Artigos

“O empoderamento feminino motivou a Rede Globo a transmitir a Copa do Mundo Feminina esse ano”, comentam Cíntia Barlem e Emily Lima

Depois de oito edições do campeonato, a emissora tem como objetivo ser parceira na luta das mulheres por direitos iguais

A Copa do Mundo Feminina de futebol será transmitida pela Rede Globo pela primeira vez na história. O campeonato mundial feminino existe desde 1991 e assim como o masculino, esse torneio acontece de quatro em quatro anos. Porém, por muito tempo a Copa do Mundo Feminina foi ignorada pela maioria dos veículos tradicionais da mídia. Em 2015, na última edição da competição, apenas duas emissoras: SporTV e TV Brasil transmitiram os jogos e mesmo assim, apenas os da seleção brasileira.

Para 2019, a promessa é que haverá uma cobertura maior, no Brasil, da competição, ainda que em um nível inferior em relação à modalidade masculina profissional, em que todas as partidas da Copa do Mundo são transmitidas.

Os jogos da fase de grupos são divididos em três rodadas: a primeira rodada acontecerá do dia 07 a 11 de junho, os jogos da segunda rodada serão do dia 12 a 16 de junho e os da terceira estão marcados para os dias 17, 18, 19 e 20 de junho. A emissora transmitirá os jogos dessa fase nos seguintes horários:

– Grupo A:

França x Coreia do Sul – 07 de junho às 17h

Noruega x Nigéria – 08 de junho às 17h

Nigéria x Coreia do Sul – 12 de junho às 11h

França x Noruega – 12 de junho às 17h

Nigéria x França – 17 de junho às 17h

Coreia do Sul x Noruega – 17 de junho às 17h

– Grupo B:

Alemanha x China – 08 de junho às 11h

Espanha x África do Sul – 08 de junho às 14h

Alemanha x Espanha – 12 de junho às 14h

África do Sul x China – 13 de junho às 17h

China x Espanha – 17 de junho às 14h

África do Sul x Alemanha – 17 de junho às 14h

– Grupo C:

Austrália x Itália – 09 de junho às 09h

Brasil x Jamaica – 09 de junho às 11h30min

Austrália x Brasil – 13 de junho às 14h

Jamaica x Itália – 14 de junho às 14h

Austrália x Jamaica – 18 de junho às 17h

Brasil x Itália – 18 de junho às 17h

– Grupo D:

Inglaterra x Escócia – 09 de junho às 14h

Argentina x Japão – 10 de junho às 14h

Japão x Escócia – 14 de junho às 11h

Inglaterra x Argentina – 14 de junho às 17h

Japão x Inglaterra – 19 de junho às 17h

Escócia x Argentina – 19 de junho às 17h

– Grupo E:

Canadá x Camarões – 10 de junho às 17h

Nova Zelândia x Holanda – 11 de junho às 11h

Holanda x Camarões – 15 de junho às 11h

Canadá x Nova Zelândia – 15 de junho às 17h

Camarões x Nova Zelândia – 20 de junho às 14h

Holanda x Canadá- 20 de junho às 14h

– Grupo F:

Chile x Suécia – 11 de junho às 14h

Estados Unidos x Tailândia – 11 de junho às 17h

Suécia x Tailândia – 16 de junho às 11h

Estados Unidos x Chile – 16 de junho às 14h

Suécia x Estados Unidos – 20 de junho às 17h

Tailândia x Chile – 20 de junho às 17h

Em entrevista exclusiva à Clara Quintaneira, a técnica de futebol Emily Lima e a comentarista do SporTV Cíntia Barlem falaram sobre o atual cenário do futebol feminino. Para elas, a luta das mulheres por direitos iguais é vista como o principal motivo que levou a Rede Globo a transmitir pela primeira vez a Copa do Mundo Feminina.

O fato de o campeonato mundial feminino ser transmitido em todos os estados gera visibilidade e protagonismo dessa modalidade. Cíntia comenta que mesmo com o atual momento ruim da seleção feminina, a transmissão é importante.

“Assim como a gente tem que criar ídolos, tem que criar vilões. E só mostrando até mesmo as derrotas para se debater e se importar com a seleção feminina de todo modo.”, comenta Cíntia.

