LEME organiza seu 1º Seminário Internacional

Capa_face_LEME

O Laboratório de Estudos de Mídia e Esporte (LEME) está organizando seu primeiro seminário internacional que terá o seguinte tema: “Copa do Mundo, Mídia e Identidades Nacionais”. O evento acontecerá nos dias 24, 25 e 26 de setembro na Faculdade de Comunicação Social da UERJ.

Estarão presentes pesquisadores estrangeiros e brasileiros, além de uma mesa com jornalistas experientes que discutirão a cobertura midiática da Copa no Brasil. Teremos também um fórum aberto a pesquisadores que tenham interesse em apresentar seus trabalhos, bem como serão ministrados minicursos sobre jornalismo esportivo.

Para conferir mais informações sobre o seminário e conferir a programação completa acesse o site http://labmidiaesporte.weebly.com/

CategoriasArtigos

Em breve novos vídeos no canal do LEME no Youtube

Quando o Laboratório de Estudos em Mídia e Esporte (LEME) foi criado, um dos grandes objetivos era veicular material audiovisual (entrevistas, palestras, pensamentos) por meio do Youtube. Em um primeiro momento, gravamos um programa piloto com o coordenador do grupo de pesquisa “Esporte e Cultura” e do LEME, Ronaldo Helal. Agora, estamos finalizando a edição de mais alguns vídeos com dois pesquisadores de destaque no campo dos estudos sobre o fenômeno esportivo: Hugo Lovisolo e Gilmar Mascarenhas. Liberamos hoje os primeiros teasers dessas entrevistas. Aguardamos críticas e sugestões nos comentários ou via email!

*O primeiro vídeo a carregar é o do professor Gilmar Mascarenhas. Por ser uma playlist de vídeos, logo em seguida, automaticamente, o vídeo do professor Hugo Lovisolo é iniciado.

 

A segunda era Dunga

terça-feira, agosto 19, 2014 Deixe um comentário
dunga

Foto: Rafael Ribeiro / CBF

Com a convocação realizada nesta terça, começa para valer a segunda era Dunga na seleção brasileira. Ao contrário de sua passagem inicial pelo comando do selecionado brasileiro, na qual a conquista da Copa do Mundo de 2010 era o objetivo principal, agora a meta inicial é ajudar o futebol brasileiro a recuperar o prestígio e o protagonismo no âmbito internacional, de forma que em 2018, quando acontece o próximo Mundial, o Brasil chegue em condições reais de lutar pelo título.

Dunga retorna à seleção após a frustrante campanha da seleção brasileira na Copa de 2014, competição na qual o time comandado pelo técnico Luiz Felipe Scolari terminou na quarta posição após duas derrotas, 7 a 1 para a Alemanha na semifinal – a maior goleada sofrida pelo Brasil em sua história -, e 3 a 0 para a Holanda na disputa pelo terceiro lugar.

O momento negativo da equipe brasileira ficou ainda mais evidenciado na última semana, quando a Fifa (Federação Internacional de Futebol) publicou seu relatório técnico sobre o último Mundial, documento no qual classifica a performance do Brasil diante da Alemanha como “deplorável”.

Após a competição, a imprensa brasileira tem insistido na tese de que o futebol brasileiro necessita passar por um processo de recuperação que envolveria uma aposta no profissionalismo e na organização, e o retorno do futebol arte, estilo de jogo que é constantemente relacionado à conquista de títulos pelo futebol brasileiro no passado.

Diante deste panorama, a volta de Dunga à seleção não foi recebida com entusiasmo pela crônica esportiva, especialmente quando se considera o perfil do treinador e o trabalho realizado por ele em sua primeira passagem pelo time nacional.

Apesar de ser o capitão da seleção que conquistou a Copa de 1994, atualmente Dunga é mais lembrado como o representante de uma proposta de jogo que prioriza elementos como espírito de equipe, compromisso e combatividade, em detrimento de um futebol fundado na habilidade e na inventividade.

Em entrevistas anteriores à convocação desta terça, o treinador sinalizou que uma de suas metas é levar o Brasil de volta ao topo do futebol mundial. Contudo, o caminho escolhido por Dunga parece não ser o que mais agrada a imprensa esportiva, como indica em entrevista, concedida a O Globo, de título “’Tem que trabalhar muito’ – Às vésperas da primeira convocação na volta à seleção, técnico avisa: ‘Não dá para acreditar que o improviso e um único talento (Neymar) vão resolver tudo’” (17/08/2014, p.58).

O tempo dirá se as opções feitas por Dunga são ou não acertadas, mas é certo que as narrativas da imprensa esportiva sobre o trabalho do treinador serão um rico material para os estudos voltados para a interface da comunicação com o esporte e a cultura.

E você, o que achou desta convocação e do início da Inicia a nova era Dunga?

Paulo e Hilda: pela explicação do retorno.

sexta-feira, agosto 15, 2014 2 comentários

Tin, tin, tin,

Gol de Valentin

(refrão cantado pelos torcedores de Boca para Paulo Valentim).

Paulo_Valentim

Paulo Valentim

O tempo está fresco em Belo Horizonte neste último domingo do mês de julho de 2014. Desço para tomar o café da manhã no Hotel e passeio pelas folhas do Estado de Minas. Tem uma boa matéria sobre Hilda Furacão, personagem criado por Roberto Drummond, a partir da sua realidade suposta em seus tempos de solteira, Hilda Maia Valentim, após casamento com Paulo. A série homônima da rede globo utiliza como base o romance de Drummond.

O nome de Paulo Valentim faz cócegas em minha memória. Eu me lembro dele!

Futebolistas brasileiros eram contratados pelos clubes argentinos antes de recentes contratações de argentinos pelos brasileiros. De fato, um bom estudo sobre essas contratações entre os países vizinhos diria coisas interessantes sobre o futebol, os clubes e os contextos nos quais estão inseridos.

Volto ao Paulo. Jogou pelo Boca Juniors entre meados de 1960 e 1964. A pouco de ter chegado ao clube, fez seu gol inicial em amistoso com o Racing Club de Mar del Plata. Isso não foi nada. Em setembro de mesmo ano fez dois gols contra o adversário River Plate. Tornou-se ídolo da torcida “bostera” e matéria dos jornais esportivos.  No tempo de Boca fez 128 gols, perto de 30 por ano.  A “pareja”, ele e Hilda, apareciam em eventos e nas páginas sociais de jornais e revistas.  A vida parecia ser boa, agitada e boemia.

Paulo nasceu em Barra do Piraí em 1932. Uma juventude inquieta onde os tragos, se conta por aí, esquentavam a máquina para aventuras mais de fundo, corpo a corpo.  Como sempre, o pai, cansado de guerras, o enviou para Belo Horizonte. Tinha iniciado sua carreira no Central de Piraí e passou pelo Guarani de Volta Redonda. Em Belo Horizonte deu um salto significativo: foi contratado pelo Atlético Mineiro durante um ano (1955/56) onde fez 33 gols. Deve ter sido um craque para Roberto Drummond, atleticano até na vida, que compôs o famoso hino cuja destacada frase “o atleticano torce contra o vento” ainda se escuta, embora sem referência bibliográfica.

cats

Hilda Maia Valentim

O romance de Hilda Furacão parece encaixar no imaginário futebolístico e quase no certamente boêmio do autor e do ídolo futebolístico. Compartilhavam experiências em comum. Do Atlético, Paulo saltou para o Botafogo (1956/1960) puxado pela confiança de João Saldanha em suas avaliações, que deveriam superar os gestos icônicos da vida boemia: álcool, fumo e sexo. No tempo de Botafogo fez quase 140 gols e participou de partidas memoráveis. Naquela época, o Botafogo não era para jogadores mornos. Sempre será lembrado o jogo de 1957 contra o fluminense: cinco gols de Paulo e um de Garrincha. Resultado final 6×1.

Depois de Boca, já no Brasil novamente, terá uma rápida passagem de um ano pelo São Paulo, dez jogos e quatro gols. Encerrou sua carreira futebolística no Monterrey de México.

A seguir a história da decadência. Parece que trabalhou como estivador no próprio México. Do estrelato à pobreza. Paulo morreu pobre em 1984, jovem com apenas um pouco mais de cinquenta anos. Penso que morreu em Buenos Aires, embora não tenha confirmação deste dado.

O foco da matéria do Estado de Minas é Dona Hilda com 83 anos refugiada em um asilo público municipal de velhos em Buenos Aires, alternando momentos de lucidez com esquecimentos. De fato, o casal voltou para Buenos Aires e as informações situam Paulo formando jogadores. Afirma-se que viajou de retorno para a Argentina com o apoio de amigos generosos. Contudo, não sabemos muito desses amigos nem mesmo se eram brasileiros ou argentinos. Poderíamos agradecer ao Governo da Ciudad de Buenos Aires que mantém o refugio onde Hilda está asilada junto com uma nora, viúva de um dos filhos que teve com Paulo.

O casal tinha morado quatro anos na Argentina, especificamente em Buenos Aires. Mesmo considerando que tivessem sido anos muito intensos, com alto reconhecimento profissional do Paulo e social de ambos, dizem que Hilda era tratada como primeira dama no Boca Junior. Teriam sido suficientes os rescaldos dessas experiências para provocar a opção pelo retorno à Argentina?

As teorias da migração enfatizam tanto as forças de expulsão quanto as de atração para explicar as opções dos migrantes. Contudo, no plano da biografia as razões se tornam mais existenciais, mais emocionais e menos dominadas por condições coletivas. A opção de Paulo e Hilda pelo retorno à Argentina mereceria tanto uma explicação sociológica quanto uma segunda parte do romance de Hilda Furacão.

Ainda dá tempo! Vamos trocar figurinhas?

terça-feira, agosto 12, 2014 Deixe um comentário

Sabemos que a Copa do Mundo de 2014 no Brasil ainda vai render muito, inclusive postagens aqui em nosso blog. E no próximo mês, durante o Intercom – Congresso Nacional de Comunicação, no Grupo de Trabalho de Comunicação e Esportes, apresentarei um artigo com a temática da troca de figurinhas do álbum da Copa do Mundo e toda a mobilização dos colecionadores.

foto1Coincidentemente, no último domingo, 10/08, um familiar pediu que eu fosse trocar figurinhas na banca de jornal perto de casa, em São Gonçalo – RJ, para um álbum ainda não completo. A surpresa foi encontrar um pequeno grupo ainda reunido na busca pela conclusão do livro, semanas após o encerramento da Copa do Mundo no Brasil. Curioso ainda é que nem o pesadelo da partida entre Brasil e Alemanha desanimou pais e crianças na missão “trocar figurinhas”. E eu consegui os cromos que estavam faltando.

As figurinhas da Copa do Mundo foram confeccionadas na fábrica da Panini, em São Paulo. O álbum conta com 639 figurinhas entre jogadores das 32 seleções presentes no Mundial, fotos das equipes, escudos, bandeiras e estádios. Algumas dessas figurinhas são brilhantes, consideradas mais valiosas pelos colecionadores. O álbum também foi lançado em mais de 110 países. A Panini não informa a tiragem ou faturamento do álbum, mas já divulgou que os investimentos foram superiores a R$ 2,5 milhões, com previsão de reimpressão do livro.

Dessa forma, aqui apresento pontos do trabalho realizado a partir da “febre” nacional que se tornou a coleção do álbum de figurinhas da Copa do Mundo de 2014, já que o tema ainda é atual. Com a pesquisa, na observação de vários grupos de troca localizados no Rio de Janeiro, Niterói, São Gonçalo, Vitória /ES e São Paulo foi possível identificar que essa foi mais uma das formas de mobilização realizada a partir da Copa do Mundo no Brasil. Cabe ressaltar que até mesmo nas reuniões do nosso grupo de pesquisa ocorria a troca de figurinhas.

A Copa do Mundo representa para os brasileiros o evento que mais concentra pessoas com o mesmo objetivo, ressaltando o sentido de “comunidade reunida” (GASTALDO, 2002). Isso foi notado em todo o país durante o torneio.  E colecionar álbuns de figurinhas da Copa é tradição no Brasil. Edições das Copas de 1950 e de 1970 podem ser adquiridas em sebos, com valores variando entre R$ 5 e R$ 17 mil. A edição completa do álbum de 2014 também estava disponível para compra, no valor de R$ 300 (Revista O Globo de Domingo – 25/05/2014 – Jornal O Globo), porém a importância em colecionar o livro ilustrado também está em abrir os pacotes e juntar cromos.

Nesse sentindo, a reunião de pessoas para trocar figurinhas também representa o sentido de comunidade reunida, quando as relações interpessoais são fortalecidas em um grupo com interesse comum como observado nesses encontros. Ao contrário de gastar R$ 1 por um pacote com cinco figurinhas, os colecionadores entravam em acordo nos grupos que se reuniam em bancas, esquinas, colégios e shoppings para a troca. E essa não era apenas uma brincadeira ou uma atividade de lazer. As pessoas levaram, e ainda levam, a confecção do álbum e a organização dos encontros a sério, com regras pré-estabelecidas para a troca e venda de figurinhas.

foto2Outro ponto de destaque foi a forte presença feminina. Eram meninas, adolescentes, mães, tias, irmãs e avós trocando figurinhas e palpitando sobre a Copa do Mundo. Curiosamente, o papel desempenhado pelas mulheres propiciou uma maior identificação, participação e desenvoltura para interagir com outras pessoas envolvidas na atividade. Em alguns dos locais visitados, como no Rio e em Niterói, foi possível identificar presença feminina superior a dos homens, principalmente se for considerada a faixa etária dos frequentadores.

Amplamente divulgado nas redes sociais e nos grupos visitados em São Gonçalo e em Niterói, durante a última semana da Copa do Mundo, foram as mobilizações de assistentes sociais e psicólogos em torno do álbum. Estes recolhiam exemplares de figurinhas repetidas entre os membros desses grupos para levar ao Ambulatório de Saúde Mental de Niterói, e serem utilizadas durante oficinas terapêuticas, visando trabalhar a socialização entre pacientes e sociedade. Também o jogador da seleção brasileira, Neymar, divulgou em sua página oficial na rede social Instagram ação semelhante ocorrida no Estado de São Paulo, esta inclusive apoiada pela Panini. Esta seria também uma alternativa de resignificação para o processo de troca de figurinhas.

Obviamente, o álbum de figurinhas foi mais uma das ações promocionais da Copa do Mundo no Brasil e sua principal temática, o futebol, por si só tem a característica de reunir classes e promover a concentração de pessoas, o que pode explicar a “febre” do livro ilustrado. Logo, não dá para negar que são muitas as possibilidades de estudo e pesquisa a partir do megaevento no Brasil. E esse olhar direcionado aos grupos reunidos para a troca de figurinhas, nos permite compreender as redes de sociabilidades formadas a partir da mobilização em prol do evento realizado no país, os afetos partilhados entre os frequentadores e o sentido de pertencimento a uma comunidade.

Que saudade da Copa do Mundo!

 

Referências:
GASTALDO, Édison. Pátria, Chuteiras e propaganda: o brasileiro na publicidade da Copa do Mundo. São Paulo: Annablume, 2002.
MAFFESOLI, M.Comunidade de Destino. Horizontes Antropológicos. Ano 12, N. 25. Alegre: 2006.
SENNET, Richard. Carne e Pedra. Tradução Marcos Reis. 3ª Ed. RJ: Record, 2003.
Panini: http://www.panini.com.br/

O fundo do poço

terça-feira, agosto 5, 2014 Deixe um comentário

Nem um mês. Vinte e poucos dias após o tetra alemão, o fim da Copa, vivemos, a meu ver, um dos momentos mais difíceis da história do futebol brasileiro. O Maracanazzo foi um sonho ruim perto do pesadelo de 2014. A crise do fim dos anos 1980 e início dos 1990, ainda nos dava esperança com uma geração jovem talentosa e vitoriosa na base e os clubes em parcerias com grandes patrocinadores. Agora não. O fim do Mundial desvelou uma crise em todos os sentidos. Das questões técnicas dos jogadores ao financeiro dos times.

E as decisões tomadas pela CBF? Para uma seleção que sofreu com questões psicológicas, o técnico que ficou marcado pelo nervosismo em 2010. Para coordenação, um agente de jogadores. Fica uma desconfiança da qualidade e lisura do trabalho. Afasta o torcedor.

Se olharmos para a situação dos clubes, ainda mais preocupação. Dívidas milionárias. Vejamos o Botafogo, por exemplo. Um grande do país envolto em um momento de preocupação. Ameaça de não jogar. Realidade de não pagar. Fraudes. E não é só ele. Administrações a beira do caos. Em campo, jogos ruins, pouca qualidade técnica. Pela primeira vez em 23 anos, o país não colocou uma equipe entre os semifinalistas da Libertadores. Os times brasileiros perderam espaço até no virtual, estão fora do jogo Fifa 2015.

Uma crise de cuidado com os novos jogadores, a ligação com empresários, os “clubes empresas” que só visam o lucro, queimam a geração. Muito se diz sobre safra. Se colhermos muito, antes do período certo, esgotamos a lavoura. Aí, Adrianos vão se perder com a fama repentina. Ronaldinhos vão desanimar antes do prazo diante de tanta riqueza. Brunos e Brenos vão se achar acima do bem e do mal. Rússias, Ucrânias e Arábias levarão nossos meninos para um calabouço de esquecimento. Serão 16 anos sem títulos de Copa até a Rússia.

E a imprensa? Críticas veladas, mas nada que nos acorde para a real situação. Talvez não seja isso que queiramos ler, ouvir. Repare nas reportagens mais lidas dos sites de notícias. Tem mais cara de fofoca do que jornalismo. Esporte é entretenimento, mas não só.

Talvez a Lei de Responsabilidade Fiscal do Esporte seja uma luz. A chance de deixarmos as administrações amadoras para trás. De punir quem não cumpre com o que deve. Seria um começo. Mas a chacoalhada que o futebol brasileiro precisa, não vem só daí. O poço é fundo, mas tem saída. Basta que os responsáveis queiram.

O vilão de sete vidas: da “tragédia de 1950″à “vergonha de 2014″

terça-feira, julho 29, 2014 Deixe um comentário

Somente 2 técnicos retornaram à seleção sem terem sido campeões mundiais em Copa: Telê Santana (1982-1986) e Dunga (2010 – 2014). Com uma diferença fundamental entre ambos. Enquanto Telê Santana não foi considerado vilão da tragédia de Sarriá e gozava de grande prestígio e popularidade em seu retorno à seleção, para a Copa de 1986, o mesmo não podemos dizer de Dunga que saiu da Copa de 2010 como o grande vilão da eliminação da seleção.

Dunga é o vilão de sete vidas. E seu retorno aponta para possíveis mudanças tanto na forma de se narrar as derrotas da seleção em Copas quanto no que diz respeito a aspectos da organização do futebol brasileiro.

Além desse improvável retorno, há fenômenos absolutamente fascinantes de serem observados após a Copa de 2014.

Em primeiro lugar, chama a atenção o louvor ao futebol alemão feito por grande parte da imprensa esportiva. O futebol alemão que por tanto tempo foi tomado como sinônimo de antifutebol foi compreendido como o exemplo a ser seguido pelo futebol brasileiro, tanto em termos de organização esportiva como no que diz respeito aos aspectos técnicos e táticos.

Se pensarmos que há algum tempo atrás o estilo de futebol brasileiro se construiu em oposição ao futebol europeu, concebido como excessivamente pragmático e sem arte, é de se causar certo espanto todos os elogios lançados sobre os alemães.

Não há nada de negativo nessa postura, desde que feita sem recorrer a concepções estereotipadas e em opiniões pouco fundamentadas.

A Copa de 2014 foi surpreendente também por proporcionar eliminações precoces de grandes seleções e ótimas atuações de times com pouca tradição no futebol mundial.

Mas a Copa de 2014 nos deu também a oportunidade de testemunharmos a maior goleada sofrida pela seleção brasileira nos seus cem anos de existência. Goleada sofrida no torneio mais importante de futebol, torneio que tem o Brasil como o país cuja seleção tem o maior número de títulos de campeã.

Alemanha 7 x 1 Brasil foi o resultado final de um jogo recebido por grande parte da imprensa esportiva como a maior vergonha da longa trajetória da seleção nacional.

Algumas capas de jornais do dia seguinte ao jogo Alemanha X Brasil traziam a palavra vergonha estampada. O jornal Lance! publicou uma capa em branco e na parte inferior dizia-se: “indignação, revolta, dor, frustação, irritação, vergonha, pena, desilusão… diga o que estão sentindo e faça você mesmo esta capa do Lance!” (9/07/2014). A mesma tática de não publicar uma capa foi usada pelo jornal popular Meia Hora que dizia “Não vai ter capa. Hoje não dá pra fazer graça, a gente ficou com vergonha. Amanhã nós voltamos” (9/07/2014). Já O Globo estampou em sua primeira página a foto de Davi Luiz chorando e acima a manchete: “Vergonha, vexame, humilhação” (09/07/2014).

Outra constante na recepção da imprensa foi o acionamento da derrota de 1950, algo que já era de se esperar. Esse acionamento foi feito em grande medida com o objetivo de demonstrar que a eliminação da seleção da Copa de 2014, com uma goleada, havia sido uma derrota que redimiria aquela sofrida diante dos uruguaios, em 1950.

Podemos ver esse aspecto nas palavras de José Roberto Torero em sua crônica “Obrigado, diria o técnico da seleção de 1950 a Felipão (Folha de São Paulo, 09/07/2014) ou nas de Thiago Salata que escreveu em sua coluna no Lance!: “Tragédia de 50 perde espaço para a vergonha de 14 nos livros de história” (09/07/2014, p.13)

Esse viés interpretativo se fez notar de maneira incisiva nos jornais Extra Diário de Pernambuco.

tumblr_n8gtonUA2u1qlukpso1_1280

01capa_610_1Ambos usaram a mesma foto em que se mostra o goleiro Barbosa caído após o gol de Ghiggia e ao fundo Bigode com as mãos na cabeça. O primeiro jornal diz “Parabéns, aos vice-campeões de 1950 que sempre foram acusados de dar o maior vexame do futebol brasileiro. Ontem conhecemos o que é vexame de verdade” (9/07/2014). E o Diário de Pernambuco estampou: “Barbosa descanse em paz.” em referência ao goleiro da seleção, o principal vilão eleito da Copa de 1950. Segundo o jornal se a derrota de 1950 parecia até então “Uma decepção que, pensava-se, jamais seria repetida. Infelizmente aconteceu e foi pior. A goleada de ontem envergonhou a nação, mas redimiu Barbosa” (09/07/2014).

É possível que a goleada sofrida pela seleção brasileira na Copa de 2014 possa lançar alguma perspectiva diferente em relação a derrota de 1950.

Mas na verdade, a recepção da Copa de 2014, realizada no Brasil, demonstra que houve consideráveis mudanças ocorridas no modo de se narrar a derrota da seleção brasileira, o que torna possível considerar que a aproximação de 1950 e 2014 se faz por laços tênues, pois há diferenças importantes a serem levadas em consideração.

Tais diferenças se fazem presentes tanto em termos narrativos assim como se explicita em alguns acontecimentos perceptíveis no campo esportivo.

 

1950: A DERROTA MÍTICA E O NASCIMENTO DE UMA NAÇÃO

A derrota de 1950 é única. A derrota de 1950 é mítica. E dificilmente perderá seu caráter aurático, devido a uma série de aspectos que pouco provavelmente se repetirão novamente.

Primeiramente é preciso destacar que a derrota para o Uruguai em 1950, extrapolou e muito as quatro linhas do campo, sendo compreendida como uma derrota da nação. Como a antropóloga Simoni Guedes já observou, é notável, em alguns momentos da história do país, a passagem “da análise de uma derrota no terreno futebolístico para a análise do povo brasileiro como um todo (Guedes, 1998, p.21). Essa transposição marcou a recepção da derrota de 1950 e esse aspecto fica claro na crônica de José Lins do Rego, publicada no Jornal dos Sports:

Vi um povo de cabeça baixa, de lágrimas nos olhos, sem fala, abandonar o Estádio Municipal como se voltasse do enterro de um pai muito amado (…) E, de repente, chegou-me a decepção maior, a ideia fixa que se grudou de que éramos mesmo um povo sem sorte, um povo sem as grandes alegrias das vitórias, sempre perseguido pelo azar, pela mesquinharia do destino (JS, 18/07/1950).

Apesar de a derrota para o Uruguai ter sido recebida com intolerância, forte descontentamento e tenha provocado discussões, é importante frisar que houve, ao mesmo tempo, uma clara e insistente tentativa de amenizar o impacto daquele fracasso. As manchetes das primeiras páginas dos jornais que tratavam da perda do título para o Uruguai podem causar espanto para nós contemporâneos, acostumados a conhecer aquela derrota pela denominação “tragédia do Maracanã”. O Jornal dos Sports – um dos mais importantes periódicos esportivos do país na época – escreveu em sua primeira página a frase: “Uruguai campeão de fato, mas o Brasil, melhor team do mundo” (18/07/1950). O Globo, por sua vez, conseguiu ser um pouco mais direto: “Campeão o Uruguai” (17/07/1950). Outro importante periódico esportivo, Esporte Ilustrado, escreveu: “Atuando com grande entusiasmo e espírito de luta, a representação uruguaia vence o IV campeonato mundial de futebol” (27/07/1950). Embora tenha havido claras acusações aos jogadores, também foi perceptível a tentativa de minimizar a decepção causada pela derrota, o que se fez notar nas manchetes principais de alguns importantes jornais.

Diferentemente de 2014, em 1950, dias antes do jogo decisivo contra o Uruguai havia a quase certeza de que a seleção brasileira seria campeã mundial, o que se faz notar nas páginas da imprensa esportiva nas quais criou-se um clima de grande otimismo em torno da vitória diante dos uruguaios, como demonstrava a “profética” manchete de a Gazeta Esportiva: “Venceremos o Uruguai” (apud, Perdigão, 1986, 69). Ou então podemos citar a famosa manchete do jornal “Estes são os campeões do mundo” estampada no jornal O Mundo (apud Perdigão, 1986, 68).

