Artigos

Discutindo valores-notícia na cobertura de futebol

A discussão sobre noticiabilidade, valor-notícia e seleção noticiosa, amplamente abordada nos estudos de Comunicação, é bastante pertinente ao campo porque traz consigo possibilidades outras de se pensar tais variáveis para além da vertente convencional, que tende a tratar esses três conceitos como sinônimos no newsmaking (ou fazer-notícia). Alguns pesquisadores demarcam bem essa diferenciação, dando o devido peso a cada um desses fatores que interferem expressivamente no cotidiano de produção jornalística.

Na visão de Silva (2005), a noticiabilidade é como um grande guarda-chuva que abrigaria os outros dois conceitos, funcionando “como todo e qualquer fator potencialmente capaz de agir no processo da produção da notícia” (p. 52). Já os valores-notícia seriam os atributos que orientam a seleção primária dos fatos, isto é, que selecionam aqueles acontecimentos que, por determinado motivo/valor, importa noticiar. A seleção noticiosa, por sua vez, estaria relacionada à hierarquização desses fatos e ao tratamento que lhes será dado nas páginas dos jornais.

Partindo dessa perspectiva, proponho-me a discutir os modos como esses conceitos atuam no jornalismo esportivo, mais precisamente na cobertura de futebol, que, por seu teor subjetivo – envolvendo paixão, emoção, preferências etc. – considero dotada de certas particularidades editoriais. Um dos pontos que me interessa discutir é que os valores-notícia (VNs) clássicos do jornalismo como um todo – tragédia, proeminência, governo, conflito etc. – podem adquirir outras dimensões em se tratando da cobertura futebolística, de modo que, por exemplo, quando se fala no valor-notícia governo, a intenção é se referir à administração dos clubes; quando se fala no valor-notícia tragédia/drama, ele se refere ao contexto dramático de uma situação decisiva dentro campo; quando se fala no valor-notícia proeminência das pessoas envolvidas, ele se refere ao protagonismo dos personagens do jogo, e assim por diante.

É importante ressaltar que, ao mencionar os valores-notícia clássicos do jornalismo, estou me baseando na nomenclatura proposta pelos principais autores que abordaram o tema, como Sousa (2002), Traquina (2001) e Wolf (2003), os quais também embasam a diferenciação entre noticiabilidade, valor-notícia e seleção noticiosa proposta por Silva (2005) e descrita no início deste texto. Pensando mais especificamente na cobertura de futebol, me propus um breve exercício para tentar compreender quais atributos fazem determinado acontecimento virar notícia na editoria esportiva. Para tanto, desconsiderei alguns VNs tidos como óbvios para o fazer-notícia de um modo geral, como atualidade – visto que esse valor já é um pré-requisito do jornalismo – e importância – sobretudo considerando-se que a editoria em análise pressupõe que o tema esportivo por si só já é relevante para os consumidores do segmento.

Por consequência, esses conteúdos seriam também os mais contestados em termos de verdade, objetividade e credibilidade jornalísticas. Esse último quesito ganha destaque na ótica das pesquisadoras Lisboa e Benetti (2016), que o compreendem para além de um conceito acessório no jornalismo. Na visão das autoras, a credibilidade é algo imprescindível para que os sujeitos possam presumir que o discurso jornalístico diz a verdade – mesmo nesta editoria onde a subjetividade de jornalistas e espectadores tende a ser mais atuante tanto na produção quanto na interpretação dos conteúdos noticiosos, já que na maioria das vezes o jornalista que escreve sobre esportes está se reportando a um público tão apaixonado (e entendido do assunto) quanto ele.

Não à toa, os jornalistas esportivos tendem a ficar mais suscetíveis aos julgamentos de parcialidade. Isso faz com que permeie nos profissionais da área a necessidade de reforçarem que seu trabalho é realizado em conformidade com os fundamentos da profissão, como a constante busca pela verdade, objetividade e isenção no fazer-notícia. Uma perspectiva semelhante se dá nas editoras de política e de economia, áreas em que interesses vitais das empresas jornalísticas estão “em jogo” e nas quais o jornalista também precisa lidar com suas preferências rondando o seu cotidiano profissional.

Ao se ancorar nesses fundamentos básicos da profissão, a intenção do jornalista é balizar seu trabalho e proteger-se das eventuais críticas da audiência, isentando de culpa o profissional que, mesmo de maneira involuntária, acaba se envolvendo sentimentalmente com a cobertura, visto que o evento, por si só, já carrega um misto de paixão e emoção intrínseco ao universo dos esportes. Embora tais fundamentos por vezes sejam tratados como grandezas absolutas nos manuais de redação, caberia relativizá-los, apesar de não ser este o foco deste texto. Mas vale lembrar que, relativizar o caráter romântico dos fundamentos da profissão não significa negligenciar os rigorosos métodos e técnicas de produção noticiosa, mesmo que isso às vezes seja ainda mais desafiador para o jornalista esportivo.

É o que Heródoto e Rangel chamam de “desafio da paixão”, na obra Manual do Jornalismo Esportivo, onde afirmam que o jornalismo é para ser realizado com paixão.

“Porém não pode exceder aos limites éticos da profissão. Seres humanos não são exatos como relógios de quartzo, mas nada justifica que o entusiasmo e a alegria se transformem em manipulação e distorção.” (BARBEIRO & RANGEL, 2006, p. 122).

Ainda conforme Barbeiro e Rangel, é justamente pelo fato de o esporte ser visto como diversão e entretenimento para a maioria dos brasileiros, que é praticamente impossível relatá-lo com o nível de formalidade característico de outras editorias, até porque “a descontração, o bom humor, o sorriso não afrontam a credibilidade nem a seriedade do trabalho. É preciso ser isento, ético, exato, mas não carrancudo.” (2006, p. 77).

Inclusive, nas últimas décadas, essa vertente do jornalismo esportivo como entretenimento ganhou destaque no ambiente acadêmico, a exemplo do conceito de INFOtenimento, inicialmente debatido por Dejavite (2006). Relendo a sistematização de valores-notícia feita por Silva (2005), noto que a autora categoriza o tema esportivo como assunto de potencial noticioso enquanto “entretenimento/curiosidade”, categoria esta que, segundo a autora, engloba também temáticas voltadas para o divertimento, comemorações e aventuras, conforme aponta a tabela seguinte:

No entanto, embora Silva (2005) insira a temática esportiva dentro da categoria de entretenimento, o esporte visto sob outra ótica é um tema repleto de potencialidades noticiosas únicas que, em alto grau, justificam a existência de uma editoria específica para o gênero – editoria esta que perdura há quase um século desde sua consolidação na imprensa brasileira, no contexto de popularização e consequente profissionalização do futebol. Mas, se por um lado, o esporte estabeleceu-se como editoria permanente e de destaque nos principais veículos brasileiros, por outro, foi relegado a uma visão estigmatizada que, embora em menor escala, ainda perdura, caracterizando a atividade como uma área de menor prestígio quando comparada às demais coberturas, fato este que, mesmo passível de contestação, talvez tenha justificado a categorização proposta pela autora.

O que se pretende nesta discussão é tomar a temática esportiva como segmento dotado de potencialidades noticiosas próprias, sobre o qual os valores-notícia clássicos sistematizados por Silva atuariam de maneira análoga às editorias mais universais. Para ilustrar esse raciocínio, estabeleci a seguir uma correlação entre os doze VNs clássicos apontados na tabela da autora e alguns dos modos como, por exemplo, eles poderiam atestar a noticiabilidade dos acontecimentos em uma cobertura futebolística:

  • VN impacto: número de pagantes nos estádios e, sobretudo, número de torcedores que acompanham o dia a dia dos clubes;
  • VN proeminência: personagens do jogo;
  • VN conflito: rivalidades clubísticas;
  • VN entretenimento/curiosidade: bastidores da partida;
  • VN conhecimento/cultura: esporte como prática educativa e cidadã;
  • VN polêmica: escândalos dentro ou fora de campo;
  • VN raridade: situação inusitada dentro ou fora de campo;
  • VN proximidade: abrangência dos campeonatos (local, estadual, nacional etc.);
  • VN surpresa: placares inesperados;
  • VN governo: administração dos clubes;
  • VN tragédia/drama: situação dos clubes das últimas posições da tabela;
  • VN justiça: decisões contratuais envolvendo contratações de atletas.

Importante ressaltar que os valores-notícia aqui elencados não são independentes e, na maioria das vezes, devem ser compreendidos de forma conjunta, pois dizem respeito a uma série de inter-relações possíveis entre os acontecimentos do universo esportivo ou de qualquer outra editoria em questão. Em muitos casos, inclusive, é a complementaridade de tais fatores o que torna noticiáveis certos acontecimentos, além, é claro, dos critérios organizacionais que são parte intrínseca às rotinas produtivas.

Acredito que resida aí um dos maiores compromissos do jornalista, sobretudo o esportivo que, lidando com a subjetividade da editoria e ancorando-se aos fundamentos canônicos da profissão – como a constante busca pela verdade, equilíbrio e isenção no trato noticioso – sobrevive de apurar informações inéditas e condizentes com o interesse público, construindo histórias bem encadeadas e, por consequência, atraentes e credíveis. Mas que, acima de tudo, ofereçam subsídios para estimular o pensamento crítico, o debate e a reflexão, justificando porque é limitante enquadrar a temática esportiva como mero entretenimento ou curiosidade. Afinal, como bem assinala o jornalista esportivo Paulo Vinicius Coelho em seu livro clássico sobre essa editoria:

“a única maneira de mostrar que o esporte é viável é mostrar que o jornalismo esportivo não é feito apenas por esporte”. (COELHO, 2003, p. 115).

Referências

BARBEIRO, Heródoto; RANGEL, Patrícia. Manual do Jornalismo Esportivo. São Paulo: Contexto, 2006.

COELHO, Paulo Vinícius. Jornalismo esportivo. São Paulo: Editora Contexto, 2003.

DEJAVITE, Fábia Angélica. INFOtenimento: Informação + Entretenimento no Jornalismo. São Paulo: Ed. Paulinas, 2006.

LISBOA, Silvia e BENETTI, Marcia. O jornalismo como crença verdadeira justificada. Brazilian Journalism Research. v. 11, n. 2, p. 10-29, 2016.

SILVA, Gislene. Para pensar critérios de noticiabilidade. Estudos em Jornalismo e mídia, v.2, n.1. Florianópolis: Insular, 2005, p. 95-106.

SOUSA, Jorge  Pedro.  Teorias  da  Notícia  e  do Jornalismo. Chapecó, SC: Argos, 2002.

TRAQUINA, Nelson. O estudo do jornalismo no século XX. São Leopoldo, RS: Editora Unisinos, 2001.

WOLF, Mauro. Teorias da comunicação de massa. São Paulo: Martins Fontes: 2003.

*Uma versão mais abrangente deste texto encontra-se publicada no vol. 8 (n. 2) da revista Âncora – Revista Latino-americana de Jornalismo, vinculada ao Programa de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s