Emily pontua que o grande impacto da transmissão pode ir além dos gramados envolvendo diversas esferas da modalidade e contribuindo diretamente com o desenvolvimento e o financiamento de times.

“É claro que impacta sim, uma rede nacional como essa faz um impacto muito grande positivamente e isso está diretamente relacionado no desenvolvimento, porque envolve patrocinador, envolve clube, envolve federação, envolve muita coisa.”, disse Emily.

A próxima Copa do Mundo acontece na França, entre 7 de junho e 7 de julho de 2019. O sorteio dos grupos aconteceu no dia 08 de dezembro de 2018, com o Brasil ficando no Grupo C ao lado de Austrália, Itália e Jamaica.

O Brasil nunca chegou a ganhar a Copa do Mundo feminina. Os melhores resultados foram obtidos nas participações em 2007, quando disputou a final e perdeu para a Alemanha por 2 a 0, e em 1999, quando ficou em terceiro lugar ao ganhar da Noruega nos pênaltis.

copa-do-mundo-feminina-globo
Jogadoras da Seleção Brasileira que disputarão na Copa do Mundo Feminina desse ano.
Anúncios
Artigos

Laís: para sempre uma lenda

Ex-jogadora e técnica de basquete, Laís Elena Aranha da Silva, foi vítima de um câncer de mama e faleceu na terça-feira, dia 12, em Santo André, um dia após completar 76 anos de vida. É impossível não associar a história de Laís Elena com o basquete brasileiro, especialmente com a modalidade feminina. Enquanto jogadora e como armadora,… Continuar lendo Laís: para sempre uma lenda

Avalie isto:

Artigos

Marta Vieira da Silva, a Rainha do futebol

Em 2018, a jogadora Marta Silva ergue pela sexta vez em sua carreira o prêmio “The Best” da Fifa. A brasileira ganhou esse trófeu, ininterruptamente, de 2006 a 2010. Após 8 anos, ela recebe o sexto troféu e se torna a maior vencedora, da categoria homem ou mulher, do prêmio individual na história do futebol.… Continuar lendo Marta Vieira da Silva, a Rainha do futebol

Avalie isto:

Artigos

Mais que uma disputa de tênis

O filme A Guerra dos Sexos (2017), dirigido por Jonathan Dayton e Valerie Faris, narra uma disputa de tênis entre o ex-campeão Bobby Riggs (interpretado por Steve Carell) e a líder da classificação mundial Billie Jean King (interpretada por Emma Stone). Essa partida de tênis vira centro de um debate global sobre igualdade de gêneros. Influenciados… Continuar lendo Mais que uma disputa de tênis

Avalie isto:

Artigos

Todas as mulheres gritam em uma só voz

Apesar de poucos meios de comunicação terem noticiado que a seleção feminina brasileira de futebol foi heptacampeã da Copa América, dois importantes episódios recentes mostraram a força da representatividade da mulher no esporte, especialmente no futebol. O primeiro deles foi a imagem da torcedora argentina Vanessa que amamentava a filha Florencia enquanto assistia ao jogo… Continuar lendo Todas as mulheres gritam em uma só voz

Avalie isto:

Artigos

Esporte como fenômeno sociocultural: resenha da clássica obra “O que é sociologia do esporte”

O esporte ganhou outra dimensão a partir do século XX. Se antes estava restrito a parcelas específicas da população, ao longo desse período, se tornou acessível às massas. O esporte conquistou popularidade e, hoje, não restam dúvidas de que se trata de um fenômeno social que impacta a vida cotidiana de todos nós. De acordo… Continuar lendo Esporte como fenômeno sociocultural: resenha da clássica obra “O que é sociologia do esporte”

Avalie isto:

Artigos

Machismo, futebol e jornalismo

Após o assédio contra a repórter de TV do Esporte Interativo Bruna Dealtry durante a transmissão do jogo do Vasco, na última quarta, dia 14, me senti no dever de falar sobre a posição da mulher perante o machismo no futebol e no jornalismo. Outro caso recente foi o da jornalista Renata de Medeiros, da… Continuar lendo Machismo, futebol e jornalismo

Avalie isto: