Artigos

Quem venceu as invencíveis do Esporte Clube Radar?

Estamos em época de decisão do Campeonato Brasileiro de futebol feminino (Corinthians e Internacional se enfrentam na final) e, mais uma vez, haverá bons debates sobre o desenvolvimento profissional dessa prática esportiva no país. Quanto o futebol feminino brasileiro já avançou? Em que velocidade pode, realmente, continuar avançando? O quanto a CBF deve ajudar?

Nesses debates, inevitavelmente fala-se no que já foi feito, ou seja, comentam-se os êxitos do passado. E logo surge a lembrança do Esporte Clube Radar, o time que foi um fenômeno do futebol feminino brasileiro na década de 1980.

Mas já se falou muito sobre a hegemonia quase absoluta do Radar naquela época. Vamos variar um pouco, então. Falemos daqueles que desafiaram aquela hegemonia e ousaram vencer o time que foi hexacampeão brasileiro de 1983 a 1988.

O Radar nunca foi derrotado?

“O Radar jamais perdeu uma partida”. Essa é a lenda que consagra a imagem do time imbatível. No filme-documentário sobre a equipe (“Radar! Um time! Uma Nação!”, direção de Douglas Lima e Jefferson Rodrigues), é dita uma frase com esse tom de invencibilidade: “Que eu me lembre, no Radar, nós nunca perdemos um jogo”.

Mas está registrado: o Radar foi derrotado, sim. Poucas vezes, mas foi.

O Radar foi derrotado duas vezes?

Na internet, é comum ler que o Radar foi derrotado apenas duas vezes. Alguns sites, porém, corrigem essa informação: foram duas derrotas nas 71 partidas internacionais, não no total de partidas disputadas pela equipe.

As duas derrotas internacionais foram sofridas diante de equipes dos Estados Unidos. A primeira foi no ano de 1985, em um “Mundialito” disputado na cidade de Cabo Frio (Rio de Janeiro). O Radar, representando o Brasil, foi derrotado por uma equipe chamada Ajax Soccer Club (da Califórnia), que representava os Estados Unidos. O resultado foi 1 a 0.

A segunda derrota, em 1986, aconteceu em outro “Mundialito”, disputado na Itália. Dessa vez, não houve uma equipe representando os Estados Unidos. A própria seleção norte-americana disputou o torneio e venceu o Radar (que novamente representava o Brasil) pelo placar de 2 a 1.

Atletas do Ajax Soccer Clube, que venceu o Radar no Mundialito de 1985, em Cabo Frio (Revista Placar, 22/02/1985)

O Radar foi derrotado quatro vezes? Ou cinco?

Em 1996 (sete anos depois do Radar encerrar suas atividades), uma reportagem da revista Placar informou que a equipe havia sofrido, ao todo, “apenas quatro derrotas em trezentas partidas disputadas” (edição 1119). Então, seriam as duas derrotas internacionais já citadas e outras duas contra equipes brasileiras. A própria revista Placar, em outra edição (n. 767), já havia informado quais eram essas equipes: o Bangu e a seleção do Pará.

Acontece que a mesma revista Placar também já citou cinco derrotas do Radar, não quatro. Essa informação está na edição 848, de agosto de 1986. Pode ter sido um equívoco da revista. Ou há uma quinta derrota desconhecida do Radar em sua vitoriosa história?

Problema grave para quem quer pesquisar esse assunto é a falta de fontes. Os feitos do Radar foram muito mal registrados. O clube foi hexacampeão brasileiro, mas sua história não está assentada nos arquivos da Federação de Futebol do Rio de Janeiro, da CBF e de várias outras instituições. Não se sabe com exatidão se o Radar foi derrotado quatro, cinco ou quantas vezes mais. É nesse ambiente nublado pela inexatidão que surge a versão lendária do “time que nunca perdeu” ou que perdeu apenas duas vezes. Versão repetida várias vezes e, naturalmente, absorvida por parte da imprensa e pela internet, mesmo que as escassas fontes existentes a contrariem.

Sobre a derrota do Radar diante da seleção do Pará, quase nada se sabe. Poderia (ou deveria) ser louvada pelos futebolistas paraenses como uma das vitórias mais gloriosas do futebol de seu Estado, mas o feito, lamentavelmente, caiu em esquecimento.

Já a derrota diante do Bangu foi muito melhor registrada. 

Bangu x Radar em 1983

Em 1983, o futebol feminino foi regulamentado pelo Conselho Nacional de Desportos (CND). Antes, era uma prática formalmente ilegal. Depois da regulamentação, surgiu uma onda de interesse e entusiasmo. No mesmo ano, foi realizada a primeira Taça Brasil de futebol feminino e, em seguida, o primeiro campeonato carioca. A imprensa, animada, noticiou bastante.

Na Taça Brasil, o Radar foi campeão com certa facilidade. Disputou apenas duas partidas e não levou nenhum gol. Na decisão, venceu por 5 a 0 a equipe do Ponto Frio, de Goiás (uma partida que terminou em pancadaria e expulsão de todas as jogadoras da equipe goiana). No campeonato carioca, foi diferente: o bicheiro Castor de Andrade, patrono do Bangu Atlético Clube, decidiu montar um time capaz de se impor perante o Radar. A competição, com duas equipes fortes, tornou-se interessante.

O Radar, invicto, foi o campeão do primeiro turno. Continuou invicto no segundo turno, mas empatou com seus adversários em quatro partidas e o campeão foi o Bangu, que venceu mais e somou mais pontos.

Assim seria a decisão: o campeão do primeiro turno contra o campeão do segundo, em melhor-de-três. Na primeira das três partidas decisivas, o Bangu venceu por 1 a 0. Segundo o Jornal dos Sports, aquela foi a primeira derrota sofrida pelo Radar desde a sua fundação. Castor de Andrade, certamente, se orgulhou muito pela vitória do seu clube. Mas o título de campeão carioca feminino ficou com o Radar, que venceu a segunda partida por 1 a 0 e a terceira por 3 a 0. 

Para piorar, a disputa entre Bangu e Radar que se tornou mais conhecida em 1983 não foi nenhuma das três partidas decisivas do campeonato carioca. Foi a que decidiu o primeiro turno, semanas antes. Terminou com uma invasão de campo e perseguição feroz ao árbitro Ricardo Durans. Os perseguidores eram todos ligados ao Bangu. Até Castor de Andrade correu atrás de Durans, que foi agredido e quase terminou linchado. No dia seguinte, o acontecimento foi comentado nos jornais, rádios e TVs de todo o país. O Bangu não foi campeão e ainda ficou mal falado.

Ficou mal falado, mas entrou na galeria heroica dos poucos times femininos que conseguiram vencer o Radar.

Se o Radar ostentava com orgulho a imagem de time imbatível, imagine o quanto podem se orgulhar aqueles que, desafiando a lógica, venceram o time invencível.

Perseguição ao árbitro Ricardo Durans (Jornal dos Sports, 13/10/1983)

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s