Artigos

E se a estreia do surfe nas Olimpíadas fosse numa piscina de ondas

Jonne Roriz/COB

A jornada até a estreia do surfe nos jogos olímpicos foi longa e durou mais de um século se considerarmos que o havaiano, tricampeão olímpico de natação, Duke Kahanamoku pleiteou a entrada do surfe nos jogos de Estocolmo, em 1912 (STACHEVSKI, 2020). Desde aquela época até 2021 muito se especulou sobre o ingresso do surfe nos jogos, e paralelamente muita coisa mudou dentro do esporte, mas é inegável que mídia teve um papel preponderante ao pavimentar esse caminho até a praia de Tsurigasaki, no Japão, já que cristalizou boa parte dos valores que hoje fazem parte do imaginário em torno do esporte, como a ligação com a natureza e a juventude[1] (FORD e BROWN, 2006), assim como provavelmente tornou o esporte mais atraente para o Comitê Olímpico Internacional (COI) ao torná-lo mais popular e expandir o tamanho da audiência no mundo ao longo do tempo. Estima-se que existam hoje 40 milhões de surfistas ativos e mais de 370 milhões de pessoas em todo o mundo interessadas no esporte[2].

O time brasileiro, composto por Gabriel Medina, Ítalo Ferreira, Silvana Lima e Tati Weston Webb, confirmou o favoritismo com a vitória do atual campeão mundial, Ítalo Ferreira, que conquistou o primeiro ouro do Brasil em Tóquio e fez história ao ser o primeiro medalhista olímpico de ouro na modalidade [3]. No total participaram 40 surfistas, 20 homens e 20 mulheres, de 18 países: Argentina, Austrália, Brasil, Chile, Costa Rica, Equador, França, Alemanha, Indonésia, Israel, Itália, Japão, Marrocos, Nova Zelândia, Peru, Portugal, África do Sul e Estados Unidos. Uma pluralidade que incluiu nações sem tradição no esporte e que não é vista na principal liga de surfe mundial, a World Surf League (WSL), que é historicamente dominada por Australianos, Americanos e Havaianos.

Mas a questão que gostaríamos de levantar neste artigo é sobre o palco onde ocorreram as disputas. Ao longo da trajetória do lobby para que o surfe figurasse entre os esportes olímpicos cogitou-se que seria fundamental ter a estrutura e a tecnologia das piscinas de ondas para que fosse possível a entrada do esporte nos jogos. Em um encontro entre o presidente da International Surfing Association (ISA), Fernando Aguerre, e o então presidente do COI, Jacques Rogge, em 2009, este último chegou a afirmar que sem as piscinas a probabilidade do surfe entrar no evento era muito baixa (STACHEVSKI, 2020, p. 52). A preocupação justificava-se em parte por conta da necessidade de praias com ondas nas cidades sede do evento, como Londres, Tóquio[4] e Paris, e a dependência das condições climáticas para a realização das competições.

Porém, o imbróglio da entrada tardia do surfe nos jogos olímpicos é anterior a este encontro e vem desde meados da década de 1960, como relata o autor Matt Warshaw (2005): “A história do namoro do surfe com COI é de esperança e decepção cíclicas[5] (WARSHAW, 2005, p.431 e 432)”. Em 1964, em um dos primeiros artigos sobre o tema, a revista Surfer publicou: “Não deve demorar muito para o surfe entrar no calendário olímpico[6]”; em 1977, na Surf Magazine, “as olimpíadas finalmente[7]”; e novamente na revista Surfer, em 1995, “o surfe dá o primeiro grande passo em direção às olimpíadas[8] (WARSHAW, 2005, p. 432)”.

Mas a candidatura do surfe só passou a ser considerada de fato após o COI ter reconhecido a ISA como principal instituição responsável pelo surfe mundial, e isso ocorreu em 1994, no primeiro ano de mandato do argentino Fernando Aguerre (STACHEVSKI, 2020, p. 38). Na época, Aguerre tinha a intenção de que o surfe entrasse nos jogos de Sydney, Austrália, em 2000, mas o esporte escolhido na época foi o vôlei de praia (WARSHAW, 2005, p.432), entretanto, o presidente da ISA continuou acreditando que era uma questão de tempo e já planejava a construção de uma piscina de ondas para fosse possível incluir o surfe nos jogos olímpicos de Atenas, Grécia, em 2004 (WARSHAW, 2005, p.432). Porém, a confirmação final só veio em agosto de 2016, no Rio de Janeiro, quando todos os membros do COI aceitaram a proposta das cinco indicações de esportes escolhidas pelo Comitê Olímpico Japonês (JOC – Japanese Olympic Comitee). Segundo Yoshiro Mori, presidente do comitê organizador, a escolha das candidaturas foi baseada em função da “popularidade dos esportes, seu acompanhamento entre jovens e o maior potencial para promover o espírito olímpico”, além da necessidade de construção de instalações esportivas adicionais.

Rafael Fortes (2020) aponta que a inclusão do surfe nos Jogos Olímpicos reacendeu o debate em torno da profissionalização do surfe e de sua adesão a formatos altamente esportivizados, comerciais e midiatizados. Alguns puristas, contrários à espetacularização do esporte, se mantiveram pessimistas durante a campanha antes da entrada do surfe nos jogos. O editor do Surfer’s Journal, Steve Pezman, escreveu: “o surfe não pode ser embalado e levado ao mercado sem perder seu caráter, espontaneidade e apelo[9] (WARSHAW, 2005, p.432).” Essa disputa simbólica sobre o significado do esporte e sobre uma experiência que seria mais autêntica (Martin Jay, 2009) gira em torno do profano versus o sagrado e da mercantilização de valores ligados à cultura do surfe, como destacam os autores Ford e Brown (2006):

Com a contracultura do final dos anos 1960, a tendência de “soul surf” enfatizou uma reinterpretação dos valores da espiritualidade, estética e a busca pela paz interior e autenticidade. Com o crescimento da popularidade do surfe e as oportunidades de negócios concomitantes, em congruência com o capitalismo tardio, os negócios empacotaram esses mesmos valores de autenticidade e distinção. Além disso, a midiatização do surf ampliou esses valores em uma disseminação cultural mais ampla[10] (FORD e BROWN, 2006, n.p.).

Apesar de uma janela de tempo de oito dias para a realização das provas, todas as baterias da disputa pelas primeiras medalhas olímpicas da história do surfe aconteceram de 25 a 27 de julho de 2021. As finais foram antecipadas por conta da chegada de um tufão que poderia impedir a realização das provas, de acordo com a intensidade que chegasse na costa japonesa. Essa imprevisibilidade da natureza é justamente a característica que alguns sufistas afirmam fazer do surfe o que ele é. A sua essência. Entre dezenas de opiniões, a do escritor sênior da revista Surfer, Sean Doherty, ilustra bem esse posicionamento:

Primeiramente, todos os esportes olímpicos estão ancorados em equidade e igualdade de condições. Entretanto, o oceano não oferece isso. Certamente a única maneira de o surf ser considerado um esporte olímpico é se ele fosse realizado em piscinas de ondas, e se fosse realizado em piscinas de ondas, então eu não consideraria surfar. Ademais, o fato de não haver duas ondas iguais é o que faz surfar, surfar. De tal forma que não foi projetado para ser justo. O oceano não é justo e, a menos que você seja Kelly[11], o oceano não dá a mínima para você.

Por outro lado, esse mesmo aspecto de incerteza da natureza é um agente que dificulta a midiatização do esporte. Pedro Guimarães e Rafael Fortes (2020), em um artigo sobre a transmissão dos campeonatos de surfe, enumeram alguns desses desafios: a escassez de infraestrutura tecnológica em lugares remotos, o caráter impreciso das condições climáticas (qualidade das ondas, que podem impedir a realização da etapa; neblina, que pode dificultar que os juízes enxerguem e julguem os atletas) e a imprevisibilidade de incidentes, como casos envolvendo tubarões (GUIMARÃES e FORTES, 2020, p. 63). Dessa forma, o formato previsível da disputa nas piscinas se adaptaria perfeitamente às demandas da televisão, assim como aconteceu com o baseball, o tênis e o próprio surfe (LASCH, 1983):  

Quando as redes de televisão descobriram o surfe, insistiram que os eventos fossem realizados de acordo com uma programação pré-estabelecida, independentemente das condições meteorológicas. Um surfista reclamou. “A televisão está destruindo nosso esporte. Os produtores de TV estão transformando um esporte e uma forma de arte em um circo (LASCH, 1983, p.140).

Talvez esse seja um dos principais motivos da WSL ter se tornado sócia da empresa de Kelly Slater em 2016, a Kelly Slater Wave Company, responsável pela piscina de ondas Surf Ranch, além da possibilidade de vender a tecnologia de geração de ondas artificiais para o COI realizar as disputas do surfe em jogos olímpicos futuros e o treinamento de atletas de alta performance. A própria da WSL tem uma etapa do circuito mundial na piscina, e de acordo com os critérios do primeiro evento realizado nesse cenário, cada atleta tinha três chances de surfar uma onda para esquerda e outra para direita, e em vez de um contra um, como na maior parte dos eventos no mar, os atletas caíram na água sozinhos e com hora marcada.

 Apesar das piscinas terem trazido novas perspectivas para o esporte, como novos formatos de disputas, possibilidade de treinamento facilitado pela repetição e testes de novos equipamentos, não há uma unanimidade mesmo entre os surfistas profissionais. O surfista brasileiro, bicampeão mundial, Gabriel Medina, disse em entrevista que é “a onda dos sonhos”. A surfista americana Bethany Hamilton também elogiou: “é um sonho. É incrível ver o que o homem está fazendo com a tecnologia e criando as próprias ondas”. Já o sul-africano Jordy Smith diz que a piscina é previsível e realmente “não é tão emocionante para os telespectadores depois de assistir o décimo surfista voltar para o tubo[12] por mais dez segundos. É o evento mais desinteressante da turnê.”

Durante as disputas das semifinais dos jogos olímpicos de Tóquio, o caráter subjetivo do julgamento do surfe ficou mais explícito. Gabriel Medina foi eliminado pelo japonês Kanoa Igarashi após ambos terem executado manobras semelhantes, porém a nota do adversário foi muito superior a de Medina. Se a competição fosse em uma piscina com ondas idênticas, talvez a avaliação dos juízes sobre a dificuldade que ambos tiveram na execução da manobra fosse menos discrepante. De qualquer forma, o surfe já está confirmado para os próximos jogos olímpicos de verão, que serão realizados em Paris, França. As disputas do surfe acontecerão no Tahiti, na polinésia francesa, nas ondas de Teahupoo, que normalmente apresentam condições mais desafiadoras e melhores para a execução de manobras.

Se depender dos números da audiência, o esporte também deverá ser confirmado para os jogos de 2028, em Los Angeles, já que segundo o COI, entre as modalidades estreantes, o surfe e o skate impulsionaram a audiência dos jogos, principalmente no Brasil. O acesso ao grande público deu uma projeção midiática além dos espectadores de nicho e isso fez com que os atletas do surfe aumentassem em até dezoito vezes o número de seguidores nas redes sociais em comparação ao período pré-olímpico. Em entrevista ao jornal Los Angeles Times, Kelly Slater foi perguntado se a sua piscina poderia ser utilizada para o surfe nos jogos olímpicos de 2028. Ele respondeu: “Eu não pensei nisso[13]”, mas acrescentou em seguida: “É algo que poderia ser feito[14]”. Será que ainda veremos um brasileiro ganhar uma medalha olímpica em uma piscina de ondas?


[1] “Filmes de praia / surfe de Hollywood, como Gidget (1959), trazem uma caricatura dos estilos de vida do surfe para um público mais amplo, enquanto The Endless Summer (1964) cristaliza a sensação e o sonho de surfar da perspectiva de “um insider”. Tradução nossa: “Hollywood beach/surf movies such as Gidget (1959) bring a caricature of surfing lifestyles to a wider audience, while The Endless Summer (1964) crystallizes the feel and dream of surfing from “an insider’s” perspective (FORD e BROWN, 2006, n.p.).”

[2] Tradução nossa: “There are 370 million people across the world interested in surfing and more than 40 million active surfers.” Disponível em: < https://www.worldsurfleague.com/posts/397536/ikea-and-world-surf-league-riding-a-wave-of-sustainability?isearch=true&scategory=article&gt;. Acesso em 22 ago. 2021.

[3] É interessante ressaltar que na WSL há uma subdivisão entre atletas dos Estados Unidos e atletas do Havaí. 

[4] A praia de Tsurigasaki, na cidade de Ichinomiya, costa do Pacífico da Província de Chiba fica a cerca de 100 km do Estádio Olímpico de Tóquio. Disponível em: <https://falauniversidades.com.br/tudo-sobre-a-estreia-do-surfe-nas-olimpiadas-2021/&gt;. Acesso em 22 ago. 2021.

[5] Tradução nossa: “The history of surfing’s courtship of the IOC is one of cyclical hope and disappointment”

[6] Tradução nossa: “it shouldn’t be long before surfing is entered on the Olympic calendar”

[7] Tradução nossa: “the olympics at last”

[8] Tradução nossa: “surfing takes its the first big step toward the Olympics”

[9] Tradução nossa: “surfing can’t be shrink-wrapped and taken to market without losing its character, spontaneity and appeal”

[10] Tradução nossa: “With the late 1960s counter-culture, the ‘soul surfing’ tendency emphasized a reinterpretation of the values of spirituality, aesthetics and the quest for inner peace and authenticity. With the growth of surfing’s popularity and concomitant business opportunity, in congruence with late capitalism, business packaged these very values of authenticity and distinctiveness. Furthermore the mediatization of surfing amplified these values in a wider cultural dissemination.”

[11] Kelly Slater, onze vezes campeão mundial de surfe.

[12] Manobra que consiste em permanecer dentro da onda. “Entubar”.

[13] Tradução nossa: “I didn’t think about that”

[14] Tradução nossa: “It’s something that could be done”.

Referências

FORD, Nick; BROWM, David. Surfing and social theory. New York: Routledge, 2006.

FORTES, Rafael. O Surfe nas ondas da mídia: esporte, juventude e cultura. Rio de Janeiro: Apicuri, 2011.

GUIMARÃES, Pedro; FORTES, Rafael. A transmissão ao vivo de campeonatos de surfe pela internet: padrões televisivos, inovação e questões para a história do esporte. História: Questões & Debates. Curitiba v. 68, n. 37, p. 55-76 mês jul./dez. 2020

JAY, Martin. Cantos de Experiência: variaciones modernas sobre um tema universal. – 1ª ed. – Buenos Aires: Paidós, 2009.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s