reportagem que deve ser publicado em dezembro de 2018. Inicialmente em João Pessoa, mas podendo se expandir para quantos lugares houver leitores interessados em conhecer essa história incrível de fé, superação, vida e futebol.

É a história de um menino que sonhava em ser jogador de futebol. É a história de uma criança feliz e (até então) saudável, que era pleno com uma bola no pé, com a camisa de seu Fluminense e de seu Botafogo-PB, calçado com os tênis ou com as chuteiras que lhe faziam parecer um verdadeiro herói.

Mas é a história também de um menino que aos oito anos de idade foi diagnosticado com um tumor maligno no cérebro, com uma mazela que mudaria sua vida para sempre.

O menino, que jogara bola ainda no dia anterior, reclamou de dores de cabeça. Foi levado à oftalmologista para procurar saber se precisaria usar óculos e saiu da clínica diagnosticado com o tal tumor. Dali para fazer os exames que comprovariam a gravidade do problema até a cirurgia passaram-se apenas 48 horas.

Ele foi operado. Curado. Mas teve um outro problema decorrente do primeiro. Voltou ao hospital, desta vez apresentando um quadro clínico infinitamente mais grave e aparentemente definitivo.

Chegou a morrer. Ou quase, visto que ressuscitou. Ficou em coma profundo, enfrentou a morte por longos dias de angústia, mudou as vidas das pessoas próximas que presenciaram indefesos tudo aquilo que ele enfrentou. Enfrentou, e venceu, bravamente, ainda que naquele primeiro momento ninguém soubesse que de fato venceria.

Pois, é sobre essa história que (em paralelo ao meu mestrado, onde pesquiso torcidas de futebol na Paraíba) estou debruçado há alguns meses e que devo seguir trabalhando até o dia do lançamento. Estou na fase de escrita. Mas já entrevistei médicos, fisioterapeutas, familiares, amigos, treinadores.

Estou tão impactado com tudo o que venho vivendo, descobrindo e refletindo, que uso este espaço como uma espécie de sala de terapia para falarmos de nossas angústias, nossas emoções, nossos temores. E sobre futebol também.

Futebol de valor imensurável na mente e no coração de muitos brasileiros. De importância vital para aquele menino. Futebol aqui como símbolo da sobrevivência, da teimosia, do heroísmo, da insistência em se manter vivo. Como algo muito mais profundo do que apenas um jogo de bola. Algo que, ao mesmo tempo, é igualmente simples e profundo.

Futebol como símbolo maior de um menino que simplesmente ousou se negar a morrer para poder por bem mais tempo viver a inexplicável sensação de liberdade, de amor e de felicidade que só uma partida de futebol pode proporcionar.

depositphotos_20023491-stock-illustration-a-little-boy-playing-soccer
Fonte: Depositphotos

Porque ele lutou. Brigou. Bradou. As vezes no silêncio mórbido do coma. Às vezes nos gritos de dor das sessões de fisioterapia. As vezes nas comemorações alegres em meio às pequenas conquistas. Para, como prêmio maior de tanto esforço, poder uma vez mais desafiar as previsões médicas.

Não era um menino qualquer. Era o menino que queria jogar bola. Ou voltar a jogar, que seja. E isso não é pouco na mente apaixonada do boleiro.

Correr atrás de uma bola, marcar forte um adversário, abraçar o companheiro no extravasamento incontido do gol, vivenciar um esporte mágico que move multidões, mas move também o imaginário de uma criança que estava decidida a não perder para sempre aquelas sensações mágicas.

De certa forma, é um livro também sobre milagres. E o milagre pode estar num chute na bola que faz o coração voltar a pulsar forte. Emocionando para sempre pais, avós, amigos que sonhavam poder voltar a ver o menino reverenciar o futebol.

Afinal, o livro é sobre um menino que foi dado como morto e que, depois de sobreviver, disseram que ele nunca mais teria uma vida normal. Hoje tem. E o que lhe movia a cada momento na dolorida recuperação foi o sonho imensurável de um dia voltar a jogar bola. Hoje joga.

Anúncios
Artigos

As identidades – e os sofrimentos – são contextuais

Ao longo de toda a Copa do Mundo da Rússia, mas principalmente desde o último dia 6 de julho, quando a Bélgica eliminou o Brasil da principal competição mundial de futebol, ganhou força nas redes sociais (ao menos entre o público local) um discurso crítico contra o brasileiro que estava sofrendo com a Seleção e… Continuar lendo As identidades – e os sofrimentos – são contextuais

Avalie isto:

Artigos

As torcidas, as faixas, os territórios

Nada é mais importante para uma torcida organizada de futebol do que suas faixas. Grandes, coloridas, com seus nomes estampados e cuidadosamente desenhados. A bandeira, a camisa, o boné, as músicas têm sua importância simbólica, claro. Mas o caráter fixo da faixa, presa sempre no alambrado do estádio, posicionada para ficar o mais visível possível… Continuar lendo As torcidas, as faixas, os territórios

Avalie isto:

Artigos

O sonho olímpico morreu

Iniciozinho de manhã no Rio de Janeiro. Zona Sul da cidade. Uma operação policial está em curso. Desta vez, contudo, não se trata de nenhuma mobilização das Forças Armadas na Rocinha para prender algum líder do tráfico carioca. O alvo, desta vez, é uma outra quadrilha. De chefes bem mais ricos. Mais organizados. Mais poderosos.… Continuar lendo O sonho olímpico morreu

Avalie isto:

Artigos

Para nunca mais…

Que orgulho. Pai e filho, abraçados, comemoram juntos mais um título. O terceiro em cinco anos, de um clube que de repente aprendeu a ser grande e temido. Era o sexto título da história, sendo que metade deles apenas naquelas poucas temporadas. Pai e filho, abraçados de vermelho e branco, transformados em apenas um ao… Continuar lendo Para nunca mais…

Avalie isto:

Artigos

O amor e a tristeza unem

Ele chora. E seu gesto chama a atenção do filho pequeno. Ambos estão juntos de novo. No estádio que tantas vezes foram em companhia um do outro. Na arquibancada que desde cedo o pai fez o filho se acostumar como sendo uma espécie de segunda casa. Ele chora. E o gesto impacta o filho. Que… Continuar lendo O amor e a tristeza unem

Avalie isto:

Artigos

Na Copa de Rugby, eu sou é Argentina

Como desafio pouco é besteira, em um mesmo texto eu vou me propor a dois desafios ao amigo leitor, que como bom brasileiro é apaixonado por futebol e nutre uma eterna rivalidade contra a Argentina. Pois eu quero me propor a convencê-los a acompanhar a Copa do Mundo de Rugby, que começou a ser disputada… Continuar lendo Na Copa de Rugby, eu sou é Argentina

Avalie isto: