Artigos

Piscinas de ondas: mídia, consumo e novas territorialidades do surfe

Frame do comercial do condomínio Praia da Grama. Agência Ginga.

Esportes considerados de aventura, como o surfe, são esportes que tendem a expandir o espaço esportivo, pois usualmente não são praticados em ambientes fechados ou artificiais, como as quatro linhas de um campo de futebol (MASCARENHAS, 2003). Por exemplo, a descoberta de novas ondas em novos picos[1] é um fato gerador de motivação para os surfistas ao apresentar novos desafios e até novos perigos, e essa busca contínua está arraigada à cultura do surfe que foi eternizada no filme de 1964 chamado The Endless Summer, assim como em uma das campanhas publicitárias mais emblemáticas do esporte, a The Search, da empresa de surfwear Rip Curl.

Em ambos, e em boa parte da comunicação relacionada ao esporte, a narrativa, o cenário e a estética são similares: surfistas aventureiros viajando o mundo atrás de ondas perfeitas, nunca surfadas, sem crowd[2], em paraísos distantes e isolados. Esse sonho faz parte do imaginário de gerações de surfistas, mas pode ser que comece a mudar com a proliferação de piscinas de ondas como a projetada pelo onze vezes campeão mundial Kelly Slater, localizada no Surf Ranch, no interior da Califórnia, ou como as que estão desembarcando no Brasil, a Praia da Grama, inaugurada em julho de 2021, situada em um condomínio de luxo no interior de São Paulo[3], mais duas que estão em fase de construção: a Surfland, que fica em Garopaba, Santa Catarina, outra, também no interior de São Paulo, dentro do condomínio Boa Vista Village, e mais uma que está planejada para começar a ser construída em 2023 na capital de São Paulo, no São Paulo Surf Club.

Estas piscinas são capazes de gerar ondas de até dois metros de altura desenhadas com o auxílio de supercomputadores para que tenham características específicas que se adaptem ao nível de experiência dos surfistas, sejam eles iniciantes, intermediários ou profissionais. Dessa forma, podem ser menores e mais lentas para facilitar o aprendizado, tubulares para proporcionar um tubo limpo e profundo, triangulares e com junções para a execução de aéreos altos e manobras de alta performance. Na Praia da Grama, por exemplo, a tecnologia pode produzir mais de trinta tipos de ondas, com características completamente diferentes entre elas.[4]

Enquanto isso, na natureza a capacidade de gerar ondas perfeitas é reduzida e um dia de mar clássico[5] é raro, pois é necessário um alinhamento de uma série de condições como ondulação, vento, maré e perfil do fundo para que a mágica aconteça[6]. Ou seja, ter ondas semelhantes ou até melhores que as encontradas na natureza a um simples apertar de botões sugere que a busca pela onda perfeita talvez tenha chegado ao fim. Com a novas piscinas de ondas desaparece a incerteza de quando será possível surfar o próximo mar inesquecível, assim como alguns valores historicamente incorporados no imaginário dos surfistas também saem de cena, como a conexão com a natureza e aventura de encontrar mais uma onda espetacular e “selvagem”. Portanto, essas piscinas podem começar a ressignificar a cultura do surfe de uma maneira geral, mas os seus desdobramentos e possibilidades não param por aí.

Em relação aos aspectos do espetáculo esportivo e midiático, o surfe sempre foi um esporte problemático devido a escassez de infraestrutura tecnológica em lugares remotos para realização das transmissões, o caráter impreciso das condições climáticas (qualidade das ondas, que podem impedir a realização da etapa; neblina, que pode dificultar que os juízes enxerguem e julguem os atletas), a imprevisibilidade de incidentes, como casos envolvendo tubarões[7], o julgamento subjetivo e a dificuldade de entendimento pelos fãs. Dirk Ziff, dono da World Surf League, a WSL[8], relatou as dificuldades em um discurso, em 2018:

Esperar que o oceano nos traga as condições ideais tem sido uma questão. Tal como a cultura do acesso gratuito. Os fãs de outros esportes sabem que a transmissão inicia às 3h de sábado à tarde, e não em algum momento dos próximos 12 dias quando o comissário faz a chamada. E os eventos ocorrem em arenas e estádios lotados. Se todos os horários de início da competição fossem completamente incertos e a participação fosse gratuita, gostaria de saber quantos esportes seriam bem-sucedidos hoje? A capacidade miraculosa de se tornar nosso próprio distribuidor de difusão, enviando notificações e transmitindo ao vivo para dispositivos móveis e de desktop em todo mundo, foi essencial para a nossa missão (…). Os eventos ainda são mais longos do que a maioria dos bons swells, e vários dias de lay day podem ser um matador para a empolgação da audiência. Imagine um jogo de basquete que faz uma pausa no intervalo e será retomado em algum ponto desconhecido nos próximos dias. Quantos fãs permaneceriam envolvidos?[9]

Com o novo ambiente estável e previsível das piscinas um leque de possibilidades se abriu para o mercado, como a realização de competições com data e hora marcada, que reduz os custos de produção do evento e viagem dos atletas e suas equipes, que podem fazer reservas com mais precisão[10], possibilidade de cobrança de ingressos, venda de comidas e bebidas, venda de publicidade e direitos de transmissão (CAVALCANTI, 2018). Não é à toa que desde 2016 a WSL se tornou sócia majoritária do Surf Ranch[11]e desde então já realizou três etapas do circuito mundial no local. Segundo a ex-CEO da entidade, Sophie Goldschmidt, a piscina de ondas é uma importante aposta para tornar a primeira liga do surfe mundial lucrativa[12]. Mas a despeito do suposto sucesso operacional, alguns atletas e espectadores se queixaram da monotonia tanto em surfar quanto em assistir uma competição de surfe em uma piscina. O surfista profissional sul-africano Jordy Smith disparou: “não é tão emocionante para os telespectadores depois de assistir o décimo surfista voltar para o tubo por mais dez segundos. É o evento mais desinteressante da turnê.”[13]    

Na perspectiva nacional, essas piscinas estão surgindo atreladas a empreendimentos de luxo, como condomínios e resorts, e são vendidas como equipamentos âncoras que se destacam na publicidade desses locais entre esportes voltados paras as classes mais altas, como golfe, tênis e hipismo, o que nos leva a crer que há um deslocamento simbólico em curso, que está transformando a prática esportiva do surfe em objeto de desejo a ser consumido pela elite como um novo estilo de vida. É certo que hoje, no contexto mundial, o surfe brasileiro vive um dos seus melhores momentos: o país é uma das três grandes potências no esporte e já garantiu cinco títulos mundiais, três com Gabriel Medina, em 2014, 2018 e 2021, mais um com Adriano de Souza, o Mineirinho, em 2015, e outro com Ítalo Ferreira, em 2019[14].

Praia da grama. Fonte: Waves.

Após a estreia do surfe nos Jogos Olímpicos de Tóquio 2020 e a vitória histórica de Ítalo Ferreira, a quantidade de fãs de surfe no Brasil saltou de 14 milhões de indivíduos, em 2013, para 45 milhões em 2021.[15] Mas esses não parecem ser os únicos motivos para atrair investimentos da ordem de centenas de milhões de reais[16] de incorporadoras como a KSM[17], de Oscar Segall, para a criação cópias hipe-reais da natureza (ECO, 1984). Há uma fetichização da praia ideal, hipermoderna, hiperespetacular (LIPOVETSKY; SERROY, 2015), segura, onde os muros deixam tudo que não é desejado na natureza estetizada do lado de fora: os perigos do mar, a poluição, os ambulantes.

Neste sentido, mais do que ser uma solução para uma demanda crescente por um recurso escasso e valorizado pelos surfistas, as ondas perfeitas, as novas piscinas de ondas são bens que quando consumidos assumem usos, valores e papeis distintos na nossa sociedade, e portanto, aprofundar as investigações sobre esse fenômeno que está em curso pode ser útil para ampliar os estudos em comunicação e antropologia do consumo.


Referências

CALDEIRA, Teresa Pires do Rio. Cidade de muros: crime, segregação e cidadania em São Paulo. São Paulo: Edusp, 2000.

ECO, Umberto. Viagem na irrealidade cotidiana / Umberto Eco; tradução de Aurora Fornoni Bernardini e Homero Freitas de Andrade – Rio de Janeiro: Nova Fronteira. 1984.

LIPOVETSKY, Gilles; SERROY, Jean. A estetização do mundo. Viver na era do capitalismo artista. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

MASCARENHAS, G. . A leviana territorialidade dos esportes de aventura: um desafio à gestão do ecoturismo. In: BRHUNS, H.; MARINHO, A. (Org.). Turismo, lazer e natureza. Campinas: Manole, 2002, v. 1, p. 75-99.

PISCINA dos sonhos. Direção: Rosaldo Cavalcanti. Brasil: 2018


[1] A definição de pico utilizada por Alves Neto (2011) demonstra como as territorialidades no surfe podem ser flexíveis: “Defino como uma territorialidade móvel, fluida e flexível, que surge a partir das condições oceânicas e é delimitado pelas relações de sociabilidade entre os surfistas. O pico pode ser pensado como um território do vazio (CORBIN, 1988) que é criado e recriado por e pelas ondas e por e pelas relações sociais (ALVES NETO, 2011, p. 121).

[2] Aglomeração de surfistas em um mesmo pico, motivo de disputas acirradas por ondas.

[3] Itupeva, cidade próxima de Campinas.

[4] Disponível em: <https://www.praiadagrama.com.br/tecnologia/&gt;. Acesso em: 22 maio 2022

[5] Dia com boas ondas.

[6] Segundo o historiador Matt Warshaw: “As diferenças de onda para onda são quase infinitas, mas os princípios básicos da formação e deslocamento das ondas são constantes: ventos de tempestade sopram pela superfície do oceano e criam uma transferência de energia para a água; a energia é parcelada, armazenada, organizada e transmitida ritmicamente nos oceanos e mares circundantes até atingir águas rasas (geralmente um litoral, muitas vezes a milhares de quilômetros de distância da fonte da tempestade) e liberar a energia como ondas quebrando” (WARSHAW, 2005, p. 684). 

[7] “Após ataque de tubarão, WSL anuncia que feminino mudará de local no Havaí; Pipe é uma opção.” Disponível em: <https://globoesporte.globo.com/radicais/surfe/mundial-de-surfe/noticia/apos-ataque-de-tubarao-wsl-anuncia-que-feminino-mudara-de-local-no-havai-pipe-e-uma-opcao.ghtml&gt;. Acesso em: 14 jan. 2021

[8] Entidade que representa a divisão de elite do surfe.

[9] Disponível em: https://www.waves.com.br/variedades/novidade/dirk-ziff-dono-da-wsl-abre-o-jogo/&gt;. Acesso em: 22 maio 2022

[10] Atualmente os campeonatos utilizam uma janela de duas semanas para que as disputas sejam realizadas nas melhores condições do mar.

[11] Disponível em: <https://www.uol.com.br/esporte/surfe/ultimas-noticias/2018/09/06/de-olho-em-olimpiada-piscinao-de-kelly-slater-inicia-nova-era-do-surfe.htm&gt;. Acesso em: 14 jan. 2021

[12] A Association of Surfing Professionals (ASP) foi comprada em 2014 pelo bilionário americano Dirk Ziff. um dos herdeiros do magnata da mídia William Ziff Jr. Desde então, a WSL vem tendo dificuldades de encontrar formatos atrativos que possam torná-la lucrativa. Disponível em: <https://www.waves.com.br/variedades/novidade/dirk-ziff-dono-da-wsl-abre-o-jogo/&gt;. Acesso em: 22 maio 2022

[13] Disponível em: <https://beachgrit.com/2021/06/why-did-surf-ranch-fail-as-wave-pool-tech-and-as-a-contest-so-spectacularly-a-dull-ache-of-unrealised-desire-at-the-deathless-sight-of-that-impossibly-perfect-wave/>. Acesso em: 7 ago. 2021

[14] Disponível em:<https://ge.globo.com/radicais/surfe/mundial-de-surfe/noticia/confira-a-lista-dos-campeoes-do-circuito-mundial-de-surfe.ghtml&gt; Acesso em: 8 maio 2022 

[15] Disponível em: <https://www.waves.com.br/variedades/novidade/pesquisa-do-ibope-recorde-de-fas-do-brasil/&gt;. Acesso em: 11 ago. 2022

[16] A piscina da praia da Grama custou R$180 milhões. Disponível em: < https://exame.com/casual/com-praia-artificial-de-700-metros-condominio-em-sp-anuncia-ultimos-lotes/&gt;. Acesso em 14 ago. 2022

[17] Empresa que construiu a piscina do condomínio Praia da Grama.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s