Artigos

Migalhas e milhões

O começo do mês é um período tenso para quase todos os trabalhadores brasileiros. Quem vende sua força de trabalho aguarda ansiosamente a chegada do dia do pagamento. Em função de várias variáveis (incompreensíveis para um assalariado), a remuneração nunca é um valor exato. Mas seja qual for esse valor, a impressão é que dificilmente as contas vão fechar. O braço mais forte da história, o empregador, reclama do custo de ter um empregado regularizado.

Mas enquanto os mortais se preocupam se receberão o suficiente para pagar as despesas ordinárias, os grandes atletas de futebol têm outras preocupações. Com salários astronômicos, o que os incomoda não é se o salário será suficiente, mas se ele chegará em suas contas.

Pretendo pensar duas coisas distintas nesse despretensioso argumento. A primeira delas é onde iremos parar se o salário dos jogadores continuar crescendo na velocidade atual. Outro assunto diz respeito ao não pagamento por parte dos clubes. E a imprensa? Tem o direito de expor o quanto ganha cada jogador?

Compromissos existem para serem cumpridos. Mas o festival de amadorismo da administração dos clubes brasileiros, parece dar direito aos cartolas de se negarem a honrar a própria palavra. Empurram com a barriga, jogam para debaixo do tapete seus erros e apontam os holofotes para as mazelas de diretorias anteriores. Foi assim na recente polêmica envolvendo o atacante Deivid. Com um salário incompatível com seu rendimento em campo, a atual diretoria lavou as mãos dizendo que a responsabilidade por pagá-lo seria de quem o contratou, no caso, os diretores anteriores.

Sinceramente, entendo o fato de Neymar ganhar R$36 milhões de dólares anuais. Afinal, com os contratos de publicidade que tem e com os produtos que ajuda a vender, ele merece receber uma boa comissão. O que não dá para entender é aquele lateral que não sabe cruzar receber mais de R$100 mil por mês. Ele não acrescenta, não gera divisas, não ajuda o time a ser campeão.

Um programa de participação nos lucros poderia ser uma alternativa para trazer o mundo do futebol de volta à realidade. Jogadores que geram receitas significativas têm o direito de receber uma parte importante do bolo. Mas os que são trazidos por empresários em negociações nebulosas, não podem ganhar cem vezes mais do que recebem a grande maioria dos atletas que sobrevivem do esporte no Brasil a fora.

As perguntas para as quais não tenho respostas são as seguintes: A imprensa especializada sabe lidar com este assunto? A abordagem corriqueira sobre os atrasos salariais nos grandes clubes é feita de maneira correta? Será que não é perigoso estampar na capa dos principais jornais quanto recebe aquele famoso atacante? O jornalista tem este direito? Um grande colunista aceitaria tornar público seu contra-cheque?

Anúncios

4 comentários em “Migalhas e milhões

    1. O que me deixa curioso é saber como os clubes de futebol conseguem manter tais salários. Os brasileiros, já está claro, não conseguem. Mas os europeus, russos e árabes conseguem. Não entendo. Suspeito de lavagem de dinheiro. Os únicos negócios capazes de sustentar isso são os ilícitos.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s