Eventos

Palestra de encerramento com Samuel Martínez e Hugo Lovisolo

O pesquisador Hugo Lovisolo (Uerj) abriu a palestra falando sobre as identidades e como suas diferenças estão relacionadas às disputas de poder. As identidades não são uma invenção e as narrativas acabam por “lapidar” o sujeito. Sobre as identidades clubísticas, lembra que não temos como teorizar os motivos que levam uma pessoa a torcer por determinado time.

Após esta breve introdução, Lovisolo teceu comentários sobre o México, para apresentar o pesquisador Samuel Martínez (Universidad Iberoamericana de México). Martínez deu início à palestra com tema “La Selección Mexicana de Futbol durante la Copa del Mundo Brasil 2014” falando sobre a Copa enquanto uma concentração de indústria verticalizada.

A Copa do Mundo pertence a um modelo vertical, e tem seu potencial de espetáculo explorado através do sentimento nacionalista que desperta. Segundo ele, os grandes eventos que implicam em transformações urbanas, não datam de mais de 30 anos e foram impulsionados pelo espírito ganancioso de busca pelo poder. Os mega eventos surgem como uma nova segmentação do mercado, um novo tipo de capitalismo com o intuito de mostrar às outras nações o seu poder na realização de um bom evento e reforçando assim, seu nacionalismo.

O palestrante discorreu sobre a seleção mexicana ser um símbolo laico, pois não pertence ao Estado e sim, a uma organização particular, no caso a FMF (Federección Mexicana de Futbol). As seleções representam suas nações simbolicamente e os atletas tentam convencer a audiência de que sua equipe é a melhor. Uma das peculiaridades no caso da seleção mexicana é o fato da FMF ser controlada pela Televisa, o maior conglomerado midiático do México. Isto reforça a imagem e o uso do futebol como um produto de entretenimento e logo, um produto econômico, vendável.

A seleção mexicana é a única que possui dois mercados econômicos: uma para os mexicanos que vivem em seu país e outro para os mexicanos que vivem nos Estados Unidos. Também registra um grande público em jogos fora de casa, levando em consideração o poder aquisitivo dos mexicanos que moram nos EUA. Com todas as dificuldades na imigração para os EUA, não é de se admirar que os mexicanos considerem os Estados Unidos seu maior rival em competições.

O México passou por constantes mudanças de técnicos e passou para o Mundial apenas na repescagem, ironicamente, graças a uma vitória dos Estados Unidos. No pré-Copa, os meios de comunicação repercutiram a possibilidade da seleção mexicana não disputar o Mundial e a vaga foi bastante comemorada por lá.

O palestrante ainda comentou sobre a história política do México, que por muitos anos teve apenas a Virgem de Guadalupe como símbolo nacional e o surgimento de novos símbolos nacionalistas. O México vivenciou uma ditadura de 30 anos, que trouxeram crescimento econômico e político, a base de muita opressão das classes mais baixas. A mudança deste cenário só foi possível com a Revolução Mexicana que enfraqueceu o regime anterior, instaurou o populismo e trouxe crescimento dos meios de comunicação de massas.

No México, o futebol não ocupava um espaço tão importante para a formação de sua identidade nacional, outros esportes como a luta-livre e o beisebol tinham maior foco. A partir dos anos 90, este cenário mudou graças aos meios de comunicação que enxergaram o potencial de marca presente no futebol. A seleção hoje ocupa um lugar importante na identidade do povo e é vista como símbolo de esperança num país melhor e competitivo, apesar de alguns enxergarem a seleção como objeto de manipulação.

Graças à televisão, o futebol tem crescido no mercado, em audiência junto com telenovelas e produtos cômicos como “Chaves”, ou seja, o papel da Televisa foi crucial neste processo. A Copa do Mundo de 2014 foi vivenciada de forma intensa pelos mexicanos, desde os obstáculos ultrapassados para garantir a vaga, os jogos disputados durante o Mundial e a desoladora volta pra casa. Mas, a identificação nacional que foi construída ao longo do tempo, garante que sentimentos como este ressurgirão daqui a quatro anos e quiçá com melhores resultados.

* Mais fotos podem ser conferidas na página oficial do LEME no Facebook.

Por Nathália Corrêa Costa, graduanda de Relações Públicas na UERJ.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s