A derrota sofrida contra o time uruguaio soou surpreendente, não apenas porque a seleção precisava apenas de um empate, mas também, porque a Celeste Olímpica fez uma campanha modesta vencendo de modo apertado adversários que o Brasil tinha goleado.  Em 1950, pela 1a vez a conquista do mais importante campeonato de futebol deixava de ser um sonho distante e se tornava algo não apenas possível, mas até mesmo certo. A seleção brasileira em campo jogava bem, recebia elogios de jornalistas brasileiros e estrangeiros.

A esse aspecto soma-se as circunstâncias do jogo, sobretudo o gol tomado aos 33min30s do segundo tempo, depois de uma bola chutada por Ghiggia. Bola cuja trajetória formava um ângulo com a linha de fundo de cerca de 20 a 25 graus, segundo informou Paulo Perdigão (1986, 145). Condições essas pouco favoráveis a um chute direto, o que fazia parecer impossível que a bola entrasse. Mas ela entrou.

Mas como sabemos a seleção perdeu o jogo decisivo e como Mario Filho disse em crônica “A ameaça da derrota veio no pior dos momentos: quando a vitória se esperava assegurada.” (Jornal dos Sports, 18/07/1950, p.5).

Parecia coisa do destino ao qual José Lins do Rego fez referência. Destino que colocava em xeque não apenas o futebol brasileiro, mas seu próprio país. Aquele mau resultado foi, muitas vezes, tomado como um sinal de que o Brasil era uma nação cujo perfil se desenhava sombrio e marcado pelo fracasso. Tratava-se da encenação de uma questão antiga que se relacionava à “deficiência da raça brasileira, temática que se prolongava desde a época do Estado Novo” (VOGEL, 1982, 99).

A derrota de 1950 transformou-se em uma “tragédia” constantemente relembrada, o que em parte também se relaciona à presença de uma “cultura da memória” na contemporaneidade como propõe Andreas Huyssen. Nessa cultura “nem sempre é possível traçar uma linha de separação entre passado mítico e passado real” (2000, p. 16).  Continuando o diálogo com Huyssen a derrota da seleção brasileira em pleno Maracanã tomado por 200 mil pessoas, assim como ocorreu com o naufrágio do Titanic, também foi apropriado pelo “entretenimento memorialístico” (200, p. 14) e não sem motivos a cena do gol de Gigghia pode ser assistida na sala intitulada “Rito de Passagem” do Museu do Futebol em São Paulo.

A derrota de 1950 consolidou a figura do vilão como personagem fundamental às narrativas da derrota da seleção, vilão que foi paradigmaticamente encarnado pelo goleiro Barbosa. Vilão paradigmático porque – mesmo que não seja justa sua culpabilização – a imagem do goleiro jamais conseguiu desvincular-se da derrota de 1950. E a derrota de 1950 jamais conseguiu ser contada sem que no centro de sua narrativa estivesse Barbosa.

 

A pouca tecnologia e a ausência das transmissões de TV, com suas inúmeras câmeras, facilitaram a emergência de relatos diversos. Ao longo dos anos histórias vividas e imaginadas compuseram a trama da “tragédia de 1950” que com o tempo se converteu em um momento absolutamente fundamental na composição narrativa da história da seleção brasileira, já que representou a queda trágica, típica aos grandes e que, posteriormente, foi superada pelas vitórias.

1950 é uma espécie de mito fundador do futebol brasileiro.

 

Alemanha 7 x 1: não há tragédia, há vergonha e o retorno do vilão

Em 2014 o contexto é absolutamente outro.  Nele ocorre o que há muito tempo não se via no discurso da imprensa esportiva: o reconhecimento a superioridade do adversário da seleção brasileira e que, portanto, a derrota era algo possível. Essa expectativa negativa se alimentava sobretudo por conta da ausência do principal jogador da seleção brasileira da Copa do Mundo. Nas quartas de final, em jogo contra a Colômbia, Neymar fraturou uma vértebra após sofrer uma falta violenta do jogador colombiano Zúñiga e foi cortado do mundial.

Para agravar a situação, nesse mesmo jogo, Thiago Silva foi punido com cartão amarelo, o terceiro, fato que o suspendia da próxima partida. Sem Neymar e sem o capitão e principal zagueiro, as expectativas de vitória da seleção foram fortemente diminuídas, fazendo surgir a preocupação com as possíveis soluções táticas para fazer a seleção brasileira jogar e ganhar mesmo com a ausência desses dois importantes jogadores.

Na véspera do jogo, Renato Maurício Prado pergunta “Qual será, afinal, o time do Brasil sem Neymar” dúvida que perpassou grande parte das páginas da imprensa esportiva até mesmo porque o técnico Luiz Felipe Scolari não anunciou quem seriam os jogadores que iriam a campo. A ausência de seu mais importante jogador gerou forte preocupação, o que se pode notar em matérias que demonstravam a dificuldade que a seleção enfrentaria. Por isso, segundo a Folha de São Paulo “Sem Neymar, seleção abandona discurso de favoritismo …” (D4, 08/07/2014).

Além dessas ausências, é importante considerar que de um modo geral as atuações da seleção brasileira não foram capazes de despertar muitos elogios da imprensa esportiva, o que reforçou a desconfiança de que a seleção brasileira talvez não conseguisse sair vitoriosa do jogo contra a seleção alemã.

Nesse contexto, a derrota era algo que se fazia possível no horizonte de expectativas de torcedores e de parte da imprensa esportiva. Não apenas possível como até mesmo desculpável. Nos dias que antecedem a partida, a atenção se volta para a contusão sofrida por Neymar, fato extensamente dramatizado pelo discurso da imprensa e pela exibição do vídeo veiculado pela CBF em que o jogador chorando afirma que “Me tiraram o sonho de disputar uma final de Copa do Mundo. Mas o sonho de ser campeão mundial, ainda não acabou”. As máscaras com o rosto de Neymar produzidas pela campanha “somos todos Neymar”, criada por uma agência publicitária, mostra a atmosfera de comoção em torno de sua ausência, sentimento amplamente fomentado por diversas instâncias.

Perder nesse contexto, era algo compreensível. Aspecto incomparável com 1950, quando a vitória era tida como certa.

Em 2014, o que surpreendeu e tornou a derrota inaceitável foi o seu tamanho: 7 x 1. Esse placar elástico, pouco típico em jogos de Copa do Mundo, sobretudo em se tratando da seleção brasileira, é que transformou a perda na semifinal em “Vergonha, vexame, humilhação” (O Globo 09/07/2014).

Em relação a ênfase na palavra “vexame” e “humilhação” é válido frisar que essas palavras frequentemente usadas para se definir o resultado Alemanha 7 x Brasil 1, são palavras que fazem referência ao abalo de uma hierarquia, pois têm como pano de fundo o glorioso histórico da seleção brasileira em Copas do Mundo.

Porém, diferentemente de 1950, a derrota em campo, não foi compreendida como uma derrota da nação. Esse tipo de análise seria pouco provável nos dias atuais por diversos motivos entre os quais se destaca a questão de que há um gradativo enfraquecimento da relação entre futebol e identidade nacional, o que significa dizer que “as narrativas em torno da seleção brasileira de futebol já não tratam de forma homogênea o futebol como metonímia da nação” (HELAL,2003, 2) . Portanto, a derrota para a Alemanha não foi compreendida como uma derrota do país, mas como um vexame de ordem esportiva.

Outro fator diferenciador fundamental diz respeito ao recurso às novas tecnologias, especialmente, das mídias eletrônicas. Se em 1950 havia uma carência de imagens e a possibilidade de um discurso mais homogêneo em torno da seleção, hoje em dia, esse fenômeno é bastante dificultado pelas diversas vozes dissonantes que surgem em blogs, sites de relacionamento e diversas outras ferramentas disponibilizadas pela internet.

E nos usos dessas ferramentas destacam-se apropriações humoradas da derrota da seleção brasileira para a Alemanha e os inúmeros memes surgidos, ainda enquanto o Brasil jogava com a Alemanha:

bsdpo0timaa5lzz_jpg_large_

naza

 

Até mesmo a imprensa recorreu ao humor:

meia-hora_10072014

Esse tipo de apropriação da derrota de forma humorada é algo pouquíssimo notável em 1950 quando imperou um tom sério e cerimonioso à perda do jogo para o Uruguai.

Embora seja compreensível que incialmente tenha se recorrido à comparação entre 1950 e 2014, é preciso ressaltar que em primeiro lugar essa comparação somente faria sentido se a seleção de 2014 tivesse chegado à final. Dessa forma teríamos patamares comparativos mais pertinentes. O que não foi o caso. A seleção de 2014 foi eliminada em uma semifinal, o que tem um peso bem menor do que se a derrota ocorresse em uma final de Copa.

Além dessa diferença fundamental, a derrota da seleção em 2014 – na verdade, as derrotas somando-se a da disputa do terceiro lugar – marca uma guinada na história dos vilões das derrotas da seleção e aponta para aspectos preocupantes do futebol brasileiro.

 

O reinado dos vilões
Se a derrota de 1950 provocou uma série de mudanças na seleção brasileira, o que inclui até mesmo a aposentadoria do uniforme branco que foi substituído pelo agora tradicional uniforme canarinho, as derrotas de 2014 tiveram consequências razoavelmente surpreendentes e que aguardam análises futuras.

Em termos narrativos é possível afirmar que embora tenha sido tomada como vexatória, a derrota de 2014 para a Alemanha não teve um vilão como protagonista. Em grande medida isso ocorreu porque o placar elástico evidenciou que seria no mínimo inverossímil culpar apenas alguns jogadores ou mesmo somente o técnico.

Luiz Felipe Scolari chegou a ser amplamente questionado pela imprensa esportiva, mas não houve um discurso mais incisivo que deixasse em evidência que a responsabilidade da derrota era dele.

Culpabilizou-se a CBF, o atraso do futebol brasileiro, a falta de investimento nas categorias de base e pediu-se mudanças urgentes na estrutura do futebol brasileiro. Pediu-se constantemente por renovação.

