Artigos

O machismo persistente no tênis

46 anos após a histórica “Batalha dos Sexos” entre a tenista Billie Jean King e Bobby Riggs, o tênis feminino ainda sofre com o machismo dentro e fora de quadra. O episódio, que virou filme “A Guerra dos Sexos” estrelado por Emma Stone e Steve Carel, foi crucial na busca pela igualdade de gênero no esporte. Na época em que o movimento feminista estava em alta, a vitória de Billie Jean marcou para sempre a história do tênis feminino com a criação da Women’s Tennis Association (WTA), responsável pelos torneios femininos profissionais e pela garantia de premiações equivalentes para ambos os sexos. Apesar disso, o esporte que foi pioneiro em garantir igualdade financeira em grande parte dos torneios, ainda contém atitudes e regras ultrapassadas que prejudicam exclusivamente as mulheres.

1
A ex-tenista Billie Jean King em uma partida de tênis em 1975 (Créditos: AP Photo)

Nos últimos anos, apesar das grandes conquistas das mulheres nos esportes, os casos de machismo no tênis continuam recorrentes. Em 2015, o Torneio de Wimbledon, o mais tradicional do circuito, foi alvo de várias reclamações por parte das tenistas. A número 1 da época, Serena Willians e a dinamarquesa Caroline Wozniacki queixaram-se da priorização das partidas masculinas nas quadras principais. De fato, os homens foram beneficiados, fazendo quatro jogos a mais do que as mulheres na Quadra Central, a principal do torneio. Além disso, eles tiveram cinco jogos a mais na Quadra 1, segunda mais importante, e um a mais na Quadra 2. A tenista bielorrussa, Victoria Azarenka, também fez reclamações, no entanto, o alvo dela foi o foco da imprensa nos gritos das jogadoras durante a partida, que também são ouvidos nos jogos masculinos devido ao grande esforço físico realizado.

Em 2017, as atitudes machistas saíram das quadras e foram parar no sorteio para o NextGen Finals, torneio que reúne os oito melhores tenistas da temporada até 21 anos. A principal patrocinadora, Redbull, juntamente com a Associação dos Tenistas Profissionais (ATP), resolveram renovar o sorteio, mas acabaram não alcançando o resultado esperado. De acordo com as novas mudanças, cada um dos tenistas tinha que escolher uma modelo para ter conhecimento do grupo o qual pertenceria e, em seguida, cada mulher revelava se o grupo era A ou B tirando uma peça de roupa, pois embaixo da tal peça, estava fixada uma das duas letras. O sorteio causou muitas discussões nas redes sociais, no qual maioria dos internautas dizia que tinha sido uma atitude sexista e infeliz, além de ter gerado constrangimento aos próprios tenistas, como foi o caso do sul-coreano Hyeon Chung, que ficou visivelmente incomodado com a situação.

2
The NextGen ATP Finals Draw Party em Milão (Fonte: Sport360)

No ano seguinte não poderia ter sido diferente. Em 2018, as mulheres voltaram a sofrer dentro das quadras. O primeiro caso ocorreu no Torneio de Roland Garros, com a maior tenista de todos os tempos, entre homens e mulheres, Serena Williams. A ganhadora de 23 Grand Slams, que já sofreu intensas críticas por ter um corpo considerado masculino demais para a estética instituída para as tenistas femininas, foi alvo do dirigente do Grand Slam francês, Bernard Giudicelli, que proibiu o uso de uma peça de roupa preta e justa no corpo inspirada no filme Pantera Negra, usada pela tenista. O dirigente declarou em entrevista à revista Tennis Magazine, que a ex-número 1 faltou com respeito por trajar uma peça ousada. A peça intitulada “roupa de Wakanda”, foi usada pela atleta para inspirar mães que tiveram dificuldades depois do parto. Serena deixou claro seu orgulho em vestir a roupa e que fizera esse gesto também motivada por questões de saúde devido aos problemas que teve após a cesariana feita para o nascimento de sua filha, como a formação de coágulos no abdômen e o uniforme ajudava na circulação sanguínea. Depois do ocorrido, o torneio de Roland Garros terá um código de vestimenta e passará a ser mais rigoroso, os fabricantes deverão fornecer os modelos antes do torneio. Apesar de ser questionada pela adversária Krystina Pliskova que perguntou se a peça não seria contra as regras, atletas como Elina Svitolina, 4° do ranking e Caroline Wozniacki 3°, apoiaram Serena e evidenciaram a importância da mensagem passada pela tenista apoiadora do feminismo.

3
Traje usado pela Serena Williams no Roland Garros. (Fonte: UOL/Foto: Guilherme Horcajuelo/EFE)

Alguns meses depois, outro caso foi registrado no US Open. No dia 28 de agosto, uma terça-feira, a francesa Alizé Cornet entrou em quadra para jogar contra Johanna Larsson. A partida seguia normalmente até a francesa voltar do vestiário para o começo do terceiro set. Preparada para reiniciar o jogo, Alizé percebeu que sua camisa estava ao contrário e resolveu trocá-la, no entanto o juiz aplicou-lhe uma advertência por “conduta inapropriada”. Vale lembrar que uma jogadora só pode trocar de roupa ao fim de um set ou durante o atendimento médico, e apenas fora da quadra, diferentemente nos jogos dos homens em que é permitida a troca, desde que estejam sentados. A treinadora Judy foi uma das primeiras a questionar a decisão do juiz juntamente com a tenista americana Bethanie Mattek-Sands. Fãs do esporte também se manifestaram, por meio de redes sociais como o Twitter, pela falta de “bom senso” do juiz na partida, uma vez que a tenista francesa tinha que iniciar o set e havia acabado de voltar do vestiário.

A situação piorou dois dias depois com um outro acontecimento. O também francês Julien Benneteau jogava contra o alemão Leonard Struff e após perder um ponto, em um acesso de raiva, o tenista francês simplesmente abaixou o calção em quadra, ficando de cueca. Apesar disso Benneteau não recebeu nenhuma advertência ou chamada pelo ocorrido. Terminado o jogo, o francês explicou que o ponto perdido tinha sido frustrante e agradeceu pela compreensão do árbitro e por não ter sido advertido. Benneteau, em entrevista ao SporTV, declarou:

– Às vezes, o árbitro tem momentos difíceis conosco. Eu tenho que agradecê-lo muito. Ele riu, entendeu a situação. Esta é a maneira que eu penso que você deve julgar. Sentir a partida, as emoções. Foi uma boa decisão.

Diante do ocorrido o caso da francesa só ganhou mais destaque. Apesar de a direção do US Open ter voltado atrás com a advertência e ter pedido desculpas no dia seguinte, nada foi suficiente para encobrir o ocorrido, principalmente diante do tratamento diferente dado a casos de indisciplina também passíveis de punição do juiz com o tenista francês Benneteau. Alizé levou uma advertência por conduta inapropriada ao consertar o uniforme, já Benneteau, após ter tirado as calças no meio de um jogo pode contar com o “bom senso” do juíz em compreender a situação para seguir a partida sem advertências.

Apesar da ajuda vinda das redes sociais que muitos estão de prontidão para atacar qualquer atitude machista, todos esses ocorridos são amostras de como o tênis tem uma longa jornada a percorrer na luta pela igualdade entre os homens e mulheres. Atletas como Serena Williams, Alizé Cornet e tantas outras, devem ter seus direitos respeitados e, dessa forma, praticar livremente o esporte que encanta milhares de pessoas em todo o mundo, sem serem enquadradas em códigos de vestimentas e outras regras antiquadas. Após a vitória de Billie Jean em 1973 e os recordes quebrados pela Serena Williams nos últimos anos, ficou mais que evidente que uma mulher joga tênis tão bem quanto um homem.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s