Geralmente as pressões vindas da imprensa costumam gerar consequências imediatas, sendo a primeira delas a troca do treinador perdedor. Geralmente essa mesma imprensa costuma recorrer ao respaldo da voz popular trazendo à cena pesquisas de opinião pública. Entre os dias 15 e 16 de julho, em 233 municípios brasileiros, com 5.377 entrevistados, o Datafolha buscou saber qual técnico seria o preferido pela torcida brasileira. Em primeiro lugar com 24% da preferência surgiu o nome de Tite, ex-técnico do Corinthians. A maioria dos entrevistados também disseram ser contra a presença de um técnico estrangeiro à frente da seleção.

De fato Luiz Felipe Scolari deixou o cargo de técnico.

Entretanto… o “novo” técnico da seleção escolhido foi Dunga.

Somente 2 técnicos retornaram à seleção sem terem sido campeões mundiais em Copa: Telê Santana (1982-1986) e Dunga (2010 – 2014). Com uma diferença fundamental entre ambos. Enquanto Telê Santana não foi considerado vilão da tragédia de Sarriá e gozava de grande prestígio e popularidade em seu retorno à seleção, para a Copa de 1986, o mesmo não podemos dizer de Dunga que saiu da Copa de 2010 como um dos vilões da eliminação da seleção.

Após aquela derrota era de se esperar que Dunga nunca mais voltasse a comandar a seleção, ou como disse a manchete de O Globo, seria “O fim (definitivo) da era Dunga” (03/07/2010).

Mas ele voltou. Sem ser redimido por uma vitória, o vilão retornou ao mais alto posto da seleção brasileira.

Embora os vilões sejam personagens das narrativas da derrota da seleção em Copas e carreguem consigo uma dimensão simbólica cujo alcance tem suas claras limitações, é preciso estar atento ao fato de que tais personagens dialogam com dimensões concretas do futebol.

Após 1950 Flávio Costa comandou diversos times importantes, mas jamais voltou a dirigir a seleção brasileira. O mesmo ocorreu com vários outros técnicos cujo insucesso em Copas do Mundo mancharam suas carreiras de tal modo que seu retorno à seleção brasileira se tornou inviável.

Mas com Dunga tudo foi surpreendentemente diferente.

Ele é o vilão de sete vidas, representante de uma nova era. Não sei se exatamente a era Dunga

E seu retorno nos faz pensar quais mudanças estão ocorrendo no território futebolístico nacional.

Mudanças preocupantes, pelo visto, pois os vilões de hoje estão ganhando força, deixando de ser somente um personagem fruto de concepções idealizadas em torno do futebol brasileiro e que tinham como função sobretudo dramatizar os efeitos narrativos de uma derrota.

Os vilões de hoje são arrogantes, se inserem e circulam graças a laços políticos escusos de um futebol cada vez mais permeado por interesses particulares.

Mas essas questões carecem de análises futuras mais detidas.

 

Referências

GUEDES, Simoni Lahud. O Brasil no campo de futebol. Rio de Janeiro: EdUFF, 1998.

HUYSSEN, Andreas. Seduzidos pela memória: arquitetura, monumentos, mídia. Rio de Janeiro: Aeroplano, 2000.

HELAL, Ronaldo e SOARES, Antônio Jorge. O Declínio da Pátria de Chuteiras: futebol e identidade nacional na Copa do Mundo de 2002. In: Associação Nacional Dos Programas De Pós-Graduação Em Comunicação, XII, 2003, Recife. Compós. Congresso: Associação Nacional dos Programas de Pós-Graduação em Comunicação, 2003.

VOGEL, Arno. O momento feliz, reflexões sobre o futebol e o ethos nacional. In: DAMATTA, Roberto et ali. Universo do futebol. Rio de Janeiro: Pinakotheke, 1982.

 

Debate em 2 Tempos: A Fantasmagoria da Derrota, o Futebol como Metáfora

O IEA-USP, instigado pelas consecutivas derrotas do time brasileiro na Copa do Mundo, iniciou uma discussão interna sobre o tema e decidiu trazer especialistas no assunto para uma mesa-redonda amanhã, 25 de julho, às 10 horas. O Debate em 2 Tempos: A Fantasmagoria da Derrota, o Futebol como Metáfora abordará o papel do futebol na identidade nacional e o quanto a derrota afeta a autoestima da nação e a imagem do país, nacional e internacionalmente, não só no futebol, mas principalmente nas esferas sociopolíticas, econômicas e culturais.

Contaremos com a participação de Bernardo Sorj, Daniela Alfonsi, Fernando Mires, Germán Labrador Méndez, Lorenzo Mammì, Luiz Carlos Ribeiro, Massimo Canevacci e Ugo Giorgetti. O debate será conduzido por Renato Janine Ribeiro.

Contamos com a sua presença. O evento também será transmitido online.
Caso queira, envie perguntas e/ou comentários antecipadamente (ieacomunica@usp.br).
Quando: 25 de julho de 2014  | 1° tempo  10:00 às 12:00 / 2° tempo 14:00 às 16:00
Onde: Sala Ruy Leme (E-203), Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade (FEA) da USP
Av. Prof. Luciano Gualberto, 908, Cidade Universitária, São Paulo, SP
Mais informações: http://www.iea.usp.br/eventos/debate-em-2-tempos-a-fantasmagoria-da-derrota-o-futebol-como-metafora.

 

Equipe de Comunicação
Instituto de Estudos Avançados

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 597 outros seguidores

%d blogueiros gostam